DESTAQUE

Veja a onde estão os jogadores campeões mundiais sub-20 pela seleção brasileira em 2003

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto/reprodução: FIFA

Uma seleção que contava com muitas promessas, que garantiu o título mundial sub-20 para o Brasil, como de costume nem sempre todos os jogadores vingaram, mas foi uma safra muito valiosa para o futebol brasileiro.

A seleção que bateu a Espanha, na final, por 1×0, no Emirados Árabes tinha jogadores que hoje são consagrados como Daniel Alves, Adriano, Jefferson, Dagoberto, Fernandinho e Nilmar. A seleção de 2003 foi tão importante que depois desse título o Brasil ficou numa seca de 8 anos sem títulos do mundial sub-20.

LEIA MAIS:
4 jogadores que estão sem clube desde o início da temporada que caberiam em qualquer clube do futebol brasileiro
3 promessas do futebol brasileiro que não vingaram em lugar nenhum
5 jogadores que atuaram em grandes times do futebol brasileiro que ficarão sem contrato após o paulista

A seleção de 2003 contava com, Jeferson (Botafogo-RJ), Daniel Alves (Sevilla), Alcides (Schalke 04), Adailton (Vitória-BA), Adriano (Coritiba), Dudu Cearense (Vitória-BA), Daniel Carvalho (Inter-RS), Andrezinho (Flamengo), Juninho (Atlético-MG), Fernandinho (Atlético-PR), Nilmar (Inter-RS), Dagoberto (Atlético-PR), Jardel (Cruzeiro), Kleber (São Paulo), Fernando Henrique (Fluminense), Andrey (Grêmio-RS), Coelho (Corinthians), Gabriel Santos (Ponte Preta), Renato Silva (Goiás).

VEJA A ONDE ELES ESTÃO:

Jefferson (Goleiro): O jogador que começou nas categorias de base do Cruzeiro. Jefferson sempre frequentou as seleções de base do Brasil, o goleiro que atuou 32 vezes pela raposa entre 2000 e 2002, depois disso, Jefferson foi emprestado ao América/SP e Botafogo. Pelo clube alvinegro o jogador se destacou, nas temporadas e 2004 e 2005, foram 49 partidas pelo glorioso, o que lhe rendeu uma transferência para o futebol turco, a onde permaneceu até 2009 quando foi repatriado pelo Botafogo e não saiu mais. No fogão, Jefferson sempre esteve no auge e sempre conseguiu alcançar a seleção brasileira, jogou duas Copas Américas (2011 e 2015), uma Copa das Confederações (2013) e uma Copa do Mundo (2014), além de muitas convocações. Atualmente com 34 anos e se recuperando de uma grave lesão desde o ano passado, Jefferson é ídolo do Botafogo e teve uma carreira sólida e vitoriosa.

Fernando Henrique (Goleiro): Goleiro ídolo do Fluminense, teve menos chances na seleção brasileira do que Jefferson, mas nem por isso a carreira de Fernando Henrique foi um fracasso. Foram 12 anos no tricolor das laranjeiras, desde o sub-17 no clube carioca, o arqueiro defendeu as cores do Fluminense por 212 vezes e quase ganhou o inédito título da Libertadores em 2008. Fernando Henrique saiu do Fluminense em 2011, quando se transferiu para o Ceará a onde permaneceu até 2013 e foi para o América/RN, depois passou por Inter de Lages/SC, Remo/PA, Villa Nova/MG e voltou ao Ceará a pouco tempo atrás para disputar a Série B do Campeonato Brasileiro deste ano pelo vozão. Aos 33 anos, Fernando Henrique tem uma carreira vasta de experiência.

Andrey (Goleiro): Este viu sua carreira não tomar os rumos que queria, rodou por muitos clubes e não conseguiu repetir o sucesso dos outros companheiros de seleção. Oriundo da base do Grêmio, Andrey já passou por Atlético Paranaense, Figueirense, Steaua Bucaresti (ROM), Cruzeiro, Portuguesa, Criciúma, ABC/RN, América/RN, Paysandu, Boa Esporte, Cruzeiro/RS, Mashlad (IRÃ), Macaé e atualmente defende as cores do Brasiliense. Andrey nunca teve uma sequência nos clubes em que atuou, tanto que passou por muitos clubes durante a carreira, os únicos clubes que Andrey tem um pouco de identificação é o Figueirense e o Criciúma, ambos de Santa Catarina. Aos 33 anos, Andrey é mais um cigano da bola que não conseguiu obter o mesmo sucesso dos outros companheiros de seleção de base.

Daniel Alves (Lateral-direito): Lateral multicampeão pelo Barcelona, começou no Bahia e muito jovem se transferiu para o Sevilla a onde foi ídolo. Hoje se encontra na Juventus, além de ter 10 anos de seleção principal, Daniel coleciona títulos pela seleção e muitos fãs mundo à fora.

Dyego Coelho (Lateral-direito): Lateral bastante rodado, oriundo da base corintiana, Coelho também atuou por Atlético Mineiro e Bologna da Itália, também passou pelo Bahia antes de se retirar do futebol em 2014. Seu último clube foi o Atlético Sorocaba/SP, com 34 anos atualmente, Coelho trabalha como auxiliar-técnico.

Adriano (Lateral-esquerdo): Jogador vitorioso que começou nas categorias de base do coxa, fez sua carreira na Europa, jogou no Sevilla por 7 temporadas antes de se transferir para o Barcelona e fazer parte juntamente com Daniel Alves, de um dos times mais vitoriosos da história do clube. Atualmente com 32 anos, defende o Besiktas (TUR).

Gabriel Santos (Zagueiro): O zagueirão que começou na Ponte Preta, rodou por clubes tradicionais do futebol brasileiro, Fluminense, Palmeiras, Sport, América Mineiro e Ceará são apenas alguns clubes que Gabriel atuou durante a carreira, o atleta também tem passagens pelo futebol alemão e israelense. Atualmente defende a Portuguesa, aos 34 anos.

Alcides (Zagueiro): Muito jovem, Alcides saiu do Vitória para jogar no Schalke 04, era considerado uma das promessas do futebol brasileiro da época, mas não vingou como o esperado, rodou o futebol europeu, passou por Chelsea, Benfica, PSV e Dnipro (UCR). No futebol brasileiro, Alcides teve curtas passagens por Santos e Atlético Paranaense, defendeu o Náutico e o Criciúma e passou as últimas duas temporadas na Ferroviária. Atualmente aos 32 anos, defende o Matonense/SP.

Adailton (Zagueiro): Outro zagueiro oriundo das categorias de base do Vitória. O jogador que passou mais tempo fora do Brasil, defendeu o Santos (2007-2009) e o Bahia (2014), mas sua carreira foi toda construída fora do Brasil. Na França, jogou no Rennes por 3 temporadas, depois de um tempo foram mais 5 temporadas no futebol suíço e atualmente o jogador de 34 anos, defende o Miami FC (EUA).

Renato Silva (Zagueiro): Revelado no Goiás, Renato jogou por muito tempo no Rio de Janeiro, passou pelos 4 grandes clubes do estado, Flamengo (2005-2006), Fluminense (2007), Botafogo (2007-2008), Vasco da Gama (2011-2013). Por esses clubes, Renato ganhou 3 copas do Brasil por 3 times diferentes, algo inédito. Também passou por São Paulo (2009-2011), Santa Cruz (2014), Metropolitano/SC (2015) e Brasiliense/DF (2016). Fora do Brasil, Renato passou por Belenense (POR) e Shandong Luneng (CHN). Aos 34 anos defende o Boavista/RJ.

Dudu Cearense (Volante): Jogador de carreira sólida e bem-sucedida, Dudu revelado pelo Vitória, jogou muito fora do Brasil, ao todo foram 7 anos e meio jogando fora de seu país, atuou por Kashiwa Reysol (JAP) (2004), Rennes (FRA) (2005), CSKA Moscou (RUS) (2005-2008), Olympiakos (GRE) (2008-2011), antes de voltar ao Brasil no meio de 2011 para jogar no Atlético Mineiro. Também passou por Goiás e Fortaleza. Aos 34 anos o volante defende o Botafogo.

Fernandinho (Volante): Jogador consagrado, oriundo das categorias de base do furacão, Fernandinho fez sua carreira jogando fora do país, atuou por 8 temporadas no futebol ucraniano vestindo a camisa do Shakhtar Donetsk. Se transferiu para o Manchester City a 4 temporadas e é constantemente convocado para a seleção brasileira, aos 32 anos, o jogador que já defendeu o Brasil na copa de 2014, tem tudo para estar na lista de Tite na copa de 2018.

Jardel (Volante): Volante que surgiu no Cruzeiro em 1999, jogou na raposa até 2004 antes de se transferir para o Juventude no ano seguinte. Atuou pelo futebol português e rodou por muitos clubes do Brasil, Caldense/MG, Ceará, Santo André, Cabofriense/RJ, Uberlândia/MG e atualmente o jogador defende o Confiança/SE, aos 34 anos de idade.

Juninho (Meia): Rodado, Juninho revelado pelo Galo em 2002, era considerado uma joia do futebol brasileiro na época, mas a carreira não deslanchou e o jogador rodou o futebol mundo a fora. No Brasil foram 10 clubes (Atlético Mineiro (2002-2004 e 2007), Fluminense (2005-2006), Bahia (2009-2010), Rio Branco/SP (2012-2013), Guaratinguetá/SP (2013), Anápolis/GO (2014), Parauapebas/PA (2015), Remo/PA (2015), Tricordiano/MG (2016), Macaé/RJ (2016), e atualmente defende o Uberlândia/MG. O jogador também atuou por Nacional (POR) e Daegu (COR) fora do país.

Daniel Carvalho (Meia): Gaúcho e bom de bola, Daniel Carvalho começou no Internacional em 2001, era um dos destaques da nova safra do futebol brasileiro naquela época. Se transferiu para o CSKA Moscou (RUS) em 2004 e ficou por lá até 2008. Voltou para o Inter por empréstimo de um ano, mas voltou para a Rússia e de lá foi para o Qatar. Voltou ao futebol brasileiro em 2010 para defender o Atlético Mineiro, foi para o Palmeiras como medalhão e saiu pela porta dos fundos. Depois para o Criciúma, no ano seguinte abandonou o futebol e migrou para o futsal, voltou ao futebol jogando pelo Botafogo, jogou no Goiás e atualmente defende o Pelotas/RS, clube de sua cidade natal.

Andrezinho (Meia): Revelado pelo mengão, Andrezinho jogou 7 anos no Clube de Regatas Flamengo, foi lá que o jogador se projetou para o futebol. Teve uma longa passagem pelo Pohang Steelers da Coreia do Sul e regressou ao futebol nacional jogando no Internacional. Pelo colorado, Andrezinho é ídolo, conquistou a Libertadores pelo clube em 2010 e deu muitas alegrias ao torcedor colorado. Em 2012, Andrezinho saí do Inter e vai jogar no Botafogo, logo depois se muda para o futebol chinês, mas volta ao futebol brasileiro em 2015, para defender o Vasco da Gama, a onde está até os dias de hoje.

Nilmar (Atacante): Jogava muita bola, atacante veloz, versátil e habilidoso, Nilmar surgiu no Internacional e logo foi vendido ao Lyon da França. Defendeu o Corinthians, mas logo depois voltou ao Internacional para marcar muitos gols e garantir seu lugar na seleção brasileira para as disputas da Copa da Confederações (2009) e Copa do Mundo (2010), além de garantir uma transferência para o Villarreal (ESP). Nilmar atua no Oriente Médio desde 2012, quando se transferiu para o Al-Rayyan (QAT), voltou ao Inter em 2014, mas desde o ano passado está no Al-Nasr, dos Emirados Árabes.

Dagoberto (Atacante): Dagoberto, o atacante que explodiu no Atlético Paranaense, atuou pelas seleções de base do Brasil, teve uma grande passagem pelo São Paulo ganhando duas vezes o Campeonato Brasileiro, depois ainda passou pelo Internacional e foi mais duas vezes campeão brasileiro pelo Cruzeiro (2013-2014) sendo peça importante da equipe de Marcelo Oliveira, hoje está sem clube.

Kléber (Atacante): O gladiador surgiu no tricolor paulista em 2003, estourou no São Paulo e foi vendido ao Dynamo de Kiev (UCR) no ano seguinte. Voltou ao futebol brasileiro em 2008 jogando pelo Palmeiras, virou ídolo da torcida, ganhou o último título paulista pelo clube e ganhou o apelido de “gladiador”. No Cruzeiro, Kléber foi melhor ainda, era o principal jogador da equipe que quase venceu a Libertadores de 2009. Voltou ao verdão em 2010, passou por Grêmio (2012-2014), Vasco da Gama (2014) e está no Coritiba desde 2015.