Futebol

Brasileiro supera até saia justa “sexual” para brilhar no futebol sueco

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/Acervo Pessoal

Paulinho Guerreiro, atacante de 31 anos, passou grande parte da carreira no futebol sueco, saindo da rota que muitos atletas desejam estar, mas isso não quer dizer que a sua história é menos bonita, pelo contrário. Atualmente joga no BK Hacken, clube da cidade de Gotemburgo, jogando a sétima temporada onde se tornou ídolo e segue somando. No Brasil, teve passagens por XV de Piracicaba, São José, Bragantino e Paraná Clube. Aqui ele conta a sua trajetória no BK Hacken e um pouco da vida na Suécia.

LEIA MAIS:
EX-ATACANTE DO INTER SONHA ALTO COM TIME MODESTO NA TURQUIA

Atualmente a equipe está na quinta posição com 9 pontos em 6 jogos (em virtude do clima muito frio no fim do ano, a liga na Suécia começa em abril e termina em novembro, similar ao nosso calendário).

Torcedores.com: Você está desde 2015 no BK Hacken, porém você teve uma passagem anterior pelo clube (2007-2010), gostaria que contasse como surgiu a proposta de jogar na Suécia?

Paulinho: Então passei pelo BK Hacken antes como você disse e agora estou de volta. A proposta surgiu quando eu ainda jogava pelo Democrata de Sete Lagoas-MG, em uma partida que estávamos jogando em casa eu acho que era contra o Tupi. Esse pessoal aqui da Suécia, do BK Hacken estavam interessados no atacante do Tupi, nessa partida me destaquei com boa atuação, sem saber que eles estavam lá e sem esperar entraram em contato comigo depois da partida, aceitei a proposta e assim tudo começou a minha trajetória aqui no BK Hacken.

T: E quando você chegou no país, você ficou muito surpreso com o estilo de vida? Como foi a sua adaptação? E nas horas livres, como você aproveita?

P: Quando cheguei tudo era novidade pois nunca tinha saído do Brasil, eu amei todos os momentos que estava passando e procurei me adaptar o mais rápido possível, foi um pouco mais fácil porque cheguei já no meio do ano e o verão estava começando. A vida aqui é muito boa, não tem comparação com a vida no Brasil, temos muitos benefícios toda a estrutura, etc… Nas horas livres procuro aproveitar o máximo junto a minha família pois aqui tem muitos lugares bonitos que gostamos de frequentar e passear mas o principal é o parque Liseberg, a minha família curte muito esse lugar.

Paulinho também conta algumas histórias curiosas no país escandinavo:

“Fui pedir uma fita no clube e essa palavra “fita” significa vagina em sueco, todos ficaram me olhando, algumas mulheres bravas e outros dando risada e eu sem reação nenhuma, sem noção do que estava acontecendo, fiquei vermelho e um amigo veio correndo e me explicou o que era e pediu para não falar mais isso.”

“No jogo fiquei bravo com juiz em uma falta e xinguei ele em português e ele sabia um pouco de espanhol ele disse que compreendeu que eu disse “p#%@” e me deu cartão vermelho e ninguém do clube sabia o que aconteceu aí eu expliquei e todos deram risada”

“Aconteceu com um amigo brasileiro que tinha acabado de chegar aqui no Hacken, ele estava em um hotel e ele ligou para o nosso preparador de goleiros sueco que nos ajuda muito aqui, aí ele foi ajudar o brasileiro no hotel pois ele estava com a família e não sabia falar nada de inglês. O jogador queria pedir comida e o nosso amigo sueco tentou explicar para ele, mas não entendia, então ele começou a imitar galinha, porco, vaca dentro do restaurante todos começaram a dar risadas, ele passou muita vergonha mas conseguiu explicar o cardápio todo para o brasileiro”.

T: Em relação ao campeonato sueco, como você vê o nível da Liga? O fato do calendário ser diferente da maioria das ligas europeias interfere em alguma coisa?

P:O campeonato sueco subiu muito o nível nos últimos anos, muitos países e scouts estão buscando jogadores aqui da liga agora, pois isso fez com que crescesse o futebol sueco, times grandes da Alemanha, Itália, Inglaterra, França estão buscando jogadores aqui pois é um jogo de muita força e tática. Sobre o calendário eu particularmente gosto muito por causa das férias no final de ano geralmente quase 2 meses de férias dá para nós aproveitarmos muito e pega a melhor época no Brasil no final de ano (risos).

T: Sobre o Hacken, conte-nos sobre o clube, como é a estrutura, condições de trabalho. Quem é o maior rival? E a torcida?

P:BK Hacken é um clube com 77 anos, é clube mais novo de Gotemburgo dos 4 grandes (além do Hacken, tem o IFK Gotebörg, o GAIS e o Örgryte). A estrutura é muito boa, temos todas as condições de trabalho que um jogador precisa. Maior rival nosso é o IFK Göteborg. sempre pegam fogo os jogos (risos). Sobre a torcida, é um time que tem torcedores mais velhos, ex-jogadores e não temos muitos torcedores organizados.

Na última terça (02/05), houve o dérbi da cidade de Gotemburgo, com uma goleada do Hacken sobre o IFK Göteborg, por 4-0, com o último gol marcado pelo Paulinho. Apesar da rivalidade, o Göteborg é um time mais tradicional, campeão sueco 18 vezes (não vence desde 2007) e duas vezes campeão da Copa da UEFA nos anos 80, aumentado os méritos pela goleada.

T: Ano passado você foi campeão da Copa da Suécia, ganhando nos pênaltis do Malmö, uma das principais equipes do país, que ganhou 3 vezes a liga nos últimos 4 anos. Como foi a repercussão pela primeira copa do clube?

P:Sim, ano passado conquistamos o primeiro título do clube ganhando da forte equipe do Malmö, também fui artilheiro da copa e eleito melhor jogador. Tudo isso foi muito importante para o clube e para mim, mais uma vez fazer história aqui no BK Hacken. Foi uma festa muito grande para todos que trabalham no clube que esperaram tantos anos para poder ser campeão de alguma competição e agora somos tratados como heróis, para eles ficará guardado para sempre na memória. Tudo isso fez com que o clube seja muito respeitado agora aqui na Suécia, mas esse ano perdemos na semi final.

T: Você é o maior artilheiro da história do Hacken. Quais são as próximas metas?

P:Sou muito feliz nesse clube, além de ser o maior artilheiro com 69 gols em 109 jogos, (após o jogo de terça são 70 gols em 110 jogos), também sou o maior ídolo do clube, todos tem um carinho especial comigo tanto no clube, como os torcedores, nunca imaginei e sonhei com tudo isso que vivo aqui. Também estou na historia do clube por te feito 8 gols no amistoso contra uma equipe da 3ª divisão onde ganhamos de 9-1. Minhas metas sempre foram conquistar títulos fazer um grande trabalho se doar máximo e fazer historias para sempre pode ser lembrado.

Esse vídeo divulgado pelo clube, após a vitória no dérbi, mostra um pouco o carinho da torcida pelo Paulinho.

T: Em relação ao futebol brasileiro, pretende voltar?

P:Pretendo sim voltar um dia a jogar no Brasil de novo, pois todos clubes que joguei no Brasil tive passagens rápidas e pretendo um dia voltar e jogar no mínimo uma temporada completa em algum clube antes de encerrar a carreira.