Esportes Olímpicos

Leal, bem próximo da ‘amarelinha’

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Sada Cruzeiro Divulgação

O que muitos esperavam com certa ansiedade, agora é oficial, Yohandy Leal já tem data pra, supostamente, estrear na seleção. A partir de 2019, o cubano e agora também brasileiro já está disponível a defender a ‘amarelinha’, após o anúncio da FIVB (Federação Internacional de Voleibol), homologando o processo. Com a definição, Leal, estará apto a jogar, porém, como regulamento prevê, só daqui há 2 anos.

Muitos já o queriam para a disputa do mundial no ano que vem, entretanto, terão que esperar um pouco mais, para uma convocação que deixa os amantes da modalidade e o próprio jogador, extremamente ansioso. “Já saiu. Já posso jogar, mas só na próxima temporada. Em 2018, já vou poder jogar, diminuíram o tempo. Era preciso fazer essa reunião na FIVB, depois de se nacionalizar, você precisa de dois anos, mas a partir do ano que vem já estou liberado. Tinha que ter uma liberação da federação cubana, e já saiu”, afirmou o destaque do Cruzeiro para o portal do Globo Esporte.com.

A ansiedade é tão grande que o ponteiro cruzeirense se enganou ao dizer que já poderia estrear no ano de 2018. Como prevê o próprio regulamento, o atleta está liberado apenas, após a determinação de Federação concedida nessa semana.

Com títulos e mais títulos pela a equipe mineira, Leal se tornou unanimidade, por parte da torcida celeste e rivais que enaltecem sua capacidade e talento, mesmo passando um bocado de raiva, vendo do outro lado, o nível de excelência e o rendimento acima da média. O cubano, agora também brasileiro conquistou a torcida com a seu carisma, qualidade, talento puro e uma explosão, diferencial para a posição, além de ótimo passador, consequentemente.

Leal decide mais uma Superliga neste domingo, às 10h (horário de Brasília), contra a equipe do Funvic Taubaté. O cruzeirense defende uma hegemonia no país que perdura por alguns anos e a expectativa para mais um caneco cresce, após a notícia que vem como um ‘boom’, um estimulador a mais para essa decisão que reserva muito emoção, do inicio ao fim.