Especial: 49 destaques dos ‘pequenos’ na Copinha que podem brilhar no seu time

Com 128 equipes de 25 estados brasileiros – mais o Distrito Federal –, a Copa São Paulo teve número recorde de participantes em  2018. Ao todo, ocorreram 255 jogos em 32 sedes espalhadas pelo estado. Segundo levantamento feito pela Federação Paulista de Futebol (FPF), organizadora da competição, foram 3.079 atletas inscritos para o evento. Pelo número elevado de participantes, no entanto, muitas vezes os talentos de times ‘menores’ acabam sendo pouco notados pelo grande público, que pode, muito em breve, ver essas promessas vestindo as camisas mais tradicionais do futebol brasileiro.

Jonatan Androwiki
Jornalista formado pela Fiam-Faam (2016), começou a acompanhar futebol de base a partir de 2007. Passou pelo Olheiros.net, especializado em categorias de base, Jornal Guarulhos Hoje, Revista Palmeiras e Press FC Assessoria. Atualmente, é scout e analista de mercado da base do Athletico Paranaense.

Por isso, o Torcedores.com traz novamente um levantamento especial apenas com os destaques dos clubes ‘menores’ na competição sub-20 de janeiro. Em 2015, a lista trouxe 30 bons nomes interior paulista; e, em 2017, o site destacou 48 promessas que atuavam em times do estado de São Paulo. Assim como no ano passado, a quantidade de jogadores destacados em 2018 é em alusão ao número vigente de edição da Copinha. Foram selecionados, portanto, 49 atletas que demonstraram potencial na competição, montante que, percentualmente, representa pouco mais de 1,5% da somatória de jogadores inscritos.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

LEIA TAMBÉM:
Veja 30 revelações do interior paulista na Copa SP 2015
Mapeamento: chegou a vez da geração 1999 na seleção sub-20
CBF teve atletas da sub-17 por até 7 meses a serviço da seleção
Conheça 48 promessas dos ‘pequenos’ de SP na Copinha 2017

Comparado ao especial dos anos anteriores, nos quais a listagem era exclusiva aos jovens valores de times paulistas, o critério de 2018 mudou proporcionalmente ao aumento do espaço de análise. Desta vez, a relação irá abranger atletas de qualquer estado e,  para isso, a reportagem acompanhou 157 jogos completos e analisou expoentes de 120 dos integrantes da Copa São Paulo. Por falta de transmissão de jogos na TV ou em serviço de streaming, oito equipes deixaram de ser observadas e não entraram nos métodos de seleção: Atlético-GO, América-PE, Joinville-SC, José Bonifácio-SP, Lagarto-SE, São Paulo Crystal-PB, Taboão da Serra-SP e Tupã-SP.

Em contrapartida, dois critérios de exclusão foram usados. Primeiro, todos os jogadores mencionados no especial de anos anteriores se tornaram inelegíveis, sem os quais a prioridade permanece para jovens talentos “inéditos” de cada exemplar da Copinha; também foram deixados de fora os jogadores da Portuguesa, um clube reconhecidamente tradicional, mas que, sobretudo, teve seus jogadores em grande evidência em relação à maioria dos clubes ao chegar até as semifinais.

Confira, com exclusividade, os 49 nomes promissores dos clubes ‘pequenos’ na 49ª edição da Copinha:

GOLEIROS

1- Henrique Cucato (Osasco Audax) – 19 anos

Henrique Cucato (Foto: Flickr/Osasco Audax)

Nome completo: Henrique Cucato Lopes
Data de nascimento: 08/02/1999
Local: Carapicuíba-SP
Altura: 1,85m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Com a camisa 22 às costas, Cucato ganhou a condição de titular somente 15 dias antes de a Copinha começar. Após voltar de viagem para a Europa, onde foi regularizar sua cidadania italiana, ele foi peça fundamental no modelo sistêmico de jogo do clube, cuja participação do goleiro na iniciação de jogadas é frequente e natural. Ágil e excelente no jogo com ambos os pés, ele deu os primeiros passos no futsal da cidade de Osasco. A partir de 2011, ingressou no futebol de campo no Barueri, passou pelo Grêmio Osasco e chegou a fazer testes no Botafogo-RJ antes integrar o Audax, em 2013. Já está integrado aos profissionais.

2- José Rafael (Rio Branco-SP) – 18 anos
Nome completo: José Rafael Ribeiro da Silva
Data de nascimento: 02/03/1999
Local: Bragança Paulista-SP
Altura: 1,92m
Pé: Direito*
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Alto, bom no confronto com os atacantes e com qualidade para sair do gol em bolas cruzadas, José Rafael tem dominância cruzada, ou seja, é destro com o pé e canhoto com a mão*. Passou por Ponte Preta, Bragantino e Atibaia até chegar ao Rio Branco, em 2016. Destaque no Paulista Sub-17 daquele ano, chamou atenção do Fluminense, mas, por problemas contratuais, retornou a Americana. Com grandes atuações contra Paraná e Cruzeiro, também parou – e eliminou – o Juventude na primeira fase. Integrado aos profissionais, ainda tem futuro indefinido, já que recebeu quatro propostas, incluindo duas de clubes da Série B do Brasileirão.

3- Lorenzo (São José-RS) – 17 anos
Nome completo: Lorenzo Piaia Barbosa
Data de nascimento: 20/04/2000
Local: Cascavel-PR
Altura: 1,82m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020.

Se na lista de 2017 houve Enzo, nesta aparece Lorenzo. Um dos goleiros titulares mais jovens na Copa São Paulo 2018, ele não possui uma estatura das mais avantajadas, no entanto, compensa com reflexo apurado, velocidade nos movimentos e bastante maturidade debaixo das traves. Aos 11 anos, foi aprovado no Grêmio, no qual ficou até 2015. No clube gaúcho, não recebeu muitas oportunidades e foi liberado por conta de seu tamanho. A reviravolta veio ao assinar com o São José. Integrou o elenco profissional do Zequinha na Copa Caçapava, em 2016, e, no ano seguinte, esteve no sub-20 ainda aos 16 anos. Após a Copinha, despertou o interesse de Avaí e Flamengo.

4- Phillip (Nacional-SP) – 18 anos
Nome completo: Phillip Chijoke Ejimadu
Data de nascimento: 31/08/1999
Local: Minneapolis, MN (Estados Unidos)
Altura: 1,90m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

O nome já dá indícios de que o arqueiro do Ferrinho tem raízes fora do Brasil. Phillip tem ascendência da Nigéria, mas nasceu em Minneapolis, estado de Minnesota, nos Estados Unidos. De pai americano e mãe brasileira, veio para São Paulo aos sete anos e iniciou na Portuguesa, em 2010 – nesse período, chegou a ser aprovado no Corinthians, mas saiu após seis meses. No Nacional desde 2013, se destacou mesmo com a eliminação na primeira fase e, diante do Santo André, teve uma das melhores atuações de goleiros na Copinha. De físico avantajado e musculatura privilegiada, tem boa envergadura e ótima impulsão para saltar.

