Gilvan rebate Perrella e explica superávit na gestão do Cruzeiro

Foi quente a reunião do Conselho Deliberativo do Cruzeiro, realizada nesta quarta-feira onde tratava o balanço financeiro do clube na temporada de 2017. O ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares disparou contra o atual presidente do Conselho e senador, Zezé Perrella, que havia questionado os números da gestão de Gilvan na Raposa.

Eder Bahúte
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Twitter

Perrella criticou o fato dos conselheiros receberam o documento sem o mínimo de antecedência para se ter uma avaliação melhor dos dados apresentados. Por sua vez, Gilvan respondeu alegando que esta seria justamente a função do responsável pelo órgão, logo Zezé. Ficou definido então que a votação será adiada para maio e o balanço será publicado sem a aprovação ou reprovação, uma vez que a Lei Pelé obriga a divulgação até o fim deste mês. Caso contrário, o Cruzeiro sofreria danos, como o afastamento de seu atual presidente Wagner Pires de Sá.

“A posição minha, que manifestei a ele na reunião do Conselho, é que essa responsabilidade de divulgar o balanço aos conselheiros não é do presidente ou da diretoria executiva do Cruzeiro, como ele alegou, mas sim é uma obrigação dele, presidente do Conselho. Me surpreende que ele não saiba disso. Aliás, ele não deve saber mesmo, pois nem sequer vai ao clube, ao Conselho. O balanço estava pronto desde o dia 3 de abril, quando foi entregue pelos auditores. Foi aprovado pelo Conselho Fiscal no dia 10 e entregue à presidência do Conselho. Sabe por que ele não distribuiu o documento aos conselheiros? Porque ele não vem aqui, ele mora em Brasília, ele terceirizou o trabalho e deixou na mão de quem não sabe nada. Foi irresponsabilidade dele, pois havia tempo hábil para deixar todos a par do balanço e votar no prazo. Ele adiou a reunião que seria no dia 16 de abril, adiou para hoje, dia 25, e agora adiou a votação de novo para daqui a 15 dias. O balanço terá que ser publicado sem aprovação por culpa exclusiva de quem está brincando de presidir o Conselho”, declarou Gilvan ao Superesportes.

A gente fica com medo do que está por trás disso. Não sei se ele tem outros interesses. O fato é que se a diretoria descumprisse o prazo e não divulgasse o balanço no prazo de 30 de abril, o presidente eleito, Wagner (Pires de Sá), poderia ter problemas, ser tirado do cargo. Quem sabe ele (Perrella) estava interessado em assumir o Cruzeiro de novo?“, completou.

Gilvan ainda confirmou que Perrella solicitou que uma segunda empresa faça uma nova auditoria do balanço de 2017. “Sim, ele pediu que o presidente Wagner, meu sucessor, contratasse uma segunda auditoria para avaliar as contas da minha gestão em 2017. Mas a empresa que sempre fez a auditoria dos nossos balanços é a mesma que sempre fez o balanço das gestões do Zezé Perrella. Servia para auditar as contas deles, não serve para as minhas?”, disse.

 

Leia outros trechos:

Apoiou Perrella para a presidência do Conselho?

Não, eu não o apoiei. Tinha deixado claro que não o apoiaria em mais nada, pois ele foi muito irresponsável na última gestão dele (2009/11). Naquele dia, ele tirou uma foto comigo, tentou se valer daquela foto. Ele invadiu minha sala com tudo preparado, e eu disse que não iria apóia-lo. Mas a imagem foi publicada como se eu tivesse dado o meu apoio.
Como explicar um superávit de R$ 30 milhões sendo que o clube passa por problemas financeiros?

Houve uma mudança. Tivemos boas receitas de bilheteria, sócio-torcedor, recuperamos patrocínio na Caixa, não tínhamos patrocinador como eles e sem vender os jogadores. Deixei um elenco para a nova diretoria sem vender nenhum jogador. Saiu só o Diogo Barbosa porque a gente tinha um compromisso.

Perrella diz que o superávit só veio em função do adiantamento de R$ 100 milhões da TV. Isso procede?

Mentira dele (sobre antecipação de R$ 100 milhões). Está no balanço. O que foi antecipado foram R$ 9 milhões de cota de pay-per-view, porque o Cruzeiro teve boa administração na minha gestão, foi o quinto clube que mais vendeu pay-per-view. Só isso foi antecipado, R$ 9 milhões, só isso. O Cruzeiro não tinha superávit há cinco anos. E não ganhava título. Só na minha gestão o Cruzeiro tem dois Brasileiros, uma Copa do Brasil, e todo torcedor do Cruzeiro ficou feliz de ter ver que eu investi no time e não vendi todo mundo, como ele fazia. Quando assumi o Cruzeiro, quando ele deixou a direção, não tinha jogador, ele vendeu todo mundo. Eu tive que arregaçar as mangas para não deixar o time cair, e sem jogador, sem receita, com muita dívida para pagar. Paguei divida dele na minha gestão toda, e nunca fiz uma baixaria como essa. Ele só pode estar fazendo isso porque perdeu a eleição, está com raiva

LEIA MAIS: