Futebol

5 jogadores brasileiros que precisam renascer na Europa

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Biblioteca de mídia

Não são raros os casos de jogadores que surgem como craques no futebol brasileiro e encantam o país pelas atuações por seus clubes mas que ao rumar para o grande centro do futebol mundial, a Europa, não conseguem repetir as atuações que os levaram até lá. Especialistas buscam fatores para explicar o fracasso e argumentos como a difícil adaptação ao clima, à cultura, língua, além da forte concorrência e até mesmo fatores psicológicos são apontados como algumas das causas pelo desempenho abaixo do esperado.

Leia mais:
Alisson diz que jogar na Roma melhorou seu futebol
Mercado da bola europeu: Luiz Gustavo deixa futebol alemão após dez anos e jogará na França
Brasileiros que movimentam mercado europeu, veja
Mercado da bola: alvo do São Paulo, Ponte Preta libera Matheus Jesus para clube europeu

Alguns casos, porém, chamam mais a atenção do que outros. Apontamos aqui cinco jogadores que surgiram como grandes esperanças no futebol brasileiro, cogitados inclusive como bases para a montagem da seleção brasileira, mas que não conseguem se firmar no velho continente:

Alisson: o goleiro revelado pelo Inter é o mais emblemático dos casos. Contratado pela Roma após longa negociação com o clube gaúcho, o arqueiro de 24 anos é titular incontestável de Tite na seleção brasileira, mas é reserva no clube italiano. O jogador, que ganhou status de ídolo no Inter principalmente pelas atuações na Libertadores de 2015 e nos campeonatos brasileiros e gaúchos de 2014, 2015 e 2016, atraiu olhares de diversos clubes do mundo durante seus 13 anos de Beira-rio. Chegou a negociar com a Juventus e era apontado como um possível substituto de Buffon, que deve se aposentar ao final da temporada 2017/2018, mas acabou rumando para Roma. Lá, esbarrou no goleiro polonês Szczesny, titular absoluto, mas que pertence ao Arsenal, da Inglaterra, e deve voltar ao clube londrino para a próxima temporada. Apesar da atual condição de reserva, Alisson continua prestigiado pela cúpula da Roma e é tido como “solução a longo prazo” para o gol. Porém o arqueiro não descarta mudar de ares para manter a forma atuando por outra equipe, e assim se manter titular na seleção. Recentemente um retorno ao futebol brasileiro foi especulado e São Paulo e Flamengo surgiram como interessados. As negociações, porém, não avançaram. O alto salário do atleta e a negativa da Roma em ceder o jogador por empréstimo travaram as conversas.

Lucas: o meia-atacante que despontou no São Paulo decepcionou na França. Contratado por mais de 130 milhões de reais, não se firmou e, assim como Alisson, amarga a reserva no PSG. Lucas estaria, inclusive, sendo negociado com a Roma. As chegadas de Draxler na última temporada e a possível vinda de James Rodriguez devem fazer com que Lucas seja mesmo negociado para a próxima temporada europeia. O meia também busca novos ares para chamar a atenção de Tite e integrar o grupo que disputará a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Sandro: volante formado na categorias de base do Internacional e peça chave na conquista da Libertadores de 2010 pelo time gaúcho, Sandro chegou a ser titular da seleção brasileira com Dunga e Mano Menezes. Porém, ao se transferir para o Tottenham, da Inglaterra, sofreu com lesões e não conseguiu repetir o desempenho pelo Inter. Não conseguiu se firmar também no Queens Park Rangers, da segunda divisão britânica, e no começo desse ano se transferiu para o Antalyaspor, da Turquia. Sandro, assim como Lucas, quer recuperar espaço na seleção brasileira.

Luiz Gustavo: o volante titular da Copa de 2014 pela seleção brasileira e que também teve boas atuações sob o comando de Tite não fez boas temporadas pelo Wolfsburg, da Alemanha. O jogador de 29 anos perdeu espaço também na seleção com o crescimento de Casemiro, e rumou à França em busca de novos ares para defender o Olympique de Marselha. Luiz Gustavo sonha em defender a seleção brasileira na Copa do ano que vem e isso o motivou a aceitar a proposta francesa, onde disputará a Liga Europa e pode recuperar o prestígio com Tite.

Danilo: lateral direito que surgiu muito bem no Santos em 2010 e chegou à seleção, Danilo teve passagem de destaque pelo Porto. A boa passagem por Portugal levou o jogador para o Real Madrid. Porém, em terras espanholas, Danilo não teve sequência. Atuou pouco, e amargou a reserva com Zidane. A Juventus, da Itália, fez proposta para contar com o lateral direito a partir de agosto, o que deve acontecer. Danilo chegaria para ser o substituto de Dani Alves, que deixou a Juve no mês passado. Danilo é tido como o lateral “número 1” da seleção depois de Daniel Alves e deve fazer parte do grupo que disputará a Copa da Rússia no ano que vem.