Caratê

Brasil termina em 16º nos Jogos Mundiais 2017

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto: IAWG

Na competição sediada na Polônia, a delegação brasileira ganhou oito medalhas, sendo quatro de ouro. Destaque para o handebol de praia que levou dois ouros.

Após 10 dias de disputa, terminou neste domingo (30) em Breslávia um dos maiores eventos esportivos do ano, onde 3.500 atletas de 112 países competiram em 31 modalidades diferentes. No quadro de medalhas, a Rússia terminou em primeiro lugar com 63 medalhas conquistadas, seguida por Alemanha e Itália, com 42 medalhas cada.

Em relação à participação brasileira, destaque para as equipes de handebol de praia, campeãs tanto no masculino quanto no feminino. Após a derrota para o Catar na fase preliminar, os homens passaram pelos donos da casa e pela Hungria para chegar à final. Na disputa pelo ouro, vitória de virada sobre a seleção croata, por 2 sets a 1. Já as mulheres foram campeãs invictas, sem ter perdido um set sequer ao longo de toda a competição. Na grande final, vitória consagradora sobre as argentinas, por 2 a 0.

LEIA MAIS
Handebol empolga torcida e é um dos mais praticados no Brasil. Só falta apoio.

E as mulheres brasileiras realmente fizeram bonito na Polônia. Medalhas de outro também para a catarinense Ana Castellain no levantamento de peso e para Valéria Kumizaki no caratê. “Sempre quis disputar este campeonato e queria muito ser campeã aqui. Depois do pan-americano esta era a principal competição da temporada”, explicou a carateca de Presidente Prudente, em entrevista divulgada pela Revista Budô.

Ouro também para Guto Inocente no kickboxing mas por se tratar de esporte exibição, a medalha não foi contabilizada na classificação final. Somando os pódios na patinação artística, nas duplas da bocha, no sumô e mais um no caratê, o Brasil terminou em 16º lugar, terminando à frente da Austrália (19º), da Espanha (21º) e da Grã-Bretanha (22º).

Promovido pela IWGA (Associação Internacional dos Jogos Mundiais, da sigla em inglês), o evento não é diferente dos Jogos Olímpicos apenas nas modalidades disputadas, muitas delas tradicionais, como bilhar, punhobol e boliche, mas sem grande apelo midiático. Ao contrário das Olimpíadas, a realização dos Jogos Mundiais não requer nenhum grande investimento da cidade-sede. Por exemplo, nenhum estádio ou ginásio precisa ser construído. Apenas as arenas já existentes são utilizadas.

A próxima edição dos Jogos Mundiais acontece em 2021, em Birmingham, nos EUA.