Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

OPINIÃO: “Torcedores” do Criciúma mancham o clube ao ironizar Chape

O lado mais obscuro do ser humano foi visto no último domingo (23) no estádio Heriberto Hülse. Um lado marcado pelo ódio e que nos deixa menores em relação a animais irracionais, os quais nunca fariam algo assim como similares. “Torcedores”, se é que assim podemos chamá-los, do Criciúma ironizaram o trágico acidente aéreo com a delegação da Chapecoense.

Luiz Felipe Longo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução/Twitter

Eles podem ter até achado uma boa ideia provocar aos gritos de “ão ão ão abastece o avião” um rival que levantava a taça de campeão em frente à torcida adversária. Porém, com certeza foi uma atitude patética que teve um único prejudicado, o Criciúma Esporte Clube.

LEIA MAIS:
TORCEDORES DO CRICIÚMA PROVOCAM CHAPECOENSE APÓS VITÓRIA E LEVAM VAIAS: “ABASTECE O AVIÃO”; ASSISTA

Por mais que a agremiação divulgue nota repudiando o ato, afirmando que aquelas pessoas não representam o clube, infelizmente, elas já foram capazes de criar uma mancha na história do Criciúma. Na maior parte da vezes, nossa sociedade costuma generalizar e, nesse caso, não é diferente.

Alguns dos comentários culpam a torcida pelo fato de o clube não ter ido à final do estadual ou ainda amargar a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Outros proferem xingamentos à torcida, chamam até de “vergonha de Santa Catrina”, sem especificar a “meia dúzia” de babacas responsável por tudo.

Infelizmente, nossa sociedade é marcada por generalizações. “Todo político é ladrão”, “todo brasileiro é malandro”. “todo muçulmano é terrorista”, etc. Isso faz com que a atitude vergonhosa dos pseudo-torcedores do Criciúma faça uma mancha na história do clube. Hoje, ninguém se lembra do Criciúma campeão da Copa do Brasil 1991, mas sim do Criciúma com “torcedores” que ironizaram um dos episódios mais tristes do futebol brasileiro.

Por sorte, ainda podemos ter esperança na humanidade e são os gestos das pessoas que comprovam isso. Sejam eles gigantescos, como o que vimos naquele emocionante Atanasio Girardot em 30 de novembro de 2016, ou menores, como as vaias ecoadas pelo Heriberto Hülse dos verdadeiros torcedores, buscando silenciar os gritos ridículos.