Ralf Schumacher “diva”, Villeneuve petulante; Button descreve ex-companheiros de equipe em biografia

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/Jenson Button Oficial Facebook

O campeão mundial de F1 em 2009 Jenson Button, revelou em entrevista para o site inglês Telegraph, alguns trechos de sua autobiografia que será publicada nesta quinta-feira (19/10), e entre as revelações, está a descrição de dois ex-companheiros de equipe: Ralf Schumacher, o qual o britânico comparou com a cantora Mariah Carey, e também não poupou Jacques Villeneuve.

Na próxima quinta-feira, o campeão mundial de F1 em 2009 pela BrawnGP, Jenson Button, lançará a sua autobiografia, intitulada de “Life To The Limit”. E pelo visto, teremos polêmicas a vista, já que em entrevista ao site inglês Telegraph, Button fez uma descrição “curiosa” de dois ex-companheiros de equipes: Ralf Schumacher e Jacques Villeneuve.

Sobre o irmão mais novo de Michael Schumacher, Button o comparou com uma diva, mais precisamente, a cantora Mariah Carey: “Eu era um piloto de Fórmula 1 na Williams havia dez segundos. Estava gaguejando, segurando as lágrimas e pensando: ‘tenho que contar a mamãe e ao papai’. Quando, de repente, Ralf entrou no sala, sentou na posição à frente de Frank Williams e puxou seu melhor rosto de diva.”

“Eu não vou amanhã se o carro não me estiver esperando”, balbuciou Ralf.

“Eu estava pensando: ‘como assim, você não pode falar com Frank assim’. Mas o equilíbrio de Frank não foi perturbado quando Ralf continuou, dando-lhe sua Mariah Carey.”

“Quero dizer. Quero dizer, Frank. Se o carro não estiver esperando fora do hotel para mim, ou se atrasar, eu não vou entrar. Não vou testar”, voltou a repetir Ralf.

“Nós nos certificaremos de que ele esteja lá para você amanhã”, disse Frank, e Ralf estava prestes a sair quando Frank acrescentou: ‘Mais importante, Ralf, eu escolhi Jenson como o segundo piloto’, completou.”

“Ralf olhou para Frank e depois para mim. ‘Sim, eu sei’, disse ele com ar superior.”

Sobre Jacques Villeneuve, Button deixou claro que o seu período de convivência com o canadense também não foi dos melhores na extinta equipe BAR, e chegou a declara que o campeão mundial de 1997 pela Williams era petulante:

“Na nossa primeira conferência de imprensa, ele foi questionado sobre o que pensava do novo companheiro de equipe. ‘Bem’, ele disse, ‘ele é inexperiente e parece que deveria estar em uma boyband’. Esse tipo de hostilidade aberta me derrubou.”

“Depois disso, Jacques não falou comigo. Ele nem sequer olhava para mim. Se nos passássemos no paddock, ele encontraria algo interessante para olhar na direção oposta.”

“Na primeira corrida da temporada, na Austrália, ele deveria fazer seu pit stop na volta 30 e eu em 31. No entanto, Jacques havia economizado um pouco de combustível no primeiro período da corrida e não entrou antes, mesmo com o time o chamando. Em vez disso, ele entrou deliberadamente na volta 31, sabendo que eu não seria capaz de ir além da volta 31 e que não teria escolha senão ficar atrás dele.”

“Por que ele fez isso? Em parte jogos mentais, em parte porque queria me vencer. Mas foi uma decisão idiota. E para um piloto de sua qualidade, bastante incompreensível. Ele poderia não estar querendo que o sei-lá-quem do Westlife chegasse para vencê-lo. Mas, como ex-campeão do mundo, ele deveria ter entendido a importância de manter o time à frente. E, com aquele ato de petulância, ele jogou todos contra ele.”

Provavelmente, teremos uma declaração de Jacques Villeneuve nos próximos dias, já que ele gosta de polêmica…

LEIA MAIS:
F1: GLOBO OPTA PELO BRASILEIRÃO, E GP DOS ESTADOS UNIDOS SERÁ EXIBIDO NO SPORTV
PARABÉNS, KIMI! RELEMBRE DOZE MOMENTOS MARCANTES DE RAIKKONEN NA F1