DESTAQUE

Dudu defende Felipe Melo sobre suspensão na Libertadores e revela o que faria se estivesse em campo

Publicado às

Colaborador do Torcedores

dudu

Crédito: Foto: Reprodução/ Sportv

Faz quase um mês que Palmeiras e Peñarol protagonizaram algumas cenas lamentáveis em partida válida pela fase de grupos da Libertadores. Mesmo assim, as punições só saíram recentemente e o volante Felipe Melo acabou tendo que cumprir seis jogos de suspensão. A medida não foi aceita por muitos. O meia Dudu, que não jogou, comentou sobre o caso.

Em participação no programa Seleção Sportv, Dudu falou sobre as características de Felipe Melo tanto dentro, quanto fora de campo. O meia atacante palmeirense também comentou sobre a vontade que teve de jogar a partida e revelou qual seria sua atitude diante às agressões.

LEIA MAIS

DE CASA NOVA, RAFAEL MARQUES SE DESPEDE DO PALMEIRAS: “FORAM MESES DE MUITAS ALEGRIAS”

RUMO AO PALMEIRAS, ZAGUEIRO JUNINHO SE DESPEDE DO CORITIBA

FALSO 9? WILLIAN EXPLICA COMO SE ENCAIXA NA FORMAÇÃO TÁTICA DO PALMEIRAS

Perguntado sobre a suspensão de Felipe Melo, Dudu disse que os jogadores tem procurado evitar falar sobre isso. O jogador palmeirense fez questão de elogiar o volante por suas atitudes extra-campo, mas relembrou que Felipe é um atleta com características próprias.

A gente nem comenta sobre isso. O Felipe é um cara muito bacana, um cara que chegou aqui e todo mundo gosta dele. Todos tratam ele super bem, e ele também trata todos super bem. Acho que isso é característica dele dentro de campo, como eu tenho a minha, como outros jogadores, cada um tem sua característica dentro de campo e tem que exercer e ele faz isso muito bem. Ele nos ajuda e ajuda muito bem o Palmeiras”, comentou Dudu.

Ao ser questionado sobre o que faria caso estivesse dentro de campo, Dudu disse que queria estar lá para ajudar somente no jogo. O palmeirense fez questão de enfatizar o quanto não ficou contente com as cenas de agressão que ocorreram no fim do confronto:

“Já falei algumas vezes. Minha vontade era de estar dentro de campo para ajudar. A gente não tem que incitar a violência. Isso é muito feio. Têm muitas crianças, muitas pessoas vendo os jogos, que tem o futebol como um exemplo. A gente nunca pode partir para esse rumo”.