DESTAQUE

E agora? Vice-presidente de futebol do Novo Hamburgo admite: “Sou colorado”

Publicado às

Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Novo Hamburgo x Inter

Foto: Novo Hamburgo x Inter

Crédito: Foto: Ricardo Duarte/Inter

Passou pelas mãos de Everton Cury, vice-presidente de futebol do Novo Hamburgo, a montagem do elenco anilado para o Gauchão. Com poucos recursos, o dirigente acertou nas escolhas e agora colhe os frutos de estar na final do estadual. Mas o destino lhe pregou uma peça. Pela frente na briga pelo título está o Internacional, clube do seu coração.

A revelação foi feita nesta quinta-feira, em entrevista à Rádio Bandeirantes. O cartola admitiu que é torcedor do Inter, mas fez questão de frisar que isso não altera em nada a sua maneira de trabalhar. Quando Inter e Novo Hamburgo se enfrentam, toda a sua torcida vai para o time da região metropolitana de Porto Alegre.

LEIA MAIS:

Diretor do Novo Hamburgo crava: “Bolaños não amarra a chuteira do D’Alessandro”

Marcelo Lomba chorou no vestiário por causa da grave lesão de Keiller

“Todos os dirigentes de clubes do interior têm algum carinho por Inter ou Grêmio. Isso faz parte da cultura do futebol gaúcho”, ponderou o dirigente. “Eu sou muito colorado, mas meu time do coração é o Novo Hamburgo. Quando os dois jogam, sou Noia”, garantiu.

Cury também ressaltou a grande campanha do Novo Hamburgo rumo à final. Além de ter feito a melhor campanha da primeira fase, o anilado não perdeu para a dupla Gre-Nal na competição. “Não faz diferença nenhuma o meu time. Como dirigente, não perdi pro Inter ou Grêmio”, pontuou.

Enquanto dirigente, Everton Cury está a 90 minutos de fazer história junto ao Novo Hamburgo. Desde 2001, o Campeonato Gaúcho é dominado pela dupla Gre-Nal. Neste período, times do interior como XV de Novembro, Caxias e Juventude chegaram perto, mas nunca conseguiram a taça.

Para ficar com o título da edição de 2017 do Gauchão, o NH precisa de uma vitória simples sobre o Inter no próximo domingo, às 16h, no estádio Centenário, em Caxias do Sul. Como o primeiro jogo, no Beira-Rio, foi 2×2 e não há saldo qualificado, um novo empate força uma decisão por pênaltis.