Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Leandrinho fala um pouco sobre seus dois anos no Fut7 em SP

Leandrinho tem 36 anos, e no seu currículo acumula diversas passagens defendendo a seleção brasileira e as principais equipes nacionais: Carlos Barbosa, Intelli, Krona, Palmeiras, São Paulo, Corinthians, Benfica (Portugal-2004), Foz Cataratas, Copagril Futsