Opinião: 5 fatores que colocaram Funvic Taubaté em pé de igualdade com o Sada Cruzeiro

Em uma competição tão equilibrada como a Superliga, os clubes têm feito grandes esforços para elevar suas equipes. O surgimento de Corinthians e a equipe carioca do Sesc ajudam ainda mais a nivelar o torneio mais disputado do planeta, especialmente, o multi campeão Cruzeiro e a equipe que a cada dia disputa cabeça a cabeça com o clube mineiro, ou seja, o time do interior paulista, o Funvic Taubaté. O Sada Cruzeiro que há algum tempo se posiciona como a equipe a ser batida no planeta, com o crescimento de outrora das citadas e a perda de jogadores pontuais em seu elenco, começa a ver no seu retrovisor uma ameaça bastante contundente. Confiram quais são os elementos que podem fazer a equipe mineira ruir, principalmente, com o concorrente direto, o clube do Vale do Paraíba.

Artur de Figueiredo
Jornalista/ Especialista em Comunicação- Com mais de 10 anos de experiência com atuações em diversas plataformas. Desde a graduação venho atuando, como colaborador de diversas mídias. Em 2008, comecei a escrever para o maior portal de Rock e Heavy Metal do país, o Whiplash.net. No mesmo período, me ingressei como apoiador da cena cultural, artística, em especial, de São Paulo e região metropolitana, estive na redação do Stay Heavy. Posteriormente, tive a oportunidade de escrever também como colaborador da maior revista segmentada de Heavy Metal e Classic Rock, a Roadie Crew. Já na área esportiva, como jornalista de esporte Olímpico, tive o privilégio de atuar diretamente nas reportagens, comentários, sendo setorista de Sada Cruzeiro, Sesi São Paulo e Pinheiros, com foco sempre no voleibol. Redator e repórter do site mineiro: Virtuai.com, além do Portal Torcedores.com. No rádio, atuei como comentarista da Metropolitana AM 1070 e Garota FM 87.5. Atualmente, sou colaborador da rádio Poliesportiva. Continuo de forma ativa, buscando conteúdo exclusivo de qualidade, para todos amantes do esporte, contribuindo com informação de relevância para as demais plataformas. Finalizando, atuei como Assessor de Imprensa do clube União Mogi Futebol Clube e colunista do jornal Gazeta Regional. Sempre em busca de novos desafios, aberto ao crescimento, ao desenvolvimento profissional, especialmente, o crescimento humano, em cada área almejada.

1ºContratações: o Taubaté, além de manter a espinha dorsal para a disputa da Superliga e as demais competições, se reforçou ainda mais, trazendo o técnico Daniel Castellani, seguindo a fórmula da vitória da equipe celeste. Além do argentino, chegaram atletas de poderio e capacidade de decisão, dentre eles: o sérvio Marko Ivovic, o central argentino Solé, o levantador Paulo Renan e o líbero, o jovem Thalles, o experiente Dante, fazendo a linha de passe.

Do lado mineiro, o ‘papa títulos’, dessa vez, não resolveu fazer grandes investimentos. É fato, que mantém a força da temporada anterior. Entretanto, a cada temporada tem perdido atletas importantes, como o caso do levantador William Arjona que acertou com o Sesi São Paulo. Vieram para o Sada, Alemão que havia defendido o Canoas, dentre algumas e a aposta de Marcelo Mendez, a contratação do argentino Uriarte para o posto de levantador, com a missão árdua de substituir o ‘mago’. A equipe mineira continua extremamente forte. Entretanto, conseguirá manter a mesma força, através do alto investimento feito pela equipe do interior paulista?

Perdas: Apesar do Cruzeiro não perder tantos atletas, um jogador era fundamental para o esquema do comandante cruzeirense, o levantador William. O entrosamento com Leal, Isac, Evandro, Simon, era tido como perfeito, diferencial. Seguindo a filosofia: Marcelo Mendez trouxe um compatriota, Nico Uriarte, para uma posição de suma importância. Se o argentino vai dar certo, somente o tempo poderá dizer…

Enfraquecer o rival: vimos a cada temporada milhares tentativas de desestabilizar os cruzeirenses. Depois da perda do levantador William que foi para o Sesi. O Taubaté foi o clube que mais tentou tirar atletas do clube mineiro, nomes, como: Wallace, o central Éder, e até na tentativa de tirar um dos principais jogadores, relevantes no esquema tático e extremamente importante no passe, o ponteiro Filipe Ferraz.

Banco de reservas: sabendo da formula que levou o Cruzeiro a conquista de tantos títulos, o time do gestor Ricardo Navajas, logo promoveu o argentino Daniel Castellani e como auxiliar, outro conhecido do público mineiro, Ricardo Picinin que comandou as equipes do Camponesa Minas e Praia Clube.

Alto investimento: os taubateanos foram analisar o que há de melhor no mercado, o time não poupou, foi ao extremo para manter uma equipe que possa brigar diretamente com o Cruzeiro. Solé, Ivovic, chegam para um grupo que já contam com o ponteiro Lucarelli, o oposto Wallace, o levantador Rapha, o novato Thalles, o central Otávio, entre vários outros.

 

 

 

.