Basquete em Cadeira de Rodas

Basquete: Sílvio se adaptou mais fácil em cadeira de rodas depois de ficar paraplégico

Publicado às

Sou profissional na área de PcDs (Pessoas com Deficiência) e consultora sobre o tema. Crio elo entre empresas e profissionais PcDs, desenvolvendo relações que agreguem qualidade de vida para pessoas e geração de valor para empresas. Palestrante e Coaching, trago através do Torcedores.com informações sobre paratletas, suas modalidades e suas histórias de superações. Meu site: www.clickconsultoriapcd.com

Crédito: Crédito: Facebook de Silvio Ribeiro

Sílvio Ribeiro, com 40 anos, nascido e ainda morando em Patos de Minas, ficou paraplégico no ano de 2003, após um assalto durante seu trabalho. Foi atingido por um projetil que alojou na coluna, o que provocou a perda dos seus movimentos inferiores. E nessa época ele era motorista entregava bebidas. Mas seguiu em frente e hoje é jogador de basquete em cadeira de rodas

“Minha família, apesar de simples, sempre prezou os estudos e trabalho e apoiando qualquer ação que era de respeito, sendo esporte, estudo, trabalho como: basquete em cadeira de rodas.”, diz Silvio ao Torcedores.com.

Desde criança Silvio sempre foi envolvido com esportes, jogava futebol em um projeto social do bairro onde morava, começou aos 6 anos. Jogou infantil até seus 16 anos, como não era bom de futebol, ficou só brincando aos fins de semana. Porém Silvio Começou no futebol por admiração aos: Reinaldo, Eder Aleixo.

Jogou basquete convencional na adolescência, muito empolgado pela era Michael Jordan que via as sextas a noite na Tv. Após ficar paraplégico foi para o hospital Sarah no DF . E lá eles usam o esporte como uma ferramenta de reabilitação, ele conheceu vários esportes, mas como o basquete é coletivo, e já tinha uma noção, gostou muito.

Quando voltou para sua cidade, alguns amigos estavam começando um time, Silvio entrou e já são 12 anos de basquete em cadeiras de rodas. E pegou gosto por basquete desde sua adolescência.

E ele joga basquete em cadeiras de rodas desde sua reabilitação. Ele já gostava de basquete, sempre gostou de esportes coletivos ao ficar deficiente foi apenas uma questão de adaptação.

Ele trabalha pela manhã das 07:30 às 12 horas. Treina muito cerca de 7 horas diária, a tarde ele treino de 14 às 20 horas, gosta de todo o treino, porém a melhor parte é o coletivo, e a pior parte é o treino físico, por causa do esforço e dor. E ainda mora sozinho e faz serviços domésticos.

Silvio participa de competições desde 2005, já teve algumas conquista individuais, como All Star em campeonatos Brasileiros pela CBBC. Sendo que sua equipe já foi algumas vezes campeã mineira e foram campeões brasileiros em 2012 em Manaus.

“Eu já penso sim em sua aposentadoria, pois já tenho 40 anos e já não jogo mais como antes, em dois anos.. talvez”,finaliza Silvio.