Menção honrosa: Léo Siqueira (1999, Juventus-SP); “Konga” Victor Fernandes (1999, Ricanato-TO) e “Mocorongo” Lucas Mouzart (2000, Desportiva Paraense).

LATERAIS DIREITOS

5- Caio Mateus (Mogi Mirim) – 18 anos

Caio (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Caio Mateus Reis Costa
Data de nascimento: 01/01/2000
Local: Campinas-SP
Altura: 1,68m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Praticamente imparável pelo lado direito, foi a principal arma do clube paulista que, mesmo com a derrota no confronto direto, deixou o Fluminense para trás. Dono de muito vigor físico e velocidade espantosa, deu trabalho para os defensores com arrancadas pelo meio ou quando ia à linha de fundo – quando mostrou ter bom cruzamento. No passado, Caio atuou no Primavera-SP e Amparo, pelo qual acabou indicado ao Sapão. Chegou a passar por longos períodos avaliativos no São Paulo e no Red Bull, mas crê que não foi aprovado pelo físico franzino e baixa estatura. Também foi observado por Atlético-MG e Ponte Preta, mas sem sucesso. Seu vínculo com o Mogi Mirim encerrou ao término da Copinha. É muito promissor.

6- Danilo Boza (Mirassol) – 19 anos
Nome completo: Danilo Boza Júnior
Data de nascimento: 06/05/1998
Local: Rondonópolis-MT
Altura: 1,85m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Boza, que deu os primeiros passos no Rondonópolis EC, teve a primeira experiência longe de casa no Monte Azul, mas acabou dispensado e voltou à cidade natal. Depois, fez testes no Atlético-MG, Avaí e Red Bull Brasil: não foi aprovado em nenhum. Então, jogou o Paulista Sub-17 de 2015 pelo Grêmio Prudente. Foi tão bem que foi contratado pelo Palmeiras. Porém, com poucas chances no Alviverde, pediu a rescisão de contrato e acertou com o Mirassol. Com qualidade na marcação e no apoio, foi destaque pelo segundo ano consecutivo na Copa São Paulo e acabou sondado pelo Goiás e pelo próprio Red Bull. Decidiu ficar, foi promovido e é titular do time no Paulistão. Se sair, deve ser já como jogador para elenco profissional.

7- Dieguinho (Desportiva Paraense) – 17 anos
Nome completo: Diego Santos Guimarães
Data de nascimento: 23/03/2000
Local: Araguatins-TO
Altura: 1,67m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Um dos bons talentos revelados pela Desportiva Paraense, clube sensação da Copinha. Importante nas transições, Dieguinho criou boas tramas pelo lado direito com Mateus Paragominas (/00) e, com muita velocidade e técnica, mostrou por que foi um dos personagens principais no vice estadual sub-17 no ano passado. Tocantinense de Araguatins, chegou a passar pelo Vasco, mas acabou não permanecendo porque o clube carioca não podia alojá-lo à época por conta da idade – ele tinha 13 anos. Ele, então, foi para a Desportiva em meados de 2014, mas acabou retornando pelo fim do calendário do time de Marituba naquele ano. Retornou somente em outubro do ano seguinte e, agora, tem na mesa propostas de diversos clubes da Série A.

8- Jessé (Fernandópolis-SP) – 18 anos
Nome completo: Jessé Felipe de Freitas
Data de nascimento: 04/09/1999
Local: Salto-SP
Altura: 1,80m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Apesar de ser xará do cantor carioca intérprete de sucessos como “Porto Solidão” e “Estrelas de Papel”, o nome do bom lateral do Fernandópolis teve, na verdade, inspiração no personagem bíblico, pai do Rei Davi na história do Antigo Testamento. Habilidoso e bastante vertical, Jessé não segurou o ímpeto e partiu para o ataque sempre que teve oportunidade nos jogos Copinha. A vocação ofensiva veio dos tempos em que atuava como meia numa escolinha, aos 16 anos. O início foi no Comercial EC, de Registro, interior paulista. Ele ainda fez testes na Ponte Preta, em 2014, e assinou com o Fefecê no início de 2017. Mesmo com proposta do clube para jogar a “Bezinha” Sub-23, quarta divisão estadual, ele ainda não decidiu seu futuro.

Menção honrosa: “Formiga” Igor Marques (1999, Nova Iguaçu); Gustavo Xavier (2000, Marília) e Wanderson Costa (1998, Timon-PI).

LATERAIS ESQUERDOS

9- Dani (Paulista) – 18 anos

Daniel (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Daniel Moreira Basso
Data de nascimento: 14/04/1999
Local: Americana-SP
Altura: 1,76m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Se na edição de 2017 o Paulista revelou o bom Felipe Alemão, neste ano o sucessor manteve o nível na função. Pelo lado esquerdo, Daniel, ou Dani, como é chamado, formou excelente parceria com Gil Ferreira (/98) e se sobressaiu mesmo com a queda na primeira fase. Muito habilidoso, joga de cabeça erguida e foi um dos poucos laterais na Copinha com a característica de ir à linha de fundo. Antes do time de Jundiaí, jogou no Rio Branco-SP e, entre 2013 e 2016, esteve no Amparo. Lá, em 2015, recebeu convite do Santos, porém não houve acerto na negociação. Já nas últimas semanas, teve sondagem do Londrina, mas, por enquanto, treina com os profissionais do Galo da Japi. Ele e Diego Jardim entrariam facilmente num top 10 da posição no torneio.

10- Bruno Balotelli (XV de Jaú) – 17 anos
Nome completo: Bruno Oliveira Cardoso
Data de nascimento: 09/10/2000
Local: São Paulo-SP
Altura: 1,86m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020.

O XV de Jaú só caiu nos pênaltis para o Internacional, e um dos motivos da boa campanha foi o bom futebol apresentado por seus laterais, Balotelli e Renan Moura (/98). Vigoroso, veloz e de boa estatura, o lateral esquerdo chamou atenção pela capacidade que tem em defender e atacar com intensidade. Jogador do Galo da Comarca desde 2015, ele também vestiu as camisas de Santo André e Ituano, mas já foi observado por clubes grandes. Chegou a ser aprovado no Corinthians, mas não ficou. Já no São Paulo, permaneceu por cinco meses, mas treinava no terceiro time e raramente tinha a chance de mostrar seu futebol. Na Copinha de 2018, conseguiu e agradou.

11- Diego Jardim (Penapolense) – 18 anos
Nome completo: Diego Aparecido de Assis Jardim
Data de nascimento: 11/05/1999
Local: Agulha-SP
Altura: 1,78m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Diego Jardim chegou a passar por testes no Flamengo e no São Paulo. No Tricolor Paulista, aos 11 anos, foi observado por um mês, mas não foi aprovado. Já no Rubro-Negro, em 2017, ouviu que era “igual aos que estavam lá” e que, para ficar, precisava ser “diferente”. Sua trajetória, então, foi por times menores. Começou na Inter de Bebedouro, em 2013, e, no ano seguinte, jogou no Jabaquara. Em 2015, ficou sem clube. Foi somente em 2016 que ele conseguiu um teste no clube de Penápolis, e por lá ficou. Inteligente, agudo e dono de técnica acima do comum para a posição, balançou as redes contra o Náutico. Hoje, escolheria camisa para jogar em quase todos os times grandes do país.

