DESTAQUE

Mattos vê ‘desequilíbrio técnico’ e questiona critérios da Conmebol em punição ao Palmeiras

Publicado às

Estudante do 9º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.

Alexandre Mattos Palmeiras

Crédito: Reprodução/Facebook

Nesta quarta-feira, 17, o Palmeiras sofreu uma grande punição da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). Por conta das confusões ocorridas no gramado do Estádio Campeón de Siglo, após a partida contra o Peñarol, pela Libertadores, o clube foi proibido ter sua torcida nos próximos três jogos fora de casa na competição.

Em fala com os jornalistas na chegada ao Allianz Parque, antes da partida contra o Internacional, pela Copa do Brasil, Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, lamentou as punições aplicadas pelo órgão internacional e garantiu que o clube vai tomar providências para reverte-las.

LEIA MAIS:

BORJA ELOGIA CUCA E AFIRMA: “COM ESSE PROFESSOR AS COISAS VÃO FUNCIONAR MUITO BEM”

HÁ CINCO MESES NO BRASIL, BORJA AINDA BUSCA SE ADAPTAR AO FUTEBOL BRASILEIRO

“Teremos uma Libertadores com um desequilíbrio técnico. O que vai acontecer até o fim, não sabemos, mas é um desequilíbrio técnico. O Palmeiras foi bastante prejudicado neste movimento”, iniciou falando Mattos. “Não tem como o Palmeiras controlar. As imagens estão aí. Seguranças, que deveriam cuidar, estavam jogando pedras e latas de lixo na cabeça dos torcedores do Palmeiras. Têm jornalistas que estavam presentes e sentiram”, continuou.

Aproveitando para mandar um ‘recado’ aos demais clubes, o dirigente do Verdão também questionou as ações da Confederação, que aplicou uma punição no clube que estava, segundo ele, em busca de defesa e cobrou ações contra o Peñarol, clube mandante da partida. A pena aplicada ao volante Felipe Melo, suspenso por seis jogos da competição, também foi lamentada.

“A Conmebol tem que explicar os critérios que ela adotou para quem quer se defender ser punido. Todo mundo agora tem que ficar de olho nas coisas que estão acontecendo por lá”, questionou. “Não queremos nenhuma punição. Nem para o Palmeiras e nem para o Felipe (Melo). O que queríamos é que a coisa fosse entendida e que se punissem os culpados. Nesse caso, o culpado é o Peñarol e a sua responsabilidade de fornecer a segurança, o que não aconteceu naquele dia”, completou.

Reafirmando que o Verdão é vítima das confusões ocorridas no Uruguai, Mattos lamentou o fato de o clube ter uma enorme torcida, espalhada em diversos lugares, e que não poderá acompanhar seu time do coração.

“A gente fica com a revolta. Quem trabalha com futebol, sabe que o Palmeiras, com o tamanho da torcida que tem, podendo lotar estádio mundo afora, não podendo ter o seu torcedor do lado por conta de uma situação que a gente é vítima”, disse.

Mattos descartou o receio da Conmebol ‘endurecer’ a punição, caso o Palmeiras recorra e garantiu que o clube vai agir para reverter os ‘prejuízos’.

“Temos que fazer o nosso papel. Se cabe recurso, o Palmeiras tem que e vai recorrer. Vai usar tudo o que pode ser feito para recorrer e diminuir esse prejuízo que, ao meu ver, é impagável. O Palmeiras se acha prejudicado por uma força exterior para disputar o campeonato. Mas isso não significa que vamos amolecer”, finalizou o diretor.

A reportagem do Torcedores.com está no Allianz Parque e acompanhou a rápida coletiva do diretor alviverde. Assista!

Chegada do Palmeiras ao Allianz Parque

Publicado por Torcedores.com em Quarta, 17 de maio de 2017