Futebol

OPINIÃO: CONMEBOL É UMA INSTITUIÇÃO SÉRIA ?

Publicado às

Colaborador do Torcedores

A CONMEBOL é a instituição responsável pela organização de torneios como Copa a Sulamericana e Taça Libertadores. Sendo ela a principal responsável por organizar e e punir as equipes participantes dos torneios, vem colecionando ‘ lambanças ‘ ao decorrer das edições das competições, então listamos alguns episódios que explicam isso:

Caso Kevin Espada:

Durante a estreia do Corinthians na Libertadores de 2013, em Oruro, o atacante Paolo Guerrero marcava o primeiro gol do Corinthians na Copa Libertadores, foi quando um sinalizador disparado pela torcida do Corinthians atingiu o jovem torcedor do San José que veio a falecer.

A tragédia abalou o mundo do futebol e todos esperavam uma atitude rigorosa da instituição, não deveria ser diferente levando em consideração a morte de um torcedor e que a ação de seus torcedores, infringiu pelo menos três artigos do código disciplinar. Ou seja, exclusão da equipe paulista era a decisão mais correta a se tomar, mas a CONMEBOL optou por deixar o Corinthians sem jogar com a presença da torcida pela primeira fase da competição dentro e fora de casa.

Vale lembrar que a instituição proíbe a entrada de sinalizadores, no entanto passado dois anos o estádio Jesús Bermúdez, o mesmo em que ocorreu a tragédia do Jovem Kevin, recebia diversos torcedores em outra partida do San José que enfrentava o River Plate da Argentina, fato é que novamente era visível o número de sinalizadores usado pela torcida, fica ai a sensação de impunidade.

Caso Torcida do Boca Juniors x Jogadores do River Plate:

Na edição de 2015 da Libertadores, o Boca enfrentava o River Plate na partida de volta em seu estádio. E na volta do vestiário foi quando aconteceu o fato lamentável, onde a torcida do Boca Juniors atirou spray de pimenta nos jogadores da equipe adversária. Alguns atletas ficaram com marcas vermelhas no corpo, mais uma vez esperava uma atitude rigorosa da CONMEBOL e ela até veio com a eliminação da equipe do Boca, só que circulava na mídia que a FIFA(Federação Internacional de Futebol), teria sugerido a exclusão das próximas cinco edições do torneio, decisão que ao meu ver seria uma decisão correta, uma vez que levou em risco os profissionais que lá se encontravam.

Mais uma vez ficou a sensação de que a instituição só visa seus próprios interesses e esta mais preocupada em lucrar, pois o Boca Juniors como maior campeão da competição, sempre será um atrativo a mais.

 

Caso Palmeiras x Peñarol:

Na edição de 2017 o Palmeiras foi ao Uruguai em partida decisiva contra o Peñarol, cercado de provocações e polêmicas, a diretoria palestrina optou por reforçar a equipe de segurança, decisão que ao meu ver foi correta, jogando fora de seus domínios e em partida que oferece um grande risco, a diretoria só visou o bem estar de seus atletas. Voltando a partida, o jogo se desenhava para uma vitória uruguaia quando ainda no primeiro tempo abriu 2×0, o técnico Eduardo Baptista reconhecendo que não escalou a equipe correta fez as alterações necessárias e virou a partida para 3×2. Com o apito final começou a confusão, as imagens mostraram que o jogador William(cebolinha) e Fernando Prass foram encurralados e agredidos, Felipe Mello que como faz em todos os jogos que sai vitorioso levanta as mãos pro alto em sinal de agradecimento, logo em seguida foi encurralado também e foi correndo de costas até que um jogador do Peñarol se aproximou para agredi-lo e ai sim Felipe Mello deu um soco no adversário. Outro fato grave que ocorreu ao término da partida, foi que funcionários uruguaios fecharam o portão que da acesso ao vestiário, não fosse pelos seguranças palmeirenses que conseguiram abrir os portões a situação poderia ser ainda mais grave. E dai por diante, foi uma sequência de ‘ bizarrices ‘ começando pelo arbitro que colocou na súmula que Felipe Mello se dirige ao banco de suplentes do Peñarol e os provoca, atitude essa que as imagens negam, imagens que também mostram que os jogadores uruguaios deram inicio a confusão, tentaram invadir o vestiário adversário e os palmeirenses a todo tempo buscaram se defender. Com tudo isso em mãos a CONMEBOL optou por punir o Palmeiras com três jogos sem torcida quando for visitante e ainda terá que pagar uma multa de US$ 80 mil (cerca de R$ 250 mil). Felipe Mello que corria de costa enquanto era perseguido teve uma punição maior que os jogadores do Peñarol que iniciaram a batalha campal.

Tal decisão da CONMEBOL me faz pensar qual seria a decisão que os jogadores alviverdes deveriam tomar para que não fossem punidos pela CONMEBOL. Sem querer fazer nenhuma teoria da conspiração, mas certas atitudes deixam em duvidas alguns critérios da entidade responsável pela competição, uma equipe de fora vem ao Brasil em jogo válido pela Libertadores e briga, bate em policiais, fazem catimbas e etc, pouco é visto punições para essas equipes. Quando uma equipe Brasileira joga fora, é quase que rotina ver policiais escoltando o jogador que vai bater o escanteio para não ser atingido por objetos arremessados pelas torcidas locais, punição que também não acontece nesses casos. Já a equipe do Palmeiras nesse caso onde foi vitima, foi mais lesado que a equipe que provocou a confusão e essas outras equipes no qual citei.

 

Caso Luis Otávio, zagueiro da Chapecoense: 

Ainda na edição de 2017 da Copa Libertadores, a CONMEBOL comete outro amadorismo. A equipe da Chapecoense pronta para entrar em campo em partida de grande importância contra o Lanús, foi avisada pelo delegado da CONMEBOL que o Luis Otávio estava suspenso e não poderia entrar em campo, aviso esse que gerou grande confusão no túnel que da acesso ao campo, com um comunicado no celular o delegado apresentou o documento. O zagueiro Fabrício Bruno que foi vetado e se dirigia aos camarotes foi chamado as pressas, trocou de roupa mas a CONMEBOL vetou a inscrição do atleta alegando que a súmula já estava fechada, decisão que foi o estopim para a revolta dos catarinenses que rapidamente ligaram para o Brasil e nada constava no email da equipe, também ligou para a CBF(Confederação Brasileira de Futebol) que também disse não ter conhecimento e nem ter sido comunicada de que o atleta estava suspenso, consultaram também o advogado e todos davam a mesma resposta de que não teriam recebido nenhum ofício da suspensão do atleta. Luis Otávio que foi expulso na ultima partida da chape pela libertadores assim como Rossi, cumpriu suspensão na partida contra o Atlético Nacional. Fato é que a diretoria bancou o zagueiro de titular e o mesmo ainda fez o gol que decretou a vitória da equipe.

Mais uma questão duvidosa na conta da CONMEBOL que coleciona lambanças. Como que uma entidade séria comunica a equipe de que seu atleta tem que cumprir três jogos de suspensão dois minutos antes da partida?