Tênis

Bia Haddad arrasa top 20 na melhor vitória de uma brasileira em quase 30 anos

Publicado às

Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.

Crédito: Divulgação

Após furar o qualifying – com três vitórias na fase prévia -, a tenista Beatriz Haddad Maia vem fazendo bonito no WTA de Praga e, nesta quarta-feira, alcançou a fase de quartas de final do evento de primeira linha na República Tcheca. Atual número 1 do Brasil e 144ª do ranking, a paulistana de 20 anos derrotou com extrema facilidade a australiana Samantha Stosur, 19ª do mundo e cabeça 4, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2 em apenas 1h18min.

LEIA TAMBÉM:
Bia Haddad “vinga” Bellucci e é campeã do WTA de Bogotá nas duplas
Quantas lendas do tênis você consegue reconhecer? Faça o teste!

Esta é, numericamente falando, a maior vitória da curta carreira de Bia Haddad, que tinha como melhor resultado as vitórias sobre a ucraniana Lesia Tsurenko (43ª), no WTA de Miami, em março, e a norte-americana Christina McHale (45ª), exatamente na primeira rodada em Praga.

TAMANHO DO FEITO

Atual 19 do mundo, Stosur chegou a ser a número 4 do mundo e tem duas finais de Grand Slam no currículo – foi campeã do US Open em 2011 (derrotando Serena Williams na decisão) e vice de Roland Garros em 2010. Além disso, a australiana já foi líder do ranking de duplas em 2006, e ergueu o troféu de mais dois Slams na modalidade.

A vitória de Bia nesta quarta também foi a maior façanha de uma brasileira desde julho de 1989, quando Andrea “Dadá” Vieira derrotou a espanhola Conchita Martinez, então número 10 do mundo, no WTA de Arcachon, na França.

Nesses quase 28 anos, quem mostrou os melhores resultados contra jogadoras mais gabaritadas foi a pernambucana Teliana Pereira, que chegou a derrubar duas top 30 – a romena Sorana Cirstea, em Charleston (2014), e a ucraniana Elina Svitolina, em Bogotá (2015).

Com a campanha na República Tcheca, Bia Haddad subirá mais de 30 posições no ranking da WTA, aparecendo por enquanto como a número 115 do mundo.

Por vaga na semifinal inédita em simples, Bia enfrenta a tcheca Kristyna Pliskova, 58ª do mundo. O jogo entre a paulistana e Kristyna, irmã gêmea de Karolina Pliskova, número 3 do mundo, está marcada para esta quinta-feira por volta das 9h (horário de Brasília).

OUTROS RESULTADOS

O belo triunfo de Bia também foi uma espécie de “consolo” para o tênis brasileiro, que teve duas eliminações duras entre os homens. Em Munique, Thomaz Bellucci caiu diante do desconhecido alemão Yannick Hanfmann por 7/6(5), 4/6 e 7/5 na fase de oitavas de final após ter perdido um match point no terceiro set.

Já em Istambul, Rogério Dutra Silva também deu adeus nas oitavas diante do australiano Bernard Tomic por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/3. O brasileiro chegou a ter quebra de vantagem na primeira parcial antes de sofrer a virada.

Nas duplas, o veterano André Sá salvou a honra ao se classificar para as quartas no ATP 250 de Estoril. O mineiro de 39 anos e o também veterano indiano Leander Paes venceram Renzo Olivo e Benoit Paire por 7/6(1) e 6/2. Já Marcelo Demoliner ao lado do neozelandês Marcus Daniell caíram diante dos indianos Purav Raja e Divij Sharan por 6/0 e 7/6(4).

Em Istambul, Rogerinho também deu adeus logo na estreia jogando com o italiano Paolo Lorenzi. A dupla do brasileiro perdeu caíram para o israelense Jonathan Erlich e o norte-americano Scott Lipsky por 7/6(4) e 6/2.

Entre as mulheres, a paulistana Laura Pigossi, número 1 do Brasil em duplas, parou nas quartas do WTA de Rabat, no Marrocos. Junto com a argentina Nadia Podoroska, Pigossi foi derrotada pela húngara Timea Babos e a tcheca Andrea Hlavackova, cabeças de chave número 1, por 6/3 e 6/2.