Espanha investiga Del Nero por receber suborno, noticia jornal

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, se tornou alvo de investigação na Espanha. O jornal ‘Estado de São Paulo‘ noticiou nesta quinta-feira (25) que o Ministério Público daquele país foi denunciado por lavagem de dinheiro.

Victor Martins
Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhida.Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo parecido.

Crédito: Crédito da foto: Divulgação/ Rafael Ribeiro/CBF

Na denúncia apresentada pelo MP espanhol, o dirigente da CBF teria recebido suborno da empresa Klefer, pertencente ao ex-presidente do Flamengo Kleber Leite. A mesma denúncia já teria aparecido na investigação feita nos Estados Unidos pelo FBI.

LEIA MAIS

MERCADO DA BOLA 2017: MANCHESTER CITY ANUNCIA REFORMULAÇÃO E DISPENSA QUATRO JOGADORES

CUCA CONFIRMA MULTA A FELIPE MELO E PREPARADOR DO PALMEIRAS APÓS DISCUSSÃO; VEJA QUANTO

F1: DIAMANTE PERDIDO, MECÂNICOS STORMTROPPERS E “SUPERMAN” NO PÓDIO; CURIOSIDADES DE MÔNACO

Uma rede de empresas criadas para lavagem de dinheiro era alimentada pela Klefer, segundo a denúncia. O suborno a Del Nero denunciado pelos espanhois aconteceu em relação a venda de direitos de difusão e do marketing da Copa do Brasil de 2013, um acordo que a empresa assinou com a CBF em 2011.

Além do atual presidente, seus dois antecessores, Ricardo Teixeira e José Maria Marin, também receberam pagamentos ilegais feitos pela Klefer. A intenção, segundo a denúncia do MP espanhol, era de os direitos fossem para as mãos de ‘outras sociedades. Outra parte da denúncia mostra que a empresa de Kleber Leite pagou cerca de US$ 1 milhão (algo em torno de R$ 3,2 milhões) em 2014 para uma empresa chamada ITASCA, controlada pelo ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell.

Até o momento, Del Nero e a CBF não se pronunciaram sobre a notícia da denúncia. Desde que os escândalos de corrupção no futebol começaram a ser investigados, em 2015, o dirigente tem evitado fazer viagens para fora do país, já que é investigado pelo FBI e correria o risco de prisão.

(Crédito da foto: Divulgação/ Rafael Ribeiro/CBF)