Futebol

Flamengo x Fluminense: 3 lições que o rubro-negro tirou do clássico carioca

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto: Reprodução / Facebook Oficial Clube Regatas do Flamengo

Na noite de ontem, 25, o Flamengo superou o rival Fluminense e venceu o duelo por 1 a 0, gol de Éverton, em partida válida pelo primeiro jogo das quartas-de-final da Copa Sul-Americana. Como visitante, mas se sentindo em “casa”, o rubro-negro se comportou de forma distinta durante os 90 minutos e teve que contar com a qualidade individual de suas peças ofensivas no confronto. Já o Fluminense, carente de melhor fase dos seus principais jogadores, errou muitos passes na primeira etapa e quase não criou jogadas que pudessem oferecer perigo. Na etapa final, fez a pressão que o cabia naquele momento, mas apenas isso.

 

LEIA MAIS

VEJA COMO A IMPRENSA ANALISOU A VITÓRIA DO FLAMENGO SOBRE O FLUMINENSE

ÉVERTON DEIXA FLAMENGO MAIS PERTO DA SEMIFINAL DA SUL-AMERICANA

FLAMENGO SAI NA FRENTE DO FLUMINENSE NA COPA SUL-AMERICANA

PAPO TÁTICO: VANTAGEM MÍNIMA DO FLAMENGO NA SUL-AMERICANA NASCEU DA MUDANÇA DE POSTURA; ENTENDA

FLUMINENSE X FLAMENGO: ASSISTA AO GOL DO CLÁSSICO PELA SUL-AMERICANA

FLUMINENSE X FLAMENGO: ASSISTA AOS MELHORES MOMENTOS DO CLÁSSICO NO MARACANÃ

 

Apesar da vitória, o Flamengo assim como uma prova final, para que avance à próxima fase, deve-se levar em consideração observações feitas durante o duelo Fla-Flu para obter o êxito esperado.

1- Superioridade técnica: Com o jogo estava truncado, certamente a qualidade técnica e individual de alguns jogadores seriam decisivas para a vitória de um dos times no confronto carioca. Assim, o poder ofensivo do Flamengo e a fragilidade da defesa do Fluminense escancararam a diferença qualitativa dos jogadores que participavam do espetáculo no Maracanã, além de refletir o resultado justo na etapa inicial.

2 – Lado direito fortalecido: Em posição de Berrío, Éverton Ribeiro atuou de forma quase excepcional e deu continuidade a força ofensiva do Flamengo pelo lado direito. Com o apoio de William Arão e Diego pelo meio, a criação das jogadas tornaram-se perigosas e efetivas, assim como na jogada do primeiro e único gol da partida. A triangulação entre Arão, Diego e Éverton Ribeiro, resultou no toque de Éverton para as redes, após rebote do goleiro Diego Cavallieri.

3- Queda de rendimento: Em vantagem pelo gol qualificado, o Flamengo passou a etapa final superado pelo tricolor carioca. Daqueles jogadores mais exigidos pela técnica que as possui em campo, Gustavo Scarpa e Henrique Dourado se destacaram na pressão e blitz ofensiva imposta pelo Fluminense no jogo. Bola na trave e defesas importantes de Diego Alves mostraram claramente que os rubro-negros não conseguiram manter o bom rendimento apresentado nos 45 minutos mais acréscimos. A defesa que já não era a mesma com a lesão de Réver e as mudanças feitas pelo técnico Abel Braga contribuíram para tal feito.

Por fim, o jogo equilibrado e, ao mesmo, bastante truncado ao longo dos 90 minutos iniciais, acabou com a vantagem do Flamengo de forma justa. A superioridade técnica no primeiro tempo foi mais eficiente do que a reação tricolor no segundo tempo, visto que as oportunidades criadas pelos dois lados foram distintas na questão de resultado e eficiência na aplicação. Assim, um empate sem gols no jogo da volta, na próxima quarta-feira, 1, é o suficiente para o Flamengo avançar às semifinais da competição sul-americana, aguardando Sport ou Júnior Barranquilla (COI).