Esportes Olímpicos

Morre Bebeto de Freitas, mas fica o legado eterno com o vôlei mundial

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Superesportesmg

Morreu na tarde desta terça feira (13), o ex jogador, técnico e dirigente, Bebeto de Freitas. O esportista passou mal após a apresentação do novo time de futebol americano do Atlético Mineiro. Levado as pressas, não suportou e acabou se sucumbindo por conta de um infarto. Com uma trajetória extremamente avassaladora, em termos de conquistas, Bebeto, virou referência não só no futebol, como gestor do seu clube de coração, Botafogo e com outra paixão que acabou se tornando, posteriormente, mais um alvinegro, por sua vez, o Clube Atlético Mineiro. Entretanto, com toda pompa e uma história rica, nada se compara ao legado deixado no vôlei mundial.

Entendam o por quê…

Bebeto era o líder da tão famigerada “geração de prata”, que tinha nomes, como: Bernardo Rezende (que viria posteriormente se tornar um dos mais importantes técnicos da história), Montanaro, Willam, Xandó, Renan, entre vários outros. A medalha de prata das Olimpíadas de Los Angeles, conquistada em 1984, mostrava para o mundo o poderio do vôlei nacional. As boas posições em mundiais, mundialitos, campeonatos sul americanos, mostravam a que veio.

Os anos que se sucederam no vôlei só vieram pra firmar de vez, o nome de Bebeto de Freitas, como um dos maiores técnicos daquela geração. Engajado a aprender, primeiramente, com mais maturidade, mudar e inovar o vôlei italiano, não só treinou algumas equipes, como teve em seu currículo, várias conquistas pelo o Maxicono Parma. O convite da ‘Azurra’, fincaria de vez, o seu nome, como um dos mais importantes treinadores estrangeiros do planeta, especialmente, pelas conquistas que viriam, consequentemente.

Entre 1997 e 1998, já atuando como técnico da seleção italiana conquistou campeonato da Liga Mundial, em seu primeiro ano e, posteriormente, a confirmação de tudo, a conquista do título mundial sobre a Iugoslávia. Freitas, se firmava como uma das maiores referências na modalidade, ajudando no aprimoramento, em termos de infraestrutura, desenvolvimento de novos métodos, treinamentos e no crescimento da modalidade no Brasil, de forma bastante progressiva.

Para o os amantes do voleibol, fica aquele sentimento de vazio, mas a certeza que o legado de Bebeto permanecerá vivo e forte em todos: em cada saque, bloqueio, defesa.

“Descanse em paz, Bebeto de Freitas”…