Futebol

Mesmo sem Guerrero, Peru é favorito a garantir última vaga na Copa e retornar ao torneio após 36 anos

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Nova Zelândia x Peru, em Wellington

Foto: Nova Zelândia x Peru, em Wellington

Crédito: Foto: Federação Peruana de Futebol/Facebook oficial

A espera foi longa, mas o Peru está perto de voltar à Copa do Mundo. Para isso, a seleção comandada pelo técnico argentino Ricardo Gareca precisa apenas fazer a lição de casa contra a modesta Nova Zelândia, no início da madrugada desta quinta-feira (16). A partida, marcada para 0h15 (horário de Brasília), no Estádio Nacional de Lima, decide a última vaga em disputa para o Mundial da Rússia, no ano que vem. No jogo de ida, deu empate, 0x0. Agora, a situação é muito simples: quem ganhar vai à Copa. Empate com gols classifica a representante da Oceania. Novo 0x0 leva a decisão para a prorrogação.

Por ter uma equipe consideravelmente superior, pela maior tradição no futebol e por jogar diante de seu fanático torcedor, o Peru é amplo favorito nas projeções das casas de apostas esportivas. De acordo com o site Oddsshark.com, uma vitória dos peruanos e sua consequente classificação para o Mundial paga R$ 1,20 a cada R$ 1,00 aplicado, uma margem de lucro bem reduzida, porém muito segura, já que a expectativa geral é de que os donos da casa não decepcionem. Um empate devolve R$ 5,89/R$ 1,00. Por fim, ainda segundo o Oddsshark.com, uma vitória neozelandesa em Lima retorna nada menos de R$ 16,91 a cada R$ 1,00 investido.

Um desfalque de peso
O grande ausente na festa preparada pelo torcedor peruano é o atacante Paolo Guerrero, do Flamengo. Principal nome da seleção, ele foi pego no exame antidoping. O artilheiro contesta o resultado, mas seu recurso para jogar o duelo de volta não foi aceito. Na primeira partida, ficou clara a falta que Guerrero faz ao time de Gareca: apesar de criar algumas chances, o representante sul-americano nesta repescagem não conseguiu aproveitar nenhuma oportunidade, já que faltou justamente um especialista na posição comandando o ataque. A vaga de Guerrero foi ocupada pelo veterano Farfán, que não está acostumado a jogar como um 9 tradicional.

Para o decisivo jogo de volta, Gareca treinou uma alteração de posicionamento, com Farfán atuando mais pelo lado direito e Ruidiaz como centroavante. Assim como na ida, a armação estará a cargo do são-paulino Christian Cueva, que até buscou o jogo e tentou dar criatividade à equipe no 0x0 em Wellington, mas não conseguiu furar a defesa da Nova Zelândia. Outra boa alternativa para atacar em Lima será acionar os avanços de mais um atleta que atua no Brasil, o lateral Miguel Trauco, companheiro de Guerrero no Flamengo. No primeiro jogo desta repescagem, ele avançou bastante ao ataque, buscando tabelas com o bom meia Flores.

Três décadas de espera
Em Lima, a partida domina completamente as atenções e as conversas: não se fala em outra coisa que não seja o jogo decisivo. A enorme mobilização da torcida local tem uma explicação simples: apesar de ter um povo fanático por futebol e de contar com jogadores e agremiações importantes, o Peru não participa de uma Copa do Mundo há mais de três décadas, desde o Mundial da Espanha, em 1982.

Quebrar esse jejum e ir à Rússia-2018 após uma ausência de 36 anos dará início a uma comemoração memorável – o governo já anunciou que, em caso de classificação, será feriado na quinta. No total, o Peru já disputou quatro edições do torneio, sendo que seu melhor resultado foi ter avançado às oitavas-de-final. A Nova Zelândia foi a duas Copas e nunca passou da primeira fase.

Para não entrar na empolgação do torcedor, a seleção peruano decidiu se blindar – o time está isolado num hotel de luxo em Lima e evita o contato com o público neste momento decisivo. O técnico Gareca e seus jogadores estão em silêncio: as entrevistas antes do jogo foram canceladas, até para evitar prolongar demais o assunto da ausência de Guerrero, que certamente seria um dos tópicos mais abordados nas conversas com os jornalistas. O objetivo de Gareca é deixar sua equipe totalmente focada na missão de despachar os neozelandeses e retornar à elite do futebol mundial na Copa do ano que vem.

Zebra acredita na vitória
Mesmo admitindo que corre por fora na briga pela classificação à Copa-2018, a Nova Zelândia viajou para o Peru confiando na possibilidade de uma surpresa. Apesar do empate sem gols na ida, a equipe encontrou várias brechas na defesa peruana e pegou confiança para a volta, apostando na chance de arrumar um golzinho e se fechar na defesa.

“O Peru é o favorito, com ou sem Guerrero”, diz o técnico Anthony Hudson. “Todo mundo acha que o Peru vai ganhar porque é uma equipe grande.” Hudson também fez referência à euforia dos torcedores locais na hora de prometer colocar água no chope dos peruanos. “Não estamos aqui para festa. Estamos aqui para ganhar.”

Confira os resultados dos demais duelos de repescagem para a Copa-2018:

12/11 – Suíça 0x0 Irlanda do Norte (R$ 4,10) – Suíça classificada
12/11 – Grécia 0x0 Croácia (R$ 3,37) – Croácia classificada
13/11 – Itália 0x0 Suécia (R$ 3,99) – Suécia classificada
14/11 – Irlanda 1×5 Dinamarca (R$ 2,64) – Dinamarca classificada

Aproveite e confira outros odds no Torcedores.