12- Felipe Vieira (Londrina) – 18 anos
Nome completo: Felipe Vieira Augusto
Data de nascimento: 04/05/1999
Local: Cruzeiro do Sul-PR
Altura: 1,77m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Felipe Vieira foi um dos bons personagens do Tubarão, que realiza bom trabalho na formação de atletas e conta com o aporte do grupo empresarial do famoso empresário Juan Figer. Vindo da pequena Cruzeiro do Sul, cidade com menos de 5 mil habitantes no norte do estado, sua carreira teve princípio em terras paranaenses. Em 2014, atuou no Santa Catarina Clube, onde ficou uma temporada até ser captado pelo LEC. Atlético e veloz, compõe bem a linha de defesa e usa seus recursos técnicos quando vai ao ataque. Assim, conseguiu criar várias oportunidades nos jogos da Copa São Paulo, sobretudo ao fazer trocas de passes e variações posicionais com Anderson. Relacionado para três jogos dos profissionais em 2017, ele já foi titular em quatro compromissos no Campeonato Paranaense deste ano. Tem margem para evoluir ainda mais.

Menção honrosa: Kevin Kesley (2000, Osasco Audax) e Willian Félix (1998, São Bernardo).

ZAGUEIROS

13- Juan Henrique (Votuporanguense) – 18 anos

Juan (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Juan Henrique Correa Nunes
Data de nascimento: 18/05/1999
Local: Catanduva-SP
Altura: 1,93m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Ao lado de Jordan (/99), da Ferroviária, Juan mostrou ser um dos zagueiros mais talentosos da Copa São Paulo 2018. Capitão, o jogador canhoto foi referência técnica e de liderança no ótimo time do Votuporanguense e, mesmo com a estatura elevada, tem velocidade nas recuperações, além de boa técnica para a saída de bola e qualidade no jogo aéreo. Jogador do CAV desde o ano passado, ele antes jogou no América-SP e no Grêmio Catanduvense, pelo qual disputou a Série A3 do Campeonato Paulista com o time profissional. Depois da experiência com o time adulto, realizou testes no Corinthians, mas não permaneceu por problemas burocráticos. Junto a outros três jogadores, foi promovido ao time principal depois da Copinha para a Série A2 do Paulistão.

14- Carlos Henrique (Elosport-SP) – 17 anos
Nome completo: Carlos Henrique Azevedo dos Santos
Data de nascimento: 04/12/2000
Local: Osasco-SP
Altura: 1,82m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Nascido em dezembro, Carlos Henrique havia completado 17 anos de idade há menos de um mês quando foi a campo com a jovem equipe que o Elosport levou para o torneio. É ele, porém, que carrega alcunha que representa todos os seus colegas de geração no clube. Apelidado de “Dois Mil”, o jogador batalhou até conseguir ter uma chance para fazer o que sabe. Tentou entrar no Atlético-GO, Bandeirante, Água Santa, Diadema, São Caetano e São Vicente: foram inúmeros testes e peneiras sem sucesso antes de ir para Capão Bonito. Defensor rápido e bom nos desarmes, apresenta virtudes com a bola nos pés e, por ser canhoto, também atua na lateral esquerda – pode ainda jogar como volante. Como ala, fez boa partida contra o Coritiba e conseguir parar o badalado Talysson Lalau.

15- Diego Silva (Linense) – 19 anos
Nome completo: Diego da Silva Gomes
Data de nascimento: 04/01/1999
Local: Coxim-MS
Altura: 1,85m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

É verdade que o Linense foi mal e não fez um gol sequer na Copa São Paulo 2018, mas, na defesa, mesmo com duas derrotas, um jogador conseguiu mostrar seu valor. Peça pelo lado direito da zaga, Diego Silva demonstrou segurança no jogo aéreo e qualidade nos desarmes pelo chão, e ajudou bastante na cobertura do lateral Jeffinho. Natural de Coxim, o beque passou pelo Porto, de Santa Catarina, Tanabi, Santacruzense e Osvaldo Cruz, onde, em 2016, teve oportunidades na segunda divisão do Paulista Sub-20 – mesmo sendo jogador sub-17. Assim, chegou a Lins no início de 2017, e rapidamente passou a treinar com os profissionais, sendo, inclusive, inscrito para a Copa Paulista. Já se reapresentou no time de cima que joga o Paulistão.

16- Gabriel Lima (Rio Branco-AC) – 17 anos
Nome completo: Carlos Gabriel da Conceição Lima
Data de nascimento: 19/11/2000
Local: Rio Branco-AC
Altura: 1,86m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

De longe e em alguns movimentos, chega a lembrar um pouco o são-paulino Rodrigo Caio – a coincidência do nome composto é mero detalhe, já que ele prefere ser conhecido como Gabriel Lima. Comparação e, sobretudo, qualidade à parte, chamou atenção por ser veloz, iniciar as jogadas com cabeça a erguida e ser capaz de desarmes precisos, mesmo não sendo beque de ofício, já que é volante. Começou na escolinha do Bangu, no município de Senador Guiomard, onde mora, e de lá, foi para o Rio Branco. Em 2016, decidiu ir para o Atlético Acreano, onde irmão mais velho, Afonsinho, foi jogador – e zagueiro – profissional. Depois de ter sido emprestado para o Rio Branco durante a Copa São Paulo, retornou ao time profissional do Atlético, no qual foi efetivado como meio-campista.

17- Jordan (Madureira) – 19 anos
Nome completo: Jordan de Paula Rodrigues
Data de nascimento: 22/03/1998
Local: Alto do Rio Doce-MG
Altura: 1,88m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

O Madureira foi outra equipe que ficou cedo pelo caminho, mas, ainda assim, mostrou bons talentos individuais. Ryan Matheus (/00), Rickson (/98) e Denílson  (/98) mostraram valor, mas, sem dúvidas, o zagueiro Jordan foi o principal nome do time. Técnico com a canhota, veloz nas recuperações e no confronto com os atacantes, o defensor colaborou também com bons lançamentos e inversões de jogo. Seu talento, no entanto, foi descoberto um pouco “tarde”. Até os 16 anos, disputava apenas campeonatos amadores em Minas Gerais, até que foi levado para testes no Rio de Janeiro. Tentou no Flamengo, Botafogo e, também, no Avaí, mas foi recusado. Foi aprovado no Madureira, no início de 2015, onde ficou desde então e pôde apresentar sua qualidade.

18- Lara (Araxá-MG) – 19 anos
Nome completo: Antônio Abreu Lara
Data de nascimento: 27/01/1999
Local: Americana-SP
Altura: 1,89m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

O pilar do sistema defensivo do time mineiro. Zagueiro pela esquerda, aparentou ser sólido tanto por baixo, quanto, sobretudo, nas bolas que vinham por cima. Paulista de Americana, ele praticamente só jogou em clubes de Minas Gerais: passou pelo Democrata, de Sete Lagoas, e pelo América-MG, até chegar à AMDH. No projeto da ONG de Betim, chamou atenção de um empresário com bom trânsito em equipes do interior e que estava à frente da base do Villa Nova, para onde foi levado no segundo semestre de 2016. Poucos meses depois, em maio de 2017, Lara foi levado para o Araxá EC. Alto e esguio, tem mobilidade e mostrou possibilidade de evolução, foi alvo de interesse durante a Copinha e deve ser negociado pelo Ganso em breve.

