DESTAQUE

OPINIÃO: Quando o M1to vira M1co

Publicado às

Adair Dias, o Zadá, é engenheiro, fanático por esportes. Quando não está trabalhando ou cuidando das filhas, certamente está fazendo algo relacionado com eles.

Crédito: Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

“A soberba precede a ruína, o espírito arrogante vem antes da queda”. O trecho é bíblico mas se aplica até para o ateu mais convicto. Com Rogério Ceni não seria diferente. Brigando com a realidade e se apoiando em números enganadores, o ídolo tricolor cava rapidamente sua própria cova. Aí, o M1to vira M1co.

Soberba, arrogância e prepotência. Sinônimos que caracterizam muito bem o comportamento do treinador são paulino após 5 meses de trabalho. Importante lembrar que ele sempre foi assim, e a diretoria sabia o pacote que estava adquirindo. Pior que isso, Rogério Ceni vem demonstrando pobreza tática e aparentemente não convence mais seus jogadores. A diretoria tricolor, cantada e decantada como a mais moderna do Brasil, isso há “longínquos” 10 anos, vê-se agora refém da própria invenção. O ex-goleiro como técnico desagrada uma boa parte da torcida, mas ainda possui uma legião de fanáticos (quase religiosos) que exigem a manutenção do M1to ‘haja o que hajar’. Nesse cenário, por mais paradoxal que pareça, somente um rebaixamento salvaria a alma destes tricolores.

Rogério se apoia em seus números, em seu enganoso percentual. Não inclui na conta jogos contra fraquíssimos times do interior, a goleada para um dos rebaixados do Paulista e a fatídica tríplice eliminação. Teve em seu ponto alto a vitória do Santos na Vila, mas hoje vendo o retrospecto do rival naquele momento onde também perdera para Ferroviária e Palmeiras em seus domínios, podemos atribuir um pouco do acaso ao seu apogeu. Em todos os jogos em que foi realmente exigido, sucumbiu.

Muitos desconfiam se seu orgulho lhe permitiria pedir demissão. Do outro lado da moeda, temos uma diretoria omissa e politicamente refém que também não teria coragem de manda-lo embora. Nas mãos do Rogério uma decisão muito fácil a ser tomada, confessar que apesar de seu ano sabático lhe faltou experiência. Pedir demissão e prometer que voltará mais forte. Fácil para os humildes mas difícil para quem gosta dos holofotes. Provavelmente irá pelo caminho mais difícil e lutará pela reviravolta que lhe concederá o título de M1to eterno!

Ceni, por enquanto, é o bom aluno que não passou no vestibular.