Futebol

Corinthians 107 anos: conheça a história do Timão

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução: Facebook Oficial SC Corinthians Paulista

No dia 1º de setembro de 1910, sob a luz de um lampião, no bairro do Bom Retiro, cinco operários fundaram, inspirados no inglês Corinthian-Casuals, aquele que viria ser o maior motivo de existência de 30 milhões de loucos: o Sport Club Corinthians Paulista.

No momento, Miguel Bataglia profetizou: “O Corinthians é o time do povo e é o povo quem vai fazer o time.”

Dito e feito!

À cada instante que se passa, o Corinthians torna-se maior, à proporção em que o amor de seu fiel torcedor aumenta, seja em momentos e fases boas, mas principalmente nas adversidades. O slogan da fornecedora de material esportiva, Nike, no terceiro uniforme do clube em 2016 condiz com a realidade, uma vez que ser Corinthians é realmente inexplicável.

Inexplicável e (muito) prazeroso é ser corinthiano e ir à Arena Corinthians ou qualquer outro estádio independente do momento atravessado pelo clube, mas ciente de que o Corinthians precisa de apoio incondicional, à plenos pulmões, durante os 90 minutos de jogo, seja qual for o setor adquirido, classe social ou modo de torcer. É viver o Corinthians da forma mais intensa possível, em sua verdadeira essência.

Inexplicável também é estar acostumado à colher os louros da vitória, mas amar o sofrimento necessário para isso, como na exclusão da elite Paulista em 1915, enfrentando os 22 anos em jejum sem conquistar o Campeonato Paulista, findados por Basílio numa fria quinta-feira, em um gol “chorado” em 1977, passando pela longa espera pelo primeiro título Brasileiro, conquistado em 1990 por um time operário e esforçado, onde a raça compensava a falta de técnica, triunfando sobre um time recheado de estrelas na final, empurrando e gritando, mesmo com uma profunda dor no peito, ainda no momento da queda, em 2007, o mantra “EU NUNCA VOU TE ABANDONAR, PORQUE EU TE AMO” e conquistando, após muita luta, a “libertação” de um sofrido povo, após dois gols do folclórico, Emerson Sheik sobre o até então temido Boca Juniors, declarando assim, a “Independência Corinthiana”.

Talvez também seja inexplicável curvar-se perante ídolos históricos que não possuíam grande calibre técnico, mas muita raça, como Idário, Wladimir, Zé Maria, Basílio, Tupãzinho, Biro-Biro, entre outros, igualmente ou até mais do que reverenciar grandes nomes técnicos, também de suma importância na gloriosa história do clube, como Rivelino, Sócrates, Marcelinho, Zenon, Danilo, Ronaldo Nazário, entre tantos outros.

É, sem dúvidas, inexplicável, a sensação e a ansiedade de enfrentar, sempre com um sorriso no rosto, frio, chuva, pobreza, dor e qualquer tipo de problema só pra ver o Todo Poderoso Timão em campo, viajando milhares de quilômetros, comprometendo o orçamento do mês e até mesmo deixando de comprar pão pra comprar o ingresso da partida, só pra ver, cantar e se emocionar pelo Corinthians.

O Corinthians também não se explica ao ter como figuras extremamente importantes e valorizadas ícones completamente distintos, como o folclórico presidente Vicente Matheus, o centrado professor Oswaldo Brandão, líder nas conquistas dos emblemáticos Campeonatos Paulistas de 1954 e 1977, o emocional Tite, comandante na fase mais vitoriosa do clube e o aplicado e estudioso Fábio Carille, nos dias atuais.

Inexplicável, principalmente, é o maior patrimônio do clube: sua Fiel torcida, que, fazendo valer a alcunha de “Bando de Loucos”, protagonizou a “Invasão Corinthiana” no Maracanã em 1976, transformou o Morumbi em salão de festas, tomou, novamente, o Rio de Janeiro em 2000, explanou o “Todo Poderoso Timão” pelo mundo pela primeira vez e o conquistou novamente, provocando um “Tsunami alvinegro” na Terra do Sol Nascente, em 2012, onde 30 mil corinthianos se deslocaram até o Japão, durante a Copa do Mundo de Clubes FIFA daquele ano. A Fiel, inexplicável, também torce e incentiva aonde o Corinthians for, fazendo da tão sonhada Arena Corinthians um verdadeiro caldeirão em Itaquera.

Mas, acima de tudo, inexplicável mesmo é, diferente de qualquer torcedor de qualquer clube, não viver de títulos, glórias e triunfos, mas sim de Corinthians. É preferir um carrinho e vibração no meio-campo à uma jogada de efeito. É ser, de fato, Corinthians!

Percebe-se que é impossível explicar o inexplicável, mas é possível dizer que nada no mundo paga e supera o amor que nós, integrantes desse enorme bando de loucos, sentimos pelo Sport Club Corinthians Paulista.

“Sou raça e atitude e ao Corinthians tenho amor!”

A imagem pode conter: 1 pessoa, multidão
(Foto: Gabriel Salvati – 1º de setembro de 2017)

LEIA MAIS:
NO 107º ANIVERSÁRIO DO CORINTHIANS, RELEMBRE CINCO SUL AMERICANOS QUE PASSARAM PELO PARQUE SÃO JORGE
TIMÃO 107 ANOS: CONFIRA EX-JOGADORES QUE DESEJARAM, MAS NÃO CONSEGUIRAM JOGAR NO CORINTHIANS
#CORINTHIANS107ANOS: TORCEDORES.COM LANÇA PODCAST DO CLUBE