Atletismo

Paratriathlon despertou a vontade de Edmar a participar do Paradesporto

Publicado às

Sou profissional na área de PcDs (Pessoas com Deficiência) e consultora sobre o tema. Crio elo entre empresas e profissionais PcDs, desenvolvendo relações que agreguem qualidade de vida para pessoas e geração de valor para empresas. Palestrante e Coaching, trago através do Torcedores.com informações sobre paratletas, suas modalidades e suas histórias de superações. Meu site: www.clickconsultoriapcd.com

Crédito: Crédito: Arquivo Pessoal de Edmar Souza

Edmar Wilson Souza, hoje com 59 anos, já nasceu com a deficiência chamada paralisia obstétrica. Ele teve paralisia no membro superior esquerdo. Mas aos 15 anos ele descobriu a corrida e logo após o Paratriathlon.

Edmar teve muitas dificuldades na vida, principalmente na escola que na época de maior preconceito. Sendo até hoje vivendo o preconceito, a discriminação, e principalmente com a falta de acessibilidade e oportunidades. As leis vieram mas parece que não foram praticadas. Porém ele foi para o lado do esporte com o Paratriathlon.

Seu pai sempre lhe apoiou, pois ele tem o conceito de inclusão em sua mente, e seus filhos sempre lhe apoiaram também, (um casal: menina 21 menino 19.). Já o restante da família parece não ter o mínimo de noção, das dificuldades e não sente muito na pele. A família nunca consegue ajudar, pois ou protege demais e sufoca, ou abandona em geral, e os dois extremos sempre atrapalham.

Seu primeiro esporte foi a corrida de rua, ele começou a correr com seus 15 anos de idade e nunca parou. Depois passou para o ciclismo, natação e hoje já faz o Triathlon e já está em 7º lugar no brasileiro e também hoje é diretor de uma ONG que ajudou a fundar a mais de 20 anos chamada CRIA BRASIL.

“Desde meus 15 anos Edmar peguei o gosto pela corrida, e o que me fez ter o gosto foi minha irmã ter batido o record paulista em poucos meses de treino. E há 9 anos comecei no paralímpico em 2008, até então competia no convencional.”, conta Edmar ao Torcedores.com
O Paratriathlon estreou nas Paralimpíadas do Rio 2016 e foi colocado três atletas da seleção. Porém o Edmar não fez índice em suas provas.

Em fevereiro de 2018 Edmar estará aposentado, pois completará seus 60 anos, mas jamais deixará de fazer esporte. Mas para fechar suas participações Paralímpicas, este ano Edmar está indo pra a 48ª maratona de New York já é sua 4ª maratona em New York e já tenho 37 maratonas de 42.195m completas.

“Nossa instituição CRIA BRASIL, trabalha o esporte como maior ferramenta de inclusão, NOSSA MENSAGEM É MUDE SEU ESTILO DE VIDA”, diz Edmar