Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Zé Ricardo explica porque Conca não entrou em campo contra o Avaí

A partida deste domingo contra o Avaí foi a primeira vez que o argentino Darío Conca foi relacionado no Flamengo. O meia foi para o banco de reservas e ficou como opção para o técnico Zé Ricardo, porém o treinador preferiu não utilizá-lo.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Darío Conca ficou no banco de reservas pela primeira vez no Flamengo, mas não foi aproveitado (Foto: Reprodução/TV Globo)

LEIA MAIS
Flamengo anuncia mais um reforço para a temporada
Avaí x Flamengo: chefe de arbitragem da CBF nega interferência externa em lance polêmico

“Hoje, se fosse o caso de utilizar ele na condição do Diego, a gente utilizaria. Vai ser muito difícil ver os dois juntos porque a gente teria os dois não 100% em ritmo e tem o Éverton que também voltou há pouco tempo. Então a gente achava um risco colocar os dois juntos. Como a gente optou por continuar com o Diego até o final do jogo, a gente não fez a estreia do Conca. Assim que a gente achar a possibilidade, a gente vai utilizá-lo também”, revelou o treinador rubro-negro.

Conca foi contratado no começo do ano e foi submetido a uma cirurgia no joelho. O jogador vem em tratamento no Ninho do Urubu desde então. A previsão inicial do Flamengo era que o camisa 19 estreasse ainda em maio. Conca, inclusive, foi inscrito pelo clube no Campeonato Carioca e na Copa Libertadores, com a expectativa de que pudesse atuar. A tendência é que o argentino faça sua estreia na próxima quarta-feira, diante da torcida rubro-negra contra a Ponte Preta, na inauguração da Ilha do Urubu.

Zé elogia evolução de Diego

Como disse o treinador, permanência de Diego em campo foi o principal motivo de Darío Conca não ter feito sua primeira partida como jogador do Flamengo. Zé Ricardo elogiou a evolução do meia, que passou por uma cirurgia no joelho em março e fez sua terceira atuação depois do retorno aos gramados.

“É um atleta que a gente programou para ele, três rodadas atrás, que ele pudesse cumprir 45 minutos, contra o Botafogo, e ele conseguiu até um pouco mais. No intervalo, ele se sentiu à vontade para ficar mais 10, 15 minutos. No jogo contra o Sport poderíamos até ter tido um problema porque ele ficou mais tempo no jogo. Ele é um jogador bastante dedicado. Hoje ele se sentiu á vontade na continuidade na partida e por isso a gente decidiu mantê-lo. No finalzinho teve uma caída realmente, mas como ele é um jogador extremamente importante e com poder de imprevisibilidade muito grande, a gente achou por bem mantê-lo na partida porque num lance específico ele poderia ajudar a gente a ter a vitória”, avaliou o comandante rubro-negro.