Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Brasil vai bem e leva prata no revezamento 4x100m no Mundial de Esportes Aquáticos

Em prova eletrizante, realizada neste domingo (23), o Brasil por pouco não ficou com a medalha de ouro no revezamento 4x100m livre no Mundial de Esportes Aquáticos, em Budapeste (HUN). Por apenas 0.28s o time brasileiro foi superado pelos Estados Unidos, que venceram a prova. A Hungria ficou com o bronze.

Márcio Donizete
Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade de TV. Foi repórter colaborador, líder de colaboradores e editor no Torcedores.com. Apresenta o Lente Esportiva ABC em lives no Facebook e Youtube.

Crédito: Crédito da foto: Reprodução

O quarteto verde e amarelo foi composto pelos nadadores Cesar Cielo, Gabriel Santos, Bruno Fratus e Marcelo Chierighini, que conseguiram a primeira premiação do país neste Mundial, se contadas apenas as competições nas piscinas. O tempo de 3min10s34 fez o Brasil bater o recorde sul-americano da disputa.

VEJA MAIS
FELIPE LIMA DISPUTA MUNDIAL DE BUDAPESTE A PARTIR DESTE DOMINGO
É OURO! ANA MARCELA CUNHA CONQUISTA TRICAMPEONATO MUNDIAL NA MARATONA AQUÁTICA
BRASILEIRO VENCE UMA DAS MAIS DIFÍCEIS MARATONAS AQUÁTICAS DO MUNDO

Os EUA fecharam o revezamento com 3min10s06, enquanto os anfitriões anotaram o tempo de 3min11s99.

Assista abaixo aos segundos finais do revezamento, que contaram com muita emoção nas últimas braçadas:


Após a conquista, Cielo exaltou os companheiros e revelou alívio em dar a volta por cima na carreira. “Estava com medo. Estava ansioso pra caramba. Esses três aqui são… para não falar o palavrão… Esses três aqui são f…. Eles são os caras. Passei por um ano muito difícil ficando fora da Olimpíada e não pensei que voltaria a ganhar uma medalha em um Mundial”, disse ao SporTV.

A prata também representou a primeira medalha em competições de primeiro porte para a nação após de 17 anos. A última vez havia sido o bronze nas Olimpíadas de Sydney, em 2000, com o quarteto Gustavo Borges, Fernando Scherer, Edvaldo Valério e Carlos Jayme.