Futebol

Ex-goleiro do Goiás nega participação em churrasco de Fernandão após queda do Corinthians

Publicado às

Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.

Crédito: Foto: Site Oficial/Goiás.

A relação entre Corinthians e Internacional ficou turbulenta após a conquista do Campeonato Brasileiro de 2005 pelos paulistas, no polêmico ano da anulação de 12 jogos envolvidos no esquema de resultados. Dois anos depois, o Timão precisava de uma vitória Colorada diante do Goiás, na última rodada do nacional, para escapar do rebaixamento, porém, ela não veio e o clube foi parar na Série B.

Em entrevista ao Torcedores.com, Harlei, ex-goleiro esmeraldino, lembrou da vitória por 2 a 1 diante dos gaúchos. “Aquele jogo mexeu muito com o emocional de todos. A gente tinha feito um primeiro turno muito bom e depois, assustadoramente, tivemos problemas. Ficou tudo para o último jogo para fugir do rebaixamento, e conseguimos. Foi muito sofrido. Perde pênalti, manda voltar, perde de novo e faz. Do outro lado tinha o Corinthians, que é um peso enorme, tem tradição, foi muito problemático”, disse.

LEIA MAIS
COM MÃO NO TÍTULO PAULISTA, CARILLE ADMITE QUE VIA CORINTHIANS COMO 4ª FORÇA DE SP
CORINTHIANS PERDE DOIS JOGADORES PARA A DISPUTA DA GRANDE FINAL DO PAULISTÃO
CORINTHIANS ATROPELA PONTE E FIEL PROVOCA RIVAIS NA WEB; VEJA OS MELHORES MEMES

Do lado corintiano, ficou a sensação de que o Inter poderia ter dado algo a mais e uma pulga atrás da orelha após as saídas de Fernando e Gil, ex-Timão, no intervalo em Goiânia. Anos depois, o livro “A reconstrução do Timão”, de Maurício Oliveira e Rodrigo Vessoni, asseguraram que um dirigente do Corinthians ofereceu R$ 10 mil a cada jogador do Inter por vitória contra o Goiás. O atacante Gil, ex-Corinthians e na ocasião no Inter, foi o intermediário da proposta.

O atacante Fernandão, um dos mais irritados com o título de 2005, conversou com o goleiro Clemer, líder do grupo, e convocou uma reunião da equipe Colorada para discutir a proposta. Luis Augusto Simon, em “A saga corintiana”, afirmou que Andrés Sanches, então presidente do Corinthians, tem convicção de que a queda do time “só se concretizou porque o Inter havia entregado o jogo contra o Goiás”. Menon, como Simon é conhecido, destacou em seu livro que Fernandão liderou o grupo dentro do Inter favorável à ideia de perder a partida, enquanto Clemer e Gil eram contra.

Ao Torcedores.com, Harlei contou da dificuldade da partida e que não participou do churrasco promovido por Fernandão no dia seguinte à queda do Corinthians para comemorar a permanência do Goiás na elite do futebol brasileiro. “Eu não participei de churrasco nenhum. O que é sabido por todos é que já existia essa rixa de Corinthians e Internacional, de um campeonato anterior. Nós jogadores [do Goiás] fizemos o nosso papel e procuramos vencer o jogo. Foi muito difícil, inclusive, com o Internacional saindo na frente. Depois que as coisas acontecem, tudo se fala. Foi feito isso, aquilo. Se as pessoas realmente têm essa certeza, porque não fizeram algo que neutralizaria. Não tem isso“, declarou.

“O que as pessoas comentam muito é que o Fernandão era da cidade, tinha amizade com jogadores do Goiás. Pode ter feito um churrasco? Sem dúvida nenhuma, mas seria algo de amigos, da mesma cidade e do mesmo clube. Um churrasco para comemorar queda de Corinthians jamais aconteceu“, concluiu o ex-goleiro, que hoje estuda gestão esportiva para ser dirigente.