19- Marquinhos Silva (Santo André) – 18 anos
Nome completo: Antônio Marcos da Silva Graciliano
Data de nascimento: 26/02/1999
Local: União dos Palmares-AL
Altura: 1,86m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Nascido na cidade de União dos Palmares, a 73 km de Maceió, Marquinhos Silva veio para o ABCD Paulista apenas em fevereiro de 2016. Antes disso, iniciou sua trajetória no Projeto Futuro, de Alagoas, estado no qual também defendeu as cores de Murici e Santa Cruz. O defensor esteve também no Aparecida-GO e até foi observado de perto por uma grande equipe. Em 2015, foi avaliado pelo Grêmio, porém, como volante. E, como o clube gaúcho tinha excesso de jogadores na posição, não ficou. Já no Santo André, logo ganhou seu espaço até ter a condição de capitão da equipe na Copinha deste ano. Jogador leve, ótimo posicionamento e boa agilidade para desarmar, atuou pelo lado direito da defesa ao formar excelente dupla com João (/99).

Menção honrosa: Aílton “Neto” (1999, Confiança-SE); “Café” Matheus Cardoso (1999, Trindade-GO); Keven Bptenho (2000, Remo) e Pedro “Arcoverde” (2000, AD Guarulhos).

VOLANTES

20- Pedro do Rio (Ferroviária) – 17 anos

Pedro do Rio (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Pedro Bernardo do Rio
Data de nascimento: 21/11/2000
Local: São Carlos-SP
Altura: 1,72m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Provavelmente um dos jogadores mais valiosos e cobiçados que atuaram na Copa São Paulo de 2018. Se o termo “volante moderno” pode ser genérico, o futebol de Pedro do Rio (não é apelido, é sobrenome) possui particularidades não tão fáceis de se encontrar. Dinâmico, com excelente passe e técnica para dar e vender, ele distribui as jogadas e faz o jogo acontecer. É exatamente um playmaker, como se diz lá fora, e, aqui no Brasil, pode ser exemplificado no estilo de jogo de Arthur, do Grêmio. Captado pela Ferroviária em 2016, o meio-campista jamais havia passado por outro clube e somente tinha disputado torneios na cidade de São Carlos, interior de São Paulo, onde, inclusive, teve a companhia do bom atacante Vinícius Mingotti (/00), titular do Novorizontino na Copinha.  Promovido aos profissionais da Ferrinha, tem talento para leva-lo longe.

21- Gabriel Araújo (São Raimundo-RR) – 17 anos
Nome completo: Gabriel Araújo dos Santos
Data de nascimento: 02/04/2000
Local: Boa Vista-RR
Altura: 1,82m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020.

Camisa 8 do time roraimense, Gabriel Araújo ganhou ainda mais evidência por conta de um acontecimento não planejado. Às vésperas do início da Copinha, o São Raimundo perdeu seus dois volantes titulares por contusão. Dessa forma, o técnico Beto Vieira recorreu ao meia armador de apenas 17 anos. Técnico, criativo, com passe qualificado e avaliado como um jogador sem vícios, se entrosou rapidamente com o também volante /2000 Luís Renan e se adaptou à nova função em apenas 15 dias, na qual apresentou boa perspectiva para evolução. Cabeça pensante no meio-campo do Mundão, Gabriel passou pelo futebol mato-grossense e pelo Goiás. Torcedor do Flamengo na infância, ele tem seu futebol cobiçado por Sport, Ferroviária-SP e São Carlos-SP.

22- Igor Nazaret (Penapolense) – 18 anos
Nome completo: Igor Ferreira Nazaret
Data de nascimento: 05/04/1999
Local: Jundiaí
Altura: 1,80m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Absoluto à frente da defesa do time de Penápolis, passa longe de ser um cabeça-de-área limitado. Seu futebol se encaixou muito bem com o do seu companheiro, Patrick Dias (/98), volante de mais movimentação entre as linhas. “Iguinho”, como é apelidado o volante jundiaiense, chegou ao CAP em maio de 2017, após passar quatro anos na base do Red Bull. No Touro, teve a experiência em torneios na Europa: na Áustria, em 2014, e Holanda, em 2016, nos quais jogou contra Bayern, Manchester City e Liverpool. Tendo o espanhol Xavi como uma de suas referências , se destaca por ter bom senso de cobertura, leitura de jogo e dar passes com precisão – além disso, pode atuar como lateral direito. Seu contrato com a Penapolense terminou ao fim da Copinha e não foi renovado.

23- Jean Santos (Fernandópolis-SP) – 18 anos
Nome completo: Jean Carlos dos Santos Cordeiro Azevedo
Data de nascimento: 13/09/1999
Local: Rio Claro-SP
Altura: 1,80m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Outro volante de perna esquerda dominante, Jean Santos bate na porta da base dos grandes clubes há alguns anos. Com passagens por Lemense, Fernandópolis, Velo Clube e Rio Claro, todos do interior paulista, esteve em diversos períodos de análise em equipes tradicionais: em 2014, se saiu bem num teste no Cruzeiro, mas acabou tendo uma lesão no tornozelo. No ano seguinte, foi visto de perto pelo Coritiba, mas foi outro a ouvir que estava “no mesmo nível dos que jogavam por lá” – também esteve temporariamente no Internacional. Habilidoso e dinâmico, justifica em campo muito de sua origem, no futsal, além de ser multifuncional: já jogou como meia, lateral esquerdo e até mesmo zagueiro. Chegou ao Fernandópolis em 2017, depois de ter tido boa passagem pela base do XV Piracicaba, onde chegou a ser capitão.

24- João Ramos (XV Piracicaba) – 17 anos
Nome completo: João Pedro Ramos Monteiro
Data de nascimento: 15/03/2000
Local: Porto Alegre-RS
Altura: 1,84m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Juvenal Juvêncio, falecido ex-presidente do São Paulo, costumava se referir ao volante João Schimidt, atualmente na Atalanta/ITA, como um “colosso”. De certa forma, o xará do time piracicabano também poderia ganhar o mesmo apelido pelo que demonstrou na Copa São Paulo. Por coincidência, João Ramos jogou quatro anos nas categorias de base justamente do Tricolor Paulista e, posteriormente, mais duas temporadas no Audax, além de passagens por Rio Branco-SP e Portuguesa Santista. Elegante, alto e com toques refinados, tomou conta do meio-campo e sempre mostrou saber o que fazer com a bola. Torcedor do Internacional na infância, o gaúcho de Porto Alegre chegou ao XV em 2017 e, após a Copinha, foi promovido aos profissionais para jogar a Série A2 do Campeonato Paulista.

25- Marcelo Marques (Desportivo Brasil) – 20 anos
Nome completo: Marcelo Marques dos Santos Júnior
Data de nascimento: 20/01/1998
Local: Franca-SP
Altura: 1,79m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Não se vê um volante com a camisa 5 anotar tantos gols numa Copa São Paulo. Mas foi isso que fez Marcelo Marques, capitão do Desportivo Brasil, ao anotar três vezes. Especialista em bolas paradas, fez um golaço de falta contra o União-MT, qualidade que, para ele, pode ser devido à “genética”: seu pai também tinha qualidade no quesito. Mais do que a facilidade nos arremates, foi o responsável em dar ritmo e consistência ao meio-campo do DB, participando bastante na proposição do jogo – também foi importante na marcação e proteção da zaga. Deu início à carreira em sua própria cidade, onde atuou por Francana e Internacional de Franca, e, depois, atuou por cinco anos na base do Internacional.

26- Matheus Alexandre (Marília) – 18 anos
Nome completo: Matheus Alexandre Anastácio de Souza
Data de nascimento: 07/04/1999
Local: Marília-SP
Altura: 1,88m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Para quem assistiu aos jogos do Marília na Copinha, foi quase impossível não reparar em Matheus Alexandre, que parecia estar em todas as partes do campo. Negro, com 1,88m de altura e enérgico, tem passadas largas e bom controle de bola com os dois pés. Nascido na própria Marília, começou numa escolinha de nome Corinthians, também na cidade, e, aos 12 anos, foi para a Stadium BR, projeto tradicional de formação de atletas no município. No ano seguinte, teve a primeira chance no MAC, mas retornou à iniciativa desportiva local, foi avaliado por São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Grêmio para, então, voltar a vestir a camisa do Tigrão em 2016. Fã de Pogba e Casemiro, subiu para o time profissional e tem recebido chances com Luiz Carlos Ferreira, o “Rei do Acesso”, na Série A3 do Paulista.

27- Pedro Phelipe (Confiança-SE) – 16 anos
Nome completo: Pedro Phelipe Santana Lisboa
Data de nascimento: 30/11/2001
Local: Poço Verde-SE
Altura: 1,78m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019, 2020 e 2021

Pedro Phelipe já atrairia holofotes mesmo antes de entrar em campo, assim como qualquer outro jogador da geração 2001 que atuasse nessa edição da Copinha. Por isso, mesmo com a ressalva evidente da diferença de idade, precisava mostrar a que veio. E, dentro de campo, mostrou. Sempre de cabeça erguida, tem qualidade no passe e no trato com a bola, e protagonizou bons momentos com o parceiro de volância, Vinícius José (/00). Quando pôde, apareceu na fase ofensiva e, diante do São Raimundo, anotou um gol de fora da área. O Confiança foi o primeiro clube do garoto natural da pequena Poço Verde, cidade de apenas 21 mil habitantes a 150km de Aracaju. Após três anos no Dragão, ele agora tem sondagens de algumas equipes, mas há um acerto encaminhado com o Fluminense.

28- Ramon (Água Santa) – 17 anos
Nome completo: Ramon Nunes Melo
Data de nascimento: 23/02/2000
Local: Diadema-SP
Altura: 1,78m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Se o bom trabalho na formação de atletas já era notado nos torneios de base recentes, nessa Copa São Paulo o Água Santa voltou a revelar nomes de potencial. Um deles, sem dúvidas, foi Ramon. Cria da cidade, ajudou a ditar o ritmo dos jogos e mostrou eficiência nas ações, sendo participativo e quebrando as linhas de marcação com bons passes, movimentação e infiltrações. Dessa forma, o box-to-box apareceu como elemento surpresa e anotou um gol, diante do Juventus, na primeira fase. Técnico com a bola nos pés, teve o Netuno como único clube na carreira, equipe no qual atua desde 2012, com um hiatus entre o fim daquele ano até o retorno, em 2014. O volante, que torcia pelo Palmeiras quando criança, está valorizado deve ser bastante cobiçado nos próximos meses.

Menção honrosa: Djalma Celestino (2000, Atibaia); Felipe Azevedo (1999, Capivariano); Guilherme Eulálio (2000, Volta Redonda) e Yuri Paulino (2000, Elosport-SP).

MEIAS

29- Denílson Alves (Itapirense-SP) –16 anos

Denílson (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Denílson Alves Borges
Data de nascimento: 23/03/2001
Local: Nazaré do Piauí-PI
Altura: 1,75m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019, 2020 e 2021

Mesmo em uma competição para jovens, não é comum ver jogadores tão abaixo do limite de idade se destacando como Denílson conseguiu na edição de 2018. Com apenas 16 anos, vestiu a camisa 10 e comandou o bom time da Itapirense como se tivesse 20. Ele já havia chamado atenção na conquista do Paulista Sub-20 2ª Divisão, em 2017. Criativo, ótimo nas bolas paradas e nas finalizações, faz bem a leitura de jogo e trabalha as jogadas com inteligência e técnica. Incorporado à base da Vermelhinha em 2016, chegou a ser avaliado por Palmeiras e Corinthians, mas ouviu a resposta padrão para a dispensa: tinha nível similar ao dos atletas locais. Contratado pelo Flamengo, trará boa dor de cabeça ao técnico Phelipe Leal, que terá de encaixá-lo junto a Yuri de Oliveira (/01) e Reinier (/02), também armadores. Se mantiver o nível de atuação da Copinha, será nome para a seleção brasileira dos /2001.

30- Denílson Cajuru (Osasco Audax) – 18 anos
Nome completo: Denílson Cláudio de Souza Cerqueira
Data de nascimento: 04/03/1999
Local: São Paulo-SP
Altura: 1,69m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019.

Não é exagero dizer que todas as jogadas do Audax na Copinha passaram pelos pés de seu camisa 8. Denílson Cajuru mostrou bastante proatividade na criação de situações ofensivas, participando ativamente das jogadas com enfiadas de bola ou fazendo o jogo ter fluidez. Na marcação, compôs com eficiência a linha intermediária e auxiliou o capitão Marcus Vinícius. Baixinho e muito habilidoso com o pé esquerdo, chegou ao clube de Osasco aos 10 anos de idade, e, aos 14, foi emprestado ao Palmeiras. Ficou no Alviverde até 2016, quando foi repassado para o Londrina e para o Internacional. Sem muitas chances, acabou pedindo para voltar ao clube-empresa no início de 2017, onde permaneceu e, agora, conseguiu evidência com seu bom futebol.

31- Marquinhos (Botafogo-SP) – 17 anos
Nome completo: Marcos Antônio da Silva Roque
Data de nascimento: 13/06/2000
Local: Franca-SP
Altura: 1,77m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

Formar camisas 10 de qualidade é uma tradição no clube de Ribeirão Preto. Marquinhos não é dos meias mais intensos, e, na verdade, tem um estilo mais ‘clássico’. Construtor e dono de passe preciso, distribuiu assistências para os atacantes ao longo do torneio – além de ter feito um gol, de pênalti, contra o Cruzeiro-RS. Forte, tem boa capacidade técnica, controle de bola e aptidão nas bolas paradas. Seus primeiros passos foram em Franca, onde nasceu. Atuou por Francana e Internacional de Franca e, entre os 13 e 14 anos, foi realizar avaliações no Coritiba e no São Paulo. Mas, adivinhe? Disse ter recebido o mesmo feedback de outros dessa lista: estava no mesmo patamar dos meninos desses clubes. Atleta do Botafogo desde o início de 2015, recentemente despertou o interesse de Atlético-PR e Atlético-MG.

