Renan aprova testes na suada vitória sobre os EUA

Após vencer novamente os EUA, dessa vez em Manaus, por 3 a 2, o técnico Renan Dal Zotto demonstrou contentamento com o resultado, num jogo em que poupou astros como o levantador Bruninho, o oposto Wallace e o central Lucão.

Ivan Ruela
Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto: Ivan Ruela/Torcedores

Esse é o padrão “Brasil x Estados Unidos”: sempre um jogo muito duro. Assim como eles, fizemos vários testes, e o importante é a gente saber sofrer e vencer no final. A garotada está de parabéns, porque se comportou muito bem. Um calor muito forte, mas a molecada está de parabénsdisse.

O treinador também apontou algumas oscilações durante o jogo, que podem sugerir correções ao longo dos treinamentos e amistosos.

A gente teve altos e baixos durante o jogo. Momentos bons, de pressão no saque, e o time fluiu muito bem. Isso mostra que temos que aprender a jogar sempre sob pressão no saque. Quando estivermos errando, dependendo do placar, mudar para um saque flutuado, trabalhando o bloqueio e organizando a defesa. Em alguns momentos soubemos fazer muito bem isso, mas em outros perdemos a cabeça, e isso temos que corrigir” – completou.

O Jogo

Foto:Ivan Ruela/Torcedores

No primeiro set, empurrado pelos mais de dez mil manauaras, o Brasil viu a seleção dos Estados Unidos sair na frente e dominar boa parte do jogo. O bloqueio e a defesa foram as principais armas dos norte-americanos. Os ponteiros Defalco e Patch foram os destaques pelo lado dos visitantes. O oposto Renan, os centrais Mauricio e Isac no bloqueio e o forte ataque do ponteiro Lucarelli foram os responsáveis pela reação e o fim da vantagem americana que venciam por 15 a 14. A frente do placar, a Seleção manteve a calma e encaixou o bloqueio para fechar o set em 25 a 22.

O segundo set foi de pressão para os Estados Unidos. O jogo pegado com pontos lá e cá resultou na paralisação de dois minutos e advertência do americano Defalco. Na retomada do set, os visitantes abriram seis pontos na largadinha de Christenson; 20 a 14. Em busca de corrigir os erros, muitos de saque, a seleção viu os americanos crescerem na partida e fecharem o set em 25 a 19, no erro do saque de Isac.

A empolgação americana voltou com mais ímpeto no terceiro set. Em menos de três minutos, os visitantes abriram a diferença de quatro pontos no placar, 5 a 1. Após o pedido de tempo do técnico Renan Dal Zotto, o Brasil empatou após um mini-rally em que o central Otavio largou o braço. E foi o novato na seleção que ajudou a desconstruir a defesa adversária fazendo 15 a 7. O momento de ascensão da Seleção, aliada ao ataque feroz de Lucarelli, Isac e Renan que levou a equipe a vencer o set por 25 a 11.

Ignorando a derrota no set anterior, os estadunidenses conseguiram novamente se distanciar no placar, chegando a abrir cinco pontos de diferença. O grandalhão Jendryk deu trabalho para o ataque brasileiro, que teve muitas bolas paradas no bloqueio. Pelas pontas, o experiente Lucarelli chegou a diminuir vantagem no placar, mas novamente os americanos empataram o set no erro de ataque da seleção: 25 a 16.

Na decisão, o tie-break de incríveis rallys e de muito empenho das equipes que decidiram ponto a ponto teve o Brasil a frente do placar no ponto de Mauricio, 6 a 5. A explosão e o apoio dos torcedores no ginásio conduziram o Brasil a fechar o set em 15 a 8 e o jogo em 3 a 2, em uma falha do ataque americano.

Brasil e EUA voltam a se enfrentar mais duas vezes em amistosos nos próximos dias, dessa vez em solo norte-americano. Os amistosos servem de preparação para a Copa dos Campeões, que será disputada no Japão, entre os dias 5 e 17 de setembro.