Fifa muda mercado de transferência para o futebol feminino

Reprodução: Site oficial FIFA

Federação Internacional de Futebol (Fifa), mudou oficialmente o mercado de transferência, podendo vender ou emprestar atletas para equipes de ligas nacionais e internacionais.

O sistema Transfer Matching System (TMS), já funcionava no masculino desde 2008, agora será implementado no futebol feminino a partir do próximo ano.

A novidade foi divulgada nesta quarta-feira (8), a mudança é para que os clubes entrem oficialmente no mercado de transferências, o diretor de registros da CBF, Reynaldo Buzzoni vê a mudança como um avanço para o futebol feminino. “Este é um mercado que se abre para os clubes brasileiros, para os que já têm equipes femininas e para os que precisarão ter em 2019 para disputar as competições da CBF e da Conmebol, segundo as regras de licenciamento das duas entidades. É mais uma definição que busca a profissionalização do futebol feminino”, afirmou.

As transferências internacionais do próximo ano só poderão ser realizadas nas ‘janelas’, como acontece com o futebol masculino. As ‘janelas’ terão datas definidas em breve, segundo divulgou a CBF em nota oficial. As regras também valem para os clubes brasileiros.

Para o coordenador de futebol, Marco Aurélio Cunha, “A medida que fortalece e profissionalizar ainda mais o futebol feminino. Neste ano, já houve uma mudança na visão de alguns clubes que fizeram contratos profissionais com as jogadoras. O caso do Santos, que já faz isso há alguns anos, e outros como o Iranduba, a Ferroviária, o Sport, por exemplo. Acredito que é um caminho sem volta e uma grande oportunidade para os clubes brasileiros no departamento feminino garantir seus direitos e de suas atletas, podendo inclusive negociar suas transferências, se for o caso”, ressaltou.

LEIA MAIS:
SUL-AMERICANOS FEMININOS DE BASE TÊM DATAS E LOCAIS DEFINIDOS; VEJA
VEJA OS RESULTADOS DESTA QUARTA-FEIRA (08) PELAS OITAVAS DA CHAMPIONS FEMININA
THAÍS HELENA LAMENTA EVOLUÇÃO LENTA, MAS ACREDITA EM MELHORIAS NO FUTEBOL FEMININO NO BRASIL