DESTAQUE

Opinião: O São Paulo parece viver uma crise sem fim

Publicado às

Jornalista de esportes desde 2005, com passagem pelo UOL e Terra. Editor de comunidades do Torcedores.com e blogueiro do renanprates.com

Flamengo x São Paulo

Crédito: Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Pelo visto, nem Rogério Ceni, como treinador, vai mudar um fato: o São Paulo parece viver uma crise sem fim. A ausência de títulos desde 2012 tirou a tranquilidade que o Tricolor precisa para escapar das cobranças do seu torcedor.

Após um 2016 frustrante, em que se criou a esperança no torcedor de que o tetra da Libertadores viria (o time parou na semifinal contra o Atlético Nacional), mas a realidade foi um 2017 longe da maior competição sul-americana de futebol, a confirmação de Rogério Ceni como treinador deu ao são-paulino a falsa esperança de que a era dos títulos iria voltar.

A Florida Cup ajudou a reforçar esta confiança. Afinal de contas, o título veio com um futebol promissor – se levado em conta o pouco período de treinos. Mas aí vieram duas eliminações na mesma semana (Corinthians e Cruzeiro, pelo Paulistão e pela Copa do Brasil). As cobranças ao trabalho de Rogério Ceni começaram a se intensificar. Mas o maior ídolo da história do clube tinha uma muleta para se defender – duas semanas inteiras de treinos para acertar o time.

Foi o que aconteceu? Longe disso. O São Paulo teve uma atuação vergonhosa e conseguiu a proeza de ser eliminado contra o “poderoso” Defensa y Justicia, que foi ao Morumbi pela primeira viagem internacional de sua história e voltou para a Argentina com a classificação inédita na Copa Sul-Americana.

Desde então, o São Paulo passou a sofrer do principal dilema dos clubes em crise: os problemas internos passaram a “vazar” para a imprensa. Segundo a ESPN, Rogério Ceni teve uma cobrança excessiva no vestiário no intervalo da derrota para o Corinthians no Morumbi. Cícero não gostou e protestou. Sinal de que o treinador está perdendo o vestiário? Precisamos de mais elementos para cravar uma informação como esta. Mas algo está errado. Bem errado.

Não dá para colocar toda a culpa em Rogério Ceni. Em seu primeiro trabalho como treinador, ele apostou pela ousadia e está pagando um preço caro por isso. Talvez seja a hora de dar um passo pra trás nesta ousadia, jogar se expondo pouco e tentando ganhar pontos para conseguir tranquilidade para trabalhar. Mas um fato não dá para negar: o elenco é limitado, para dizer o mínimo. Nomes como Pratto e Cueva se tornam um “oásis” de qualidade.

O São Paulo também padece de um problema: a cobrança por títulos é intensa. E com esse elenco, será MUITO difícil ser campeão de algo.

A pergunta que fica é: até quando Ceni vai ser mantido com uma situação instável como essa? Se fosse qualquer outro técnico, já estaria na rua. Teria Leco a coragem de fazer o mesmo com o maior ídolo da história do São Paulo?

A crise no Tricolor parece não ter fim…