Há dez anos Fifa escolhia Brasil como sede da Copa de 2014; relembre 11 jogos inesquecíveis

Alemanha venceu o seu quarto título em Copas do Mundo (Foto: Getty Images)

Marcado para os brasileiros pela derrota por 7 a 1 para a Alemanha, Copa de 2014 teve outros jogaços que ficaram na memória do torcedor.

No dia 31 de outubro de 2007, a Fifa escolhia o Brasil como país sede da Copa de 2014, conquistada pela Alemanha. Dez anos depois dessa data, relembramos 11 jogos inesquecíveis da edição realizada em solo brasileiro.

1º rodada

Uruguai 1 x 3 Costa Rica (1ª rodada)

Jogando no Castelão, em Fortaleza, Uruguai e Costa Rica se enfrentaram na rodada de abertura do Grupo D, tido por muitos como a chave da morte, já que além de Uruguai, Itália e Inglaterra completavam os participantes – os três já venceram o Mundial. E para surpresa de todos, o time costa-riquenho, apontado como saco de pancadas, venceu os uruguaios por 3 a 1, de virada. Depois disso, o país da América do Norte ainda venceu a Itália por 1 a 0, e garantiu vaga nas oitavas, junto com a própria Celeste.

Espanha 1 x 5 Holanda (1ª rodada)

Até então a atual campeã da Copa do Mundo, a Espanha estreava contra a forte seleção da Holanda. Xabi Alonso abriu o placar para a Fúria na Fonte Nova, mas Van Persie (2), Robben (2) e Vrij decretaram a goleada da Laranja em cima dos espanhóis, que seriam eliminados na fase de grupos da competição.

Alemanha 4 x 0 Portugal (1ª rodada)

Logo na estreia da Copa do Mundo, a Alemanha, que se tornaria campeã da edição no Brasil não tomou conhecimento sobre Portugal. Nem Cristiano Ronaldo foi capaz de evitar a goleada na Fonte Nova. Müller, três vezes, e Hummels anotaram os gols alemães.

2ª rodada

França 5 x 2 Suíça (2ª rodada)

Conhecida pelo jogo de marcação dura, a Suíça parecia que iria fazer frente aos franceses, mas foi um engano. Em mais um jogo na Fonte Nova, os Blues atropelaram com gols de Giroud, Matuidi, Valbuena, Benzema e Sissoko. Dzemailli e Xhaka diminuíram.

Itália 0 x 1 Uruguai (2ª rodada)

O placar não foi elástico, mas foi suficiente para eliminar os italianos na fase de estreia do Mundial. A Azurra jogava até pelo empate, mas com gol de Godín, a Celeste venceu e carimbou o seu passaporte para as oitavas, ao lado da Costa Rica.

Oitavas

Brasil 1 (3) x (2) 1 Chile (Oitavas)

Logo na estreia da segunda fase o Brasil deu um susto na torcida presente no Mineirão. Com gols de David Luiz para os anfitriões, e Sánchez para os chilenos, a decisão foi para os pênaltis. Das dez cobranças, 50% foram desperdiçadas. Felizmente para o Brasil, os chilenos perderam três, uma a mais que a canarinho.

Holanda 2 x 1 México (Oitavas)

Disputado no Castelão, esse jogaço foi um dos mais emocionantes de toda a competição. Giovani dos Santos abriu o placar para os mexicanos no início da segunda etapa, e o marcador continuou o mesmo até os 43 minutos, quando Robben empatou e, cinco minutos mais tarde, Huntelaar, de pênalti, virou a partida, colocando a Laranja Mecânica nas quartas.

Alemanha 2 x 1 Argélia (Oitavas)

Quem lembra do 7 a 1 quase esquece que a Alemanha foi eliminada nas oitavas de final pela Argélia, sem tradição alguma no futebol. Disputado no Beira Rio, a partida terminou em 0 a 0 no seu tempo normal, e foi para a prorrogação. Schürrle abriu o placar logo no início e Özil fez mais um aos 14 do segundo tempo. Djabou diminuiu e colocou fogo no jogo, mas o placar terminou favorável aos alemães.

Quartas, semi e final

Holanda 0 (4) x (3) 0 Costa Rica (Quartas)

A Costa Rica segurou a Holanda no tempo normal e na prorrogação. Já no fim do tempo extra, o técnico da Laranja trocou o goleiro, surpreendendo a todos, já visando a disputa de pênaltis. O herói foi Krul, que pegou duas cobranças de pênaltis da Costa Rica e selou a classificação da Holanda à semifinal. O time europeu converteu todas as cobranças.

Brasil 1 x 7 Alemanha (Semifinal)

O Brasil entrou em campo a dois passos de conquistar o hexa. Sem Thiago Silva (suspenso) e Neymar (machucado), a euforia era enorme, mas no Mineirão parece que o time do Felipão esqueceu que o adversário do outro lado era um dos mais fortes times do planeta. Com menos de 30 minutos, os alemães fizeram 5 a 0, com gols de Müller, Kroos, Klose (2) e Khedira. Schurrle entrou na segunda etapa e marcou mais dois. Oscar anotou o solitário gol brasileiro aos 44 da etapa final.

Alemanha 1 x 0 Argentina (Final)

A notícia era ruim: chegava enfim o último jogo da Copa do Mundo, mas para a alegria do torcedor, Alemanha e Argentina ficaram no 0 a 0, e levarama  decisão para a prorrogação. Com o Maracanã lotado, Gotze, que entrara no lugar de Krose, já o maior artilheiro das Copas, superando Ronaldo, anotou o gol solitário, que deu o tetra aos alemães.



Meu nome é Gabriel, sou natural de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Sou apaixonado por futebol, o que acabou me levando para o curso de Jornalismo, onde estou cursando o sexto semestre.