Futebol

Até quando Renato Gaúcho será um mero motivador?

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Grêmio x Atlético-PR

Foto: Renato Gaúcho

Crédito: Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Quando Renato foi contratado em meados de 2016, após o pedido de demissão de Roger Machado, o mundo caiu. Para a maior parte da grande mídia, o Grêmio tinha regredido de patamar com a troca. A preocupação era clara, afinal, Renato não vinha de um bom trabalho no Fluminense e estava há algum tempo sem clube. Eram comuns comentários de que o clube tinha contratado um treinador que era apenas um motivador, alguns até falaram que era um ‘técnico churrasqueiro’.

Leia mais:

Renato Gaúcho confirma Grêmio com reservas contra o Palmeiras
Sincero, Douglas diz que deve voltar como reserva: “no momento, não tenho vaga”
Renato Gaúcho conta o segredo do Grêmio para ter o “melhor futebol do Brasil”

A volta de Portaluppi a casamata tricolor se deu após duas goleadas sofridas pelo até então time comandado por Roger Machado, respectivamente Coritiba e Ponte Preta. Em Campinas, o treinador pediu demissão. Era claro o fim de um ciclo muito bonito, que revolucionou o jeito do time jogar, antes conhecido pelo seu futebol de força e competitividade e que agora se baseava em um bonito jogo de qualidade nos passes, triangulações e posse de bola.

O maior ídolo do time gaúcho chegou com a missão de tirar o time de uma fila de quinze anos. Renato chegou e de cara já teve uma decisão na Copa do Brasil, onde o time jogou muito mal, mas conseguiu a classificação graças ao goleiro Marcelo Grohe. Após esse jogo, a pressão aumentou. Os comentários de que esse era Renato Gaúcho, um treinador ultrapassado, muito diferente de Roger que é reconhecidamente um treinador estudioso.

Contudo, após esse jogo o time se fechou com o treinador e voltou a apresentar um futebol dos melhores tempos de Roger. O Grêmio de Renato eliminou o campeão brasileiro Palmeiras em São Paulo e após duas exibições de gala em pleno Mineirão, se sagrou campeão da Copa do Brasil pela quinta vez, afastando de vez a fila que machucava tanto o torcedor gremista.

Após a conquista os comentários eram de que esse não era o trabalho de Renato, afinal, como pode um treinador ultrapassado que zomba de quem estuda apresentar esse futebol? Logo, ele simplesmente pegou um time muito organizado e os motivou a conquista. O trabalho de Renato só poderia ser avaliado em 2017, onde o trabalho seria apenas dele.

Começa o ano e o Grêmio apresenta um futebol razoável (normal para início de temporada) e o treinador trabalha com segurança, os reflexos da conquista ainda davam confiança junto à torcida e a diretoria. Tudo mudou na semifinal do campeonato Gaúcho, onde o Grêmio foi eliminado pelo Novo Hamburgo nos pênaltis. Nesse momento, o que mais surgiram foram comentários de que esse era o verdadeiro Renato, tudo o que Roger tinha construído agora era passado e o Grêmio ia pagar por ter escolhido um treinador de outro perfil.

O time teve duas semanas para treinar e curar as feridas e tudo mudou outra vez. O time simplesmente voltou desse período jogando muito futebol, de uma forma que não era vista nem nos melhores tempos do antigo treinador. O time se tornou ainda mais versátil e apresenta um meio campo que é um resumo do que o futebol moderno pede, com os jogadores atacando da mesma forma que defendem. O time simplesmente apresenta o futebol mais vistoso do país, mesmo não tendo jogadores do nome de Palmeiras e Flamengo.

O que eu me pergunto é: até quando Renato não será valorizado? Será mesmo que ele não entende nada de futebol? Será que ele não está sendo irônico quando brinca com treinadores que vão a Europa? Minha resposta é sim. Renato não é um treinador ultrapassado, muito pelo contrário, Renato sabe o que o futebol pede nos dias de hoje, e nos apresenta, basta assistir os jogos do time, só não vê quem não quer, ou, talvez seja doloroso admitir.

A minha principal dúvida é, até quando ele não será valorizado da forma que merece? É muito estranho vermos tantos elogios à forma do Grêmio jogar e nada ser atribuído ao treinador. Agora não existe desculpa, não é mais o trabalho do antigo treinador, é o trabalho de Portaluppi, o maior ídolo da história do clube.

Será que esse boleiro não merece ser considerado um dos melhores técnicos do país? Como tudo no Brasil, isso só será concretizado com títulos. Se Renato trouxer mais canecos, é muito possível que ele seja valorizado da forma que merece, caso contrário, será apenas um motivador que teve brilhos, ou quem sabe, voltará ao patamar de treinador churrasqueiro, assim, a análise fica mais fácil.