Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Carlos Dias conta como foi sua experiência após realizar o desafio das 20 capitais

Carlos Dias, nosso ultramaratonista e super humano, realizou durante quatro meses e meio, um desafio em que passou por 20 capitais brasileiras, sendo 24 horas em cada uma delas. Ao fazer uma comparação entre essa campanha e as outras já realizadas afirma que: “houve uma diferença em relação ao número de atletas que participaram. Em um total de 20 etapas a média foi de 12 pessoas e ao todo 243 pessoas ajudaram na causa comprando a camiseta. Ao todo, foram uma média de 120km em 20 finais de semana correndo 24 horas, 243 camisetas vendidas e muitos amigos conquistados.”

Larissa Sousa
Colaborador do Torcedores

Crédito: Carlos Dias créditos: arquivo pessoal do atleta

Ao passar por vários cantos do Brasil, Carlos diz que foi muito bem recebido por onde passou, pois além de ter reencontrado antigos amigos de desafios passados, ele pôde conhecer novas pessoas e fazer novas amizades. E falando em amizades, ele conta que um momento que lhe chamou muita atenção e lhe trouxe grande alegria, foi durante seu percurso por Manaus: “Recebi um abração do Gabriel, uma criança que venceu a leucemia e junto com seus pais foi torcer por mim e me inspirou a terminar a etapa em Manaus fechando às 20”, disse o atleta.

Ronaldo Fenômeno e Carlos Dias no primeiro desafio das capitais em 2013

Perguntamos a Carlos, a respeito de histórias interessantes que o mundo do esporte precisa conhecer. Ele nos disse que conheceu muitas, afinal ele conheceu o Brasil e pessoas interessantes que são exemplos como o Rodolfo: “Ele é da Força Nacional e estava em missão no morro, após ficar em linha de tiro com bandidos, Rodolfo chegou na primeira etapa no Rio de Janeiro e disse que sua missão naquela hora seria correr às 24 horas comigo. Isso é algo incrível”, afirmou.

Carlos nos explicou o quanto a realização da campanha foi algo extremamente importante e satisfatório tanto pessoalmente quanto profissionalmente: “Correr já é algo me deixa melhor como ser humano, me faz perceber mais minhas imperfeições, minhas fraquezas e potencialidades. Correr por uma causa, me leva além da dúvida e/ou do medo de seguir em frente.” Além disso, ele disse que cada começo e término de um desafio, o deixam mais forte e empolgado pois fazer o que se ama é algo para agradecer.

E por falar em agradecimento, o atleta tem uma gratidão imensa por todos os que colaboraram com ele nessa jornada seja correndo junto ou fazendo doações para as instituições. “Cada pessoa que apertou minha mão gerou uma energia boa, cada pessoa que chegou perto de mim levou consigo uma mensagem e deixou outra comigo. Tiveram também aqueles que se doaram, ficando na tenda e me dando suporte, ouros correndo 1 hora ou as 24 completas, e também tiveram aqueles que me receberam em suas casas, hotéis e até barcos. A imprensa repercutindo, cada um que se aproximou e ajudou a tornar tudo mais especial cada passo.” Disse Carlos agradecido.

Carlos e seu filho na final da etapa em São Paulo

Carlos e o Sr. Luigi dono do resort que abraçou a campanha em Porto Seguro

Como em todos os momentos da nossa vida, Carlos conta que também houveram momento difíceis nesse tempo em que ficou realizando a campanha. Perguntamos para ele o que aconteceu de dificultoso e como ele deu a volta por cima. Mas uma vez ele nos dá uma resposta que vem do fundo da sua alma: “Momentos inesperados sempre surgem, uma pessoa que promete apoiar e não aparece, ou, a capital em que você fica sozinho. Sim, houve um momento em que fiquei quase 12 horas sem atletas ou apoio. Mas no meu caso, sempre tive um plano B, C e até Z. Então peguei minha mochila e tudo o que eu precisava e continuei correndo, foi um momento importante para meditar e ter uma conversa verdadeira comigo, mas jamais pensei em desistir.”

Carlos correndo no parque das Nações Indígenas na etapa de Campo Grande

O ano está terminando e Carlos já nos deixa por dentro das novidades para 2018. “Meus próximos objetivos serão: Correr do Arroio do Chuí, fronteira com Uruguai, até o Monte Caboraí, na fronteira com a Venezuela. O desafio se chamará “Dois Extremos, O Novo Extremo Norte do Brasil”. Serão 10.000 km em 200 dias em prol do combate ao câncer infanto-juvenil.”

O atleta pretende vender inscrições para quem quiser correr alguns trechos com ele e vender simbolicamente alguns km que ele percorrer, toda a renda apurada será doada ao hospital GRAACC.

Ele também pretende organizar um circuito de ultramaratona de 6 horas de duração e fechar o lançamento de seu livro.

Para quem acompanha-lo, ficar por dentro de seus projetos ou contrata-lo para uma palestra, basta acessar o blog do atleta: www.carlosdiasultra.com.br .