Conheça as regras do futebol de amputados

O futebol de amputados tem poucas regras que diferenciam do futebol “normal”, a curiosidade é que o atleta que disputa a modalidade não tem a obrigatoriedade de ser amputado.

Willian Leite Avelino
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/ Site oficial ABDDF (Associação Brasileira de Desporto para Deficientes Físicos)

5 equipes profissionais apoiam o futebol de amputados

O Corinthians foi a 1ª equipe do de São Paulo a apoiar a modalidade, seguido por Audax e Ponte Preta. Este ano a modalidade conta com a inclusão de São Paulo e Santos como as novidades. O apoio das equipes profissionais traz o crescimento e a divulgação de uma modalidade que como muitas outras carece de apoio e patrocínios.

A modalidade conta com poucas regras diferentes das praticadas por campeonatos de futebol society. As únicas regras que diferenciam a categoria do futebol de pessoas sem deficiência são:

• Os jogos são disputados em campo society, com dimensões mínimas de 60mX38m.
• Cada equipe tem sete jogadores: O goleiro é amputado ou deficiente de um dos braços e os atletas de linha são amputados ou deficientes de uma das pernas.
• Os atletas não podem tocar na bola de forma intencional com a perna ou braço amputado.
• As partidas são divididas em dois tempos de 25 minutos com intervalo de 10 minutos.
• Os técnicos podem pedir um tempo de um minuto para orientar seus atletas a cada etapa da partida.
• A muleta não pode tocar na bola de forma intencional.
• O tiro de meta não pode ultrapassar o meio campo
• O goleiro não pode sair da área, se sair, por qualquer motivo (com a bola rolando) ele receberá a advertência com cartão amarelo.
• O lateral é cobrado com o pé.
• Não há limite para substituições e os jogadores substituídos podem voltar ao jogo sem necessidade de parar o tempo, com a exceção do goleiro, que precisa que o cronômetro seja parado para ser substituído.