Thaís Helena lamenta evolução lenta, mas acredita em melhorias no futebol feminino no Brasil

Thaís Helena Goleira
Thaís Helena em ação pelo São José/ Foto: Reprodução/Instagram

O futebol feminino no Brasil ainda está longe de ser, ao menos, comparado com a categoria no masculino. Apesar da realização do Campeonato Brasileiro das Séries A1 e A2, que contaram com um maior investimento da CBF em 2017, bom público em alguns estádios e transmissões televisivas, a modalidade carece de investimentos. Além disso, em meio ao preconceito ainda existente, faltam mais profissionais especialistas no assunto.

Em entrevista exclusiva ao Torcedores.com, a goleira Thaís Helena, com experiência internacional, muitos títulos no currículo e que vai voltar a atuar no exterior, afirmou ver com bons olhos a possibilidade de evolução do futebol feminino no país.

“Acredito em melhorias sempre. Creio que no Brasil as coisas andam muito devagar, mas vejo algumas melhorias, mesmo sendo um processo lento. Claro que isso é melhor que nada, mas infelizmente ainda falta muito para o Brasil”, disse a camisa 1.

Depois de passagem pelo FF Yzeure, da França, Thaís Helena retornou ao futebol feminino brasileiro e acumulou títulos. O melhor momento da carreira foi no São José, onde venceu duas Libertadores, em 2013 e 2014. No ano seguinte, na Ferroviária, mais uma conquista do torneio internacional no currículo.

Com a camisa da Seleção Brasileira, a goleira tem a experiência de ter vencido Sul-Americano Sub-20, no Chile, em 2006, além da disputa de dois mundiais nas categorias de base. Já em 2007, esteve com o ‘time de cima’ na conquista do segundo lugar no Mundial na China. Também na principal, Thaís teve a oportunidade de participar de algumas preparações e torneios

Agora no Asa Tel Aviv, de Israel, a goleira avaliou pontos que ainda precisam ser melhores desenvolvidos no Brasil.

“Acredito que para evolução precisa de muito, como profissionais melhores preparados, mais atualizados eu digo, muitos ainda estão para trás. Acredito também que seja necessário trabalhar mais a mente das jogadoras. Entre tudo, falta melhorar o reconhecimento pela modalidade e contar com apoio da torcida. Falta muito apoio de investidores também”, comentou.

Para Thaís Helena, o futebol feminino no Brasil está melhor em diversos aspectos, mas ainda pode evoluir ainda mais quando a questão tratada é o preconceito.

“No meu ponto de vista, o preconceito diminuiu muito do que era. Mas acredito que ainda falta muito. Existem pessoas que são preconceituosas. Melhorou muito, mas é uma pena que ainda exista”, concluiu.

LEIA MAIS:

THAÍS HELENA REVELA EXPECTATIVAS E ‘FRIO NA BARRIGA’ EM SEU RETORNO AO FUTEBOL DO EXTERIOR

GRÊMIO GOLEIA NAS QUARTAS DE FINAL DO GAUCHÃO FEMININO; INTER TAMBÉM VENCE



Estudante do 8º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.