Eurico usa documentos de Edmundo, Felipe e Pedrinho para provar que não houve fraude nas eleições do Vasco

Foto: Reprodução/GloboEsporte.com

Após sair a decisão judicial sobre as eleições do Vasco, o atual presidente do clube, Eurico Miranda, acompanhado do vice-presidente de marketing Marco Antonio Monteiro e do vice-presidente do futebol do Vasco, seu próprio filho, Eurico Brandão, veio a público se defender das acusações de fraude eleitoral que vem sofrendo. O mandatário negou que tenha havido qualquer irregularidade no pleito da última terça-feira (07).

“Nós fomos para esse processo eleitoral e acredito que não tenha tido um que não tenha tanta transparência. Transcorreu na maior tranquilidade, apesar de terem sido feitas ameaças a sócios para que não comparecessem. Receberam ligação para que não comparecessem porque tinha a possibilidade de ter confusão ou de serem presos por estarem de forma irregular”, afirmou Eurico logo no início da coletiva.

A Justiça determinou, no início da tarde desta quinta-feira (09), que o Vasco tem até 48 horas para enviar os documentos que comprovem a licitude dos 691 sócios que, por ordem da própria Justiça, tiveram que votar em urna separada por suspeita de fraude eleitoral. Saiba mais sobre o caso clicando aqui.

Sobre os sócios constatados, na lista de votantes, com irregularidades, por exemplo mesmo ou até sem endereço, mesmo ou até sem telefone, Eurico afirmou que, no Vasco, não é obrigatório que a pessoa que queira se tornar sócia do time dê tais dados. Disse ainda que, por causa do recadastramento que muitos sócios não fizeram, esses não tiveram maiores informações inclusas no documento, como o CPF.

“Ficou devidamente esclarecido que eles diziam que tinha uma série de associados sem CPF. Teve uma audiência no juizado do torcedor que definiu claramente as razões de não terem CPF. Porque era de sócios que não fizeram o recadastramento e não fazendo isso, não apareceria o CPF. Se não comunicar o falecimento não pode dar isso aqui.” – disse o mandatário, que completou: “Eu não sou obrigado, quando me associo, a dar meu telefone, tornarem meu telefone público. Aqui no Vasco não tem cadastro irregular. Estou dizendo que o que acontece aqui, aconteceu com outros”.

Também sobre os mesmos sócios, outra irregularidade foi constatada: a admissão em dias não úteis, quando não há funcionamento da secretaria do clube. O mandatário falou sobre isso:

“Quando você assina não quer dizer que tenha se associado no domingo, isso é na ficha. Isso é cadastro. Se você assinou e quer entrar no domingo, isso vai entrar na segunda-feira.”, afirmou.

O atual presidente do Vasco da Gama, durante a entrevista, mostrou e distribuiu à imprensa documentos de sócio de jogadores como Edmundo, Felipe e Pedrinho – que apoiam abertamente o candidato de oposição Julio Brant – também sem CPF, endereço ou telefone corretos.

“Se a gente quisesse fazer sócios, faríamos como a administração passada. Eu poderia distribuir títulos de bem feitor-remido, como ele [Roberto Dinamite, ex-presidente do Vasco]. Eu distribuiria e tudo bem. Não tem que ter justificativa e só pode ser feito pelo presidente. Agora, vejam: Endereço, General Almério de Moura, que é o do Vasco. Telefone, o mesmo do Vasco. Essa é a ficha do Felipe. Não tem a assinatura do preposto e tem a assinatura do presidente [Dinamite]. Mas isso é uma resposta sobre endereço e telefone. Endereço e telefone de Pedrinho idem. Pedrinho não tem CPF. No caso do Edmundo, ele atualizou o endereço recentemente. Os outros não. O pior é que no caso do Edmundo não tem assinatura nem dele nem do proponente. O que não invalidou. Isso é uma resposta a alguns casos. Agora, o que esses três fizeram para ganhar o título de bem feitor-remido eu não sei.”, disse Eurico.

O atual mandatário falou também que, no Vasco, existem sócios que pagam para outras pessoas também sócias. O próprio afirmou que, se pudesse, pagaria para que houvessem mais sócio-torcedores no clube.

“O senhor João Ernesto Ferreira da Costa paga seis. Vem sempre pagar no caixa do clube, paga para seis associados. O que tem de irregular nisso? Nada. O senhor Diego de Carvalho, membro do conselho fiscal, paga para ele e para mais quatro. Isso é só para mostrar que não tem qualquer tipo de irregularidade. Qual o problema de alguém querer pagar a mensalidade do outro? Não vejo problema nenhum, muito pelo contrário.”, disse Eurico, que completou: “Se eu puder pagar para 20, 30, 40, não vejo problema nenhum.”

O atual presidente do Vasco da Gama afirmou ter todas as provas de que necessita para provar a legalidade das eleições em mãos e que irá levá-las ao tribunal, assim que for intimado.

“Até achei estranho, porque eu tomei conhecimento pelo o que vocês informaram e eu não sei se é definitivo porque ainda não fui intimado. Mas eu quero adiantar que todos os documentos que estão na decisão da juíza vão ser fornecidos sem qualquer problema. Além dos comprovantes de que o dinheiro está contabilizado. É o que vai acontecer. Eu estou adiantando uma coisa que eu tomei conhecimento pela imprensa. Está tudo aqui. Se me derem 24 horas, está tudo aqui. É só eu colocar uma equipe de trabalho para encontrá-los e organizá-los, e isso é tranquilo.”, finalizou.

LEIA MAIS:
JUSTIÇA DÁ PRAZO DE 48 HORAS PARA QUE VASCO COMPROVE LEGALIDADE DOS ELEITORES DA URNA ‘SUSPEITA’

VEJA COMO A IMPRENSA REPERCUTIU A ELEIÇÃO NO VASCO

TWITTER DA NBA NO BRASIL ATACA EURICO MIRANDA APÓS ELEIÇÕES NO VASCO; LIGA SE DESCULPA



Igor Calazans é um futuro jornalista por formação que ama futebol, Fórmula 1 e de dar pitadas em outros esportes.