32- Ruan (São Bento) – 18 anos
Nome completo: Ruan da Silva Paulino
Data de nascimento: 28/06/1999
Local: Alfenas-MG
Altura: 1,71m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Não foi apenas por ser o autor do único gol do São Bento na Copinha que Ruan ganhou destaque. Mais do que o pênalti convertido diante da Manthiqueira, ou mesmo a expulsão contra o Botafogo-PB, o camisa 10 foi o executor ou teve participação direta em quase todos os lances do Azulão Sorocabano. De estilo de jogo vistoso, gosta de ‘pentear’ a bola e, com habilidade, tenta clarear os lances para buscar um passe ou dar uma arrancada. Mesmo com esse futebol ‘alegre’, não deixou a objetividade de lado. Vindo de Alfenas, no interior mineiro, nutria paixão pelo Flamengo quando criança, mas iniciou sua trajetória no Red Bull Brasil, onde esteve por dois anos até pedir para ser liberado por causa da saudade da família. Depois da participação na Copa São Paulo, recebeu propostas por empréstimo de Grêmio e Internacional.

33- Tavison (Água Santa) – 17 anos
Nome completo: Tavison Rodrigues de Araújo
Data de nascimento: 05/12/2000
Local: São Paulo-SP
Altura: 1,61m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020.

É provável que, em alguns momentos de sua carreira, Tavison venha a ouvir que tem “futebol de gente grande”. Chavão à parte, é verdade que ele tem uma baixa estatura – mede apenas 1,61m –, mas isso não se sobrepõe ao seu futebol. Bem cotado nos torneios paulistas de base, a jovem promessa teve, na Copinha, função semelhante à de Philippe Coutinho na Seleção Brasileira: ser um meia aberto pelo lado direito, que cai por dentro para criar. O camisa 10 da equipe de Diadema apresentou extrema habilidade com a perna esquerda, ótimo controle de bola e finalização com a perna esquerda – assim, marcou um golaço diante do Juventus. Jogador do Água Santa desde o fim de 2014, chegou a fazer testes no São Paulo e no Corinthians, além de ter tido uma passagem de oito meses pela Ponte Preta.

34- Thiago Alves (Grêmio Novorizontino) – 18 anos
Nome completo: Thiago Alves da Rosa
Data de nascimento: 09/06/1999
Local: Porto Alegre-RS
Altura: 1,77m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Thiago Alves fez sua segunda Copa São Paulo em bom nível. Se em 2017 havia tido boas atuações ao lado de Rodrigo Rodrigues, o Farofa, neste ano o voltou a ser importante . Centralizado, mas com liberdade para se movimentar pelos dois flancos e infiltrar, levou perigo principalmente ao ter a posse no terço final do campo. Com bom drible curto, inteligência e visão de jogo, não costuma ficar muito tempo com a bola no pé e procura rapidamente espaço para a finalização ou dar passes em profundidade. Autor da assistência para Mingotti diante do América-RN, o meia-atacante passou dois anos no Grêmio, mas, após perder a titularidade, acabou encostado e decidiu deixar o clube gaúcho. No Novorizontino desde 2016, parece estar pronto para o time principal.

35- Vilares (AD Guarulhos) – 19 anos
Nome completo: Rodrigo Queiroz Heleno Vilares
Data de nascimento: 26/02/1998
Local: Bertioga-SP
Altura: 1,70m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Em sua segunda Copa São Paulo com a camisa do clube, Rodrigo Vilares voltou a balançar as redes uma vez, assim como fizera em 2017. No entanto, seu desempenho neste ano superou as expectativas. Com a braçadeira e a camisa 10, foi uma liderança para os jogadores de ataque, quase todos mais jovens. Exibiu técnica com a perna direita e jogo vertical, ao aplicar dribles que deixaram que proporcionaram boas situações. Criado no bairro de Guaruba, em Bertioga, litoral paulista, tentou ser aprovado em testes em clubes como Santos, Corinthians e Portuguesa. Não conseguiu ficar, e foi atuar na várzea da cidade de Guarulhos. Até que, no início de 2016, teve a chance na equipe da AD Guarulhos. Mantém conversas para disputar a Série A2 do Paulista pelo time principal da Portuguesa, clube pelo qual, aliás, tem grande simpatia.

Menção honrosa: “Dan” Aglisson Conceição (2000, Desportiva Paraense); Leonardo Schorr (2000, Votuporanguense); Mateus Randolfo “Canhota” (2000, Ituano) e Matheus Moreira (1999, Linense).

PONTAS

36- Brown (Desportiva Paraense) – 16 anos

Claydson Brown (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: Claydson Brown da Silva
Data de nascimento: 19/03/2001
Local: Belém-PA
Altura: 1,78m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019, 2020 e 2021

Talentoso, Brown causou espanto não só pelo que fez, como, principalmente, pelo que demonstrou ser capaz de fazer num futuro próximo. Arranque, capacidade de improviso, visão de jogo e tomada de decisão incomum para a idade foram alguns dos componentes demonstrados por ele. Seu início foi no futsal da ESMAC (Escola Superior Madre Celeste), de Ananindeua, onde ficou de 2009 até 2016. Teve a primeira experiência no campo pela Tuna Luso e, em janeiro de 2017, foi para Paysandu. A passagem pelo Papão, no entanto, durou somente um mês. Sem ajuda de custo para as passagens de ônibus, como relatou à reportagem, acertou com a Desportiva em fevereiro seguinte. Sensação da Copinha, é alvo de disputa entre vários clubes da Série A, como Flamengo, Corinthians, Palmeiras, Botafogo e Internacional, dentre outros, além de duas equipes da Bundesliga, incluindo o Borussia Dortmund.

37- Anderson Oliveira (Londrina) – 19 anos
Nome completo: Anderson de Oliveira da Silva
Data de nascimento: 16/07/1998
Local: Rolim de Moura-RO
Altura: 1,71m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma.

Outro valor evidenciado no ótimo desempenho do Londrina em gramados paulistas. Com função de atuar aberto pelo lado esquerdo do ataque, ele, que também pode ser um meia ofensivo pelo centro, marcou quatro vezes e foi quase imparável quando partia com a bola dominada. No clube desde o início de 2016, foi trazido do mato-grossense Sinop, onde já integrava o elenco principal que foi vice estadual. Também teve passagens pelo Santos, Portuguesa Santista e Paraná Clube, além de sido observado por um curto período no Grêmio. Ativo e habilidoso, desenvolve bem as jogadas ofensivas com dribles em progressão, com os quais consegue desequilibrar no um contra um. Protagonista na campanha do Tubarão até as semifinais do Paranaense Sub-19 de 2017, Anderson foi promovido aos profissionais, mas teve seu nome perguntado por equipes, incluindo uma da Turquia.

38- Gabriel Martinelli (Ituano) – 16 anos
Nome completo: Gabriel Teodoro Martinelli Silva
Data de nascimento: 18/06/2001
Local: Guarulhos-SP
Altura: 1,75m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019, 2020 e 2021

Gabriel Martinelli é tratado como grande promessa desde cedo. Há algum tempo se ouve falar do maior expoente do Ituano nos últimos anos, e suas performances na Copinha deram exemplar de suas características e, sobretudo, de sua capacidade técnica. Pelos lados do campo, se saiu melhor quando caiu pelo lado esquerdo, por onde criou boas ocasiões com o meia Mateus Canhota (/2000). Cria do futsal do Corinthians, chegou a jogar o Paulista Sub-13 pelo clube, mas, a partir 2015, passou a defender o Galo da Japi. Os holofotes sobre ele aumentaram quando foi convidado a passar por um período de treinos no Manchester United. Agradou, e foi chamado outras três vezes – também participou de atividades com o Genk, da Bélgica. Visto como um dos melhores de sua posição na categoria 2001, deve também ser observado pela CBF e foi alçado ao profissional para jogar o Paulistão.

39- Gustavo Henrique (Trindade-GO) – 18 anos
Nome completo: Gustavo Henrique Alves Rodrigues
Data de nascimento: 24/05/1999
Local: Edéia-GO
Altura: 1,76m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Nome comentado nos torneios de base do futebol goiano, Gustavo foi autor de dois gols no torneio, foi a válvula de escape nos contra-ataques do Trincão. Sempre agudo e com dribles rápidos, quase sempre em direção ao gol ou buscando a linha de fundo, deu profundidade e fez do setor esquerdo o mais dinâmico da equipe. Atleta do clube desde 2016, passou por Jardim América-GO e Atlético-GO. Foi ainda avaliado por Avaí e Juventude, no qual não permaneceu após uma fratura na clavícula. Promovido aos profissionais em 2017, fez dois gols na Divisão de Acesso e foi eleito por um veículo local como a revelação e para a seleção ideal do certame. Com as boas apresentações na Copa São Paulo, foi emprestado pelo Trindade ao Grêmio Anápolis para jogar a primeira divisão do Campeonato Goiano.

40- Hélio (Remo) – 17 anos
Nome completo: Hélio Cunha Borges
Data de nascimento: 15/05/2000
Local: Belém-PA
Altura: 1,74m
Pé: Ambidestro*
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020

É provável que para muita gente, até do meio do futebol, fazer a transição do futsal para o futebol de campo quase aos 17 anos seja um pouco tardio. Mas Hélio acredita que fez a troca de terreno no tempo exato. Ele foi jogador das quadras desde a infância até o fim de 2016, ano no qual integrou o time de salão no Remo – que, obviamente, não é um time ‘pequeno’, mas cabe a exceção. Fez a mudança, adaptou-se rapidamente e, no ano seguinte, conquistou o estadual sub-17. Fintas, passes e movimentos: faz tudo de forma acelerada e com velocidade de raciocínio, além de ser um dos poucos jogadores da Copinha que poderiam ser verdadeiramente considerados ambidestros*, já que utiliza os dois pés com a mesma frequência, não só para as finalizações. Ainda em janeiro, acertou temporariamente com o Palmeiras para disputar a Copa Santiago Sub-18, onde conquistou o título. Vive a expectativa de um acerto definitivo com o Alviverde.

41- Lucas Grossi (Taubaté*) – 18 anos
Nome completo: Lucas Grossi de Araújo Reis
Data de nascimento: 22/03/1999
Local: Belo Horizonte-MG
Altura: 1,77m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Na era dos pontas de “pés invertidos”, Lucas Grossi foge à tendência e atua do mesmo lado do campo do seu pé dominante. Ponta esquerda canhoto de técnica apurada e obediência tática, foi a cabeça pensante do time e colaborou com três dos oito gols na campanha do Burro das Central. Mineiro de Belo Horizonte, iniciou sua caminhada na própria cidade, onde defendeu os dois grandes, Atlético-MG e Cruzeiro. Encostado, acertou com o Taubaté e fez parte até mesmo do elenco profissional na Copa Paulista de 2017, o que fez despertar o interesse do Corinthians. Passou um mês na capital, mas, sem acerto financeiro, retornou. Neste ano, o Timão voltou a mostrar desejo em seu futebol, porém, desta vez, Grossi recusou a oferta. O bom futebol na Copinha lhe valeu um contrato com o Grêmio*, com o qual assinou por empréstimo de 18 meses e opção de compra para os gaúchos.

42- Rafinha (Ferroviária) – 18 anos
Nome completo: Rafael Baldini Massola
Data de nascimento: 12/11/1999
Local: Jaú-SP
Altura: 1,77m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Rafinha provavelmente é um dos jogadores com mais bagagem como profissional da lista. Depois de atuar no XV de Jaú, em 2014, acertou com o Noroeste e, em Bauru, foi peça frequentemente usada nos jogos da Série A3 do estadual, em 2017. Contratado em junho do mesmo ano pelo clube de Araraquara, também integrou o elenco do time adulto, campeão da Copa Paulista. Possuidor de bom passe e muita habilidade com a perna esquerda, atuou pela ponta direita e sempre criava chances ao cortar para dentro e abrir espaço para as investidas do ótimo lateral Luan Robert (/99). Bom cobrador, fez um belo gol diante do São Carlos – fez, ao todo, três tentos. Novamente promovido na Ferroviária, com a qual tem vínculo até 2020, parece estar pronto para ganhar oportunidades no Paulistão deste ano.

43- Richard Júlio (Água Santa) – 17 anos
Nome completo: Richard Júlio dos Santos Machado
Data de nascimento: 22/02/2000
Local: São Bernardo do Campo-SP
Altura: 1,79m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019 e 2020.

Talvez o corte de cabelo com rabo de cavalo possa até remeter aos jogadores do passado, mas o futebol de Richard tem características que se sobressaem atualmente. Técnico, veloz e inteligente, o ponta esquerda exibiu bom repertório de fundamentos e competência para criar e decidir situações de jogo, além de consciência na recomposição sem a bola. O camisa 11 do Água Santa também soube finalizar as oportunidades que teve, e marcou dois gols em cinco jogos. Em sua trajetória, realizou testes no Atlético-MG e no Palmeiras, em 2012 e 2014, respectivamente, mas não permaneceu em nenhuma das vezes. O jogador só chegou ao clube de Diadema na metade de 2015, mas, antes, também atuou nas categorias de base do São Bernardo, pelo qual não chegou a ser vinculado. Pode se tornar um bom atacante num futuro próximo.

Menção honrosa: “Gão” Thiago Andrade (2000, XV de Jaú); Ismael Júnior (1998, Atlético Tubarão-SC); “Negueba” Luiz Firmino (1999, Globo-RN) e Wallace Maia (1999, Votuporanguense).

CENTROAVANTES

48- João Celeri (Capivariano) – 1999

João Celeri (Foto: Reprodução/Facebook)

Nome completo: João Pedro Celeri Machado
Data de nascimento: 07/06/1999
Local: Barretos-SP
Altura: 1,86m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Alto, robusto e goleador. Dono de finalização potente e bom no jogo aéreo, João Celeri soma os ingredientes suficientes para fazê-lo um centroavante de notoriedade, como conseguiu ser na Copa São Paulo. Mas não foi sempre assim. Depois de se sobressair no Paulista Sub-15 de 2014, quando fez 11 gols pelo Monte Azul, o centroavante não teve muita sorte na sequência. Levado para a Ponte Preta, amargou a reserva de Wallisson (/2000) e, sem espaço e nenhum gol marcado no estadual sub-17 de 2016, acertou com o Capivariano em abril do curso seguinte. Se em todo o ano de 2017 foram apenas três tentos, na Copinha deste ano Celeri superou a marca com facilidade: foi às redes cinco vezes em apenas três partidas. São-paulino na infância, já se despediu do Leão da Sorocabana nas redes sociais e deve anunciar seu novo clube nos próximos dias.

45- Alex Xavier (Desportiva Paraense) – 19 anos
Nome completo: Alex Xavier Vieira Reis
Data de nascimento: 18/01/1999
Local: Belém-PA
Altura: 1,82m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019

Parceiro de ataque de Brown, Alex Xavier se deu muito bem com o garoto prodígio. Com aptidão para reter a posse ou fazer o jogo fluir quando necessário, foi peça fundamental para os momentos de postura reativa nas partidas. Centroavante de boa mobilidade, mostrou também ter habilidade com a bola nos pés, além, claro, de muita qualidade na finalização, tanto com os pés quanto no cabeceio. Antes de chegar à Desportiva Paraense, em 2015, iniciou no Cabanos, time de Ananindeua, onde jogava o Campeonato Paraense Amador de base. Morador do bairro de Águas Brancas, também teve uma experiência na Tuna Luso. Saiu depois de apenas dois meses, alega, por falta de apoio financeiro. Pelo que demonstrou em janeiro, possui talento para ter uma chance no sub-20 de algum grande clube do Brasil, mas, por enquanto, permanece em Marituba como atleta da SDP.

46- Breno (São Carlos) – 19 anos
Nome completo: Breno de Almeida Mello Santana
Data de nascimento: 29/07/1998
Local: Rio de Janeiro-RJ
Altura: 1,79m
Pé: Esquerdo
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Dono de massa muscular avantajada, Breno incomodou demais os zagueiros na Copinha 2018. Trombou, brigou pela bola, soube fazer o pivô e mostrou fome de gols: ao todo, foram cinco em quatro jogos. Sua caminhada, no entanto, foge aos padrões de idas e vindas por vários clubes. Ele só conseguiu um contrato pela primeira vez aos 18 anos, no próprio São Carlos. Antes disso, atuava em times do futebol amador do Rio de Janeiro. Chegou a realizar avaliações no Vasco, em 2015, mas foi colocado para jogar na lateral esquerda e não se adaptou. Em julho de 2016, foi aprovado no Nova Iguaçu. Dois meses depois, deixou o clube pela dificuldade com a distância entre a escola, sua casa e o local de treinamentos. No mesmo ano, defendeu a Matonense e, mesmo sem vínculo, se destacou em um campeonato. Com o fim da Copa São Paulo, a Águia recebeu algumas consultas por ele.

47- Danilo Lima (Itapirense-SP*) – 19 anos
Nome completo: Danilo Lima de Sousa
Data de nascimento: 26/02/1998
Local: São Bernardo do Campo-SP
Altura: 1,80m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Com três gols no torneio, Danilo não é bem um ‘centroavantão típico’ apenas definidor. Pelo contrário, possui recurso técnico e agilidade para sair da área, abrir espaços e participar ativamente do jogo. Por conta disso, foi, talvez, o camisa 9 dessa Copinha que mais mostrou capacidade para criar chances de gol, tanto para si quanto para os companheiros. Seu bom momento vem desde 2017, quando foi o artilheiro da segunda divisão Paulista Sub-20, com 15 gols – entretanto, quando chegou à Vermelhinha, na metade de 2016, não era titular absoluto. Seu clube anterior foi o Juventus, onde era suplente de Gabriel Justino, hoje no Vitória de Guimarães B-POR e destaque da Copa São Paulo de 2016. Antes, conseguiu fazer alguns gols no sub-15 do São Caetano, do qual saiu em 2014, e também passou pelo Santo André. Defenderá o Avaí* na sequência da temporada.

48- Luís Henrique (Ferroviária) – 19 anos
Nome completo: Luís Henrique Martins dos Santos
Data de nascimento: 07/03/1998
Local: Laranjal Paulista-SP
Altura: 1,78m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: nenhuma

Aos 19 anos, um veterano – ao menos, em Copas São Paulo. A edição de 2018 foi a quarta disputada por Luís Henrique, que estreou na competição em 2015 – ele fora inscrito pelo Desportivo Brasil, seu ex-clube, no ano anterior; por imbróglio contratual, ficou de fora em 2017. E seus números em gramados paulistas são excelentes: somadas as participações, fez 10 jogos e anotou impressionantes 12 gols – das vezes que entrou em campo, só não marcou em duas oportunidades. Após passar quatro anos na base do clube-empresa, acabou indo atuar no Atlético-PR. Mesmo se destacando na equipe sub-19, não teve muitas perspectivas de ser promovido no Furacão e acertou com a Ferroviária. Em Araraquara, esteve no grupo campeão da Copa Paulista, na qual também deixou sua marca, e já está integrado ao time principal no Paulistão.

49- Rodrigo Muniz (Desportivo Brasil*) – 16 anos
Nome completo: Rodrigo Muniz Carvalho
Data de nascimento: 04/05/2001
Local: São Domingos do Prata-MG
Altura: 1,85m
Pé: Direito
Edições que ainda poderá jogar: 2019, 2020 e 2021

Anunciado como reforço do Flamengo* ao término da competição, Rodrigo Muniz era monitorado há algum tempo pelos principais clubes do país. Artilheiro, colecionou dezenas de gols nos dois últimos anos com a camisa do Desportivo Brasil, pelo qual foi descoberto aos 14 anos, quando disputou um torneio pelo Prata FC na cidade de Brodowski, interior paulista. Ele, que havia sido titular em dois jogos da Copa São Paulo 2017, ainda com 15 anos, fez valer sua fama em janeiro último. Autor de quatro tentos, o atacante corpulento provou que tem presença de área, sabe atacar os espaços e possui muita frieza para concluir. Considerado um dos melhores camisas 9 de sua geração, Muniz tem contrato de fornecimento esportivo com a Puma e chegou a ser convocado por Carlos Amadeu para defender a seleção brasileira sub-16 em um amistoso contra a Inglaterra, em novembro de 2017.

Menção honrosa: Amarildo Júnior (1999, Red Bull); Léo Andrade (1998, Rio Branco-SP); Miullen (1998, Londrina) e “Orelha” Breno Herculano (1999, Rio Branco-ES).