DESTAQUE

Ídolo no Palmeiras, Evair admite que torcia para rival na infância

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Palmeiras

Foto: Foto: Fábio Menotti / Palmeiras / Divulgação

Crédito: Foto: Fábio Menotti / Palmeiras / Divulgação

Um dos maiores ídolos da história do Palmeiras, destaque no título do Campeonato Paulista que tirou o Verdão de um jejum de quase 17 anos sem títulos, em 1993,  Evair torcia para outro clube na infância. Em entrevista ao programa “Bola da Vez”, da ESPN Brasil na noite desta terça-feira (2), o o ex-atacante admitiu que era fã do Santos quando era criança.

No entanto, depois de se tornar jogador de futebol e passar por diversos clubes, o ex-jogador revelou que seu coração passou a se tornar palmeirense e que hoje não tem mais nada com o Peixe.

LEIA MAIS:

MAURO BETING NÃO POUPA FELIPE MELO POR APOIO A BOLSONARO: “MELHOR FICAR MUDO”
TCHÊ TCHÊ EM BAIXA? EDUARDO BAPTISTA TEM A EXPLICAÇÃO
VEJA AS MUDANÇAS, DESFALQUES E RETORNOS NO VERDÃO PARA ENFRENTAR O WILSTERMANN

“Até antes de ir para o Guarani eu torcia para o Santos. Aí o coração começou a ficar verde, verde, e não parou mais. Lá em Crisólia eu era santista”, confirmou Evair ao ser questionado pelo apresentador do programa, João Carlos Albuquerque.

Nascido em Crisólia, distrito de Ouro Fino, no interior de Minas Gerais, em 1965, o “Garçom” ou “Matador”, como era chamado por muitos no Palmeiras, devido à sua facilidade em dar passes para os companheiros marcarem e também fazer muitos gols, se profissionalizou no Guarani, em 1985. Mas foi apenas em 1991 que ele chegou ao Palmeiras para se tornar um dos maiores ídolos da torcida alviverde. No Palestra Itália, em sua primeira passagem conquistou os títulos do Paulistão, duas vezes, Torneio Rio-São Paulo, e Campeonato Brasileiro, outras duas vezes.

Depois de sair do Palmeiras, em 1995, para jogar no Yokohama Flugels, Evair voltou para o Brasil dois anos depois, passou por Atlético-MG, Vasco e Portuguesa antes de retornar o Verdão para levantar o inédito troféu da Libertadores da América, em 1999.