Guga se sente “cobaia” de cirurgias: “pagamos uma certa conta na época”

Diagnosticado com um problema denominado “Síndrome do impacto nos quadris”, Gustavo Kuerten, o Guga, foi submetido a duas cirurgias no começo dos anos 2000 com a expectativa de se livrar das dores que o acompanharam até mesmo durante a conquista do tri-campeonato de Roland Garros, em 2001.

Rogério Lagos
Colaborador do Torcedores.com e palmeirense.

Crédito: Rogério Lagos / Torcedores.com

A primeira intervenção aconteceu em fevereiro de 2002 nos Estados Unidos. Guga realizou uma artroscopia para retirar toda a parte da cartilagem desgastada do lado direito do seu quadril. O brasileiro até voltou às quadras depois, porém em setembro de 2004 teve de retornar à mesa cirúrgica para fazer o que foi considerado na época como uma cirurgia reparadora.

Convidado da Mormaii na 18ª IHRSA Fitness Brasil, maior feira do setor no país, Guga foi questionado durante talk show se com a tecnologia e conhecimento médico de hoje, a sua carreira teria ido mais longe. Sem titubear, o tenista aposentado respondeu.

“Sem dúvida. E olha que o tênis é um esporte de vanguarda, está sempre propondo. Mas, sim, teria ido mais longe. A fisioterapia, por exemplo, estava começando a acontecer. Hoje a abordagem é completamente diferente”, conta Guga.

O convidado explicou ainda que foi uma espécie de “cobaia” por ter sido um dos primeiros casos do tipo de lesão no quadril que teve na época.

“Eu e outros atletas pagamos uma certa conta naquela época. Hoje eu não teria feito aquelas cirurgias. O que foi feito ali, hoje já é considerado falido. A abordagem mudou. Se tivesse acontecido hoje, iria para o caminho da fisioterapia”.

Ao Torcedores.com, Guga comentou que um atleta profissional hoje pode chegar tranquilamente aos 35 anos, enquanto que ele se aposentou com 31. “Passei por tanta coisa que me considero um especialista em quadril, afinal são 20 anos de prática. Pode me perguntar qualquer coisa que eu sei”, brinca, sempre exaltando seu bom humor.

LEIA MAIS
GUGA EXPLICA O MOTIVO DO TÊNIS NÃO TER “DECOLADO” NO BRASIL: “AMBIENTE PERTURBADOR”