DESTAQUE

OPINIÃO: Santos soube jogar Libertadores contra o Strongest

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Santos

Crédito: Reprodução/Facebook Conmebol Libertadores Bridgestone

As pessoas costumam dizer que para ganhar Libertadores é preciso mais que talento. É preciso aliar isso com raça, garra e também um pouco de sorte. Foram justamente todos esses pontos que o Santos apresentou nesta quarta-feira (17), ao empatar por 1×1 com o The Strongest, em La Paz.

Jogando nos mais de 3600 m da cidade boliviana, o alvinegro apresentou um bom futebol dentro de suas condições. Começou a partida bastante compactado, encurtando os espaços, mas ao mesmo tempo chamando a equipe da casa para poder escapar em um contra-ataque no início do jogo, quando o oxigênio estaria no máximo.

LEIA MAIS:
SANTOS ARRANCA EMPATE HEROICO NA ALTITUDE E GARANTE VAGA ANTECIPADA ÀS OITAVAS

Só que os planos de Dorival Júnior mudaram quando Bruno Henrique foi injustamente expulso e os ânimos dos jogadores se exaltaram por conta de mais uma fraca e caseira arbitragem na Libertadores. O Santos se perdeu em campo, levou sufoco, tomou pressão e sofreu um gol do habilidoso Chumacero.

Na segunda etapa, as perspectivas não eram das melhores. A equipe brasileira jogava na altitude e com um a menos. Era muito difícil conseguir o empate. Só que o The Strongest pecou demais. Foi incompetente, não conseguindo passar por um Cléber que, finalmente, teve uma grande atuação com a camisa do Santos. Outro ponto positivo foi Copete. Improvisado na lateral esquerda, o colombiano parecia incansável.

Foi preciso um lance de genialidade de seu melhor jogador, Lucas Lima, que entortou o marcador, e deu passe açucarado para Vitor Bueno, autor do gol da classificação. Os camisas 10 e 7 vão, aos poucos, calando os críticos. O primeiro volta a ser o maestro que o credenciou em 2015, enquanto o segundo recupera confiança.

No final, ainda deu para aumentar mais o drama. No pênalti bobo cometido por Vanderlei, os jogadores santistas souberam fazer catimba. Atormentaram Pablo Escobar antes da batida e viram quando o experiente meia deu cavadinha bizarra e perdeu. Que sorte do Peixe! Assim como contra o Santa Fe, é mais uma partida que eleva a moral do elenco, que vai ficando fortalecido para as fases finais.