Opinião: esta é a lista de dispensa que todo torcedor do Palmeiras gostaria de ver

Foto: Cesar Greco/ Ag.Palmeiras/ Divulgação

O ano do Palmeiras está bem abaixo das expectativas criadas no início da temporada, quando a equipe, que havia acabado de conquistar o Campeonato Brasileiro, manteve os principais jogadores e contratou reforços de peso, como Miguel Borja, Felipe Melo e Alejandro Guerra. Sem títulos em 2017, os torcedores já começam a procurar os erros e os culpados da má fase vivida pelo clube, e entre eles, estão alguns jogadores que nunca mostraram capacidade de vestir a camisa do Verdão.

A lista de dispensa é grande, e entre os nomes mais citados pelos torcedores está o de Fernando Prass, que apesar de toda idolatria conquistada vestindo a camisa do clube nos últimos anos, principalmente com a conquista da Copa do Brasil, em 2015, nesta temporada não conseguiu se destacar, e as seguidas falhas ajudaram a prejudicar o time. Vale lembrar ainda que o camisa 1, aos 39 anos, só tem contrato até dezembro deste ano.

Outro nome que desagrada o torcedor é o do lateral Egídio, que desde 2015 no clube, parece que só acertou um cruzamento até hoje – aquele para o gol do Cristaldo na vitória sobre o São Paulo por 4 a 0. De lá para cá, erros atrás de eros no sistema defensivo e falhas atrás de falhas no setor defensivo.

Juninho, zagueiro contratado nesta temporada por cerca de R$ 10 milhões, já mostrou que não tem capacidade de vestir a camisa do Palmeiras, que é um clube acostumado com grandes jogos e competições. Falhou sempre quando não deveria falhar.

O volante Tchê Tchê parece ser aquele jogador de uma temporada só. Em 2017 não apresentou, em nenhuma partida, algo que lembrasse o jogador que vimos em 2016, tanto pelo Audax como pelo Verdão no segundo semestre.

Michel Bastos não teve tantas oportunidades, é verdade, mas as poucas vezes que entrou em campo, não mostrou serviço e o que realmente sabe jogar. Poderia, tranquilamente, virar moeda de troca por algum jogador melhor.

Sempre gostei do Bruno Henrique quando ele atuava no Corinthians, mas com a camisa do Palmeiras, não se encontrou. A verdade é que se ele fosse bom mesmo, não teria saído da Europa apenas uma temporada depois que chegou por lá.

No ataque o Palmeiras tem as melhores opções de” moeda de troca”. Quem ainda aguenta o Erik? Simplesmente não dá. Aliás, nunca deu. Nunca jogou bem no Palmeiras, que investiu R$ 13 milhões em sua contratação junto ao Goiás, em 2016. É aquele típico jogador que só tem velocidade, abaixa a cabeça e só para na linha de fundo.

Róger Guedes chegou como uma grande promessa, e realmente fez muitos bons jogos com a camisa do Palmeiras, tanto em 2016 como nesta temporada, mas parece que alguns problemas extra-campo começaram a atrapar seu rendimento dentro das quatro linhas. Parece que ele entra em todos os jogos sem a mínima vontade de estar ali.

Por que o Palmeiras contratou o Deyverson mesmo? Não é jogador do nível do Palmeiras, e vê-lo em campo faz o torcedor lembrar de uns nomes que já passaram pelo clube, como Ricardo Bueno, Jorge Preá, Fernandão, Betinho, Daniel Lovinho, Caio Mancha, Miguel Bianconi, Adriano Michael Jackson e por aí vai… é o mesmo caso do Bruno Henrique, se fosse bom, não teria saído da Europa.

Outros nomes que podem, tranquilamente, aparecer na lista de dispensa: Arouca, Fabiano, Mayke e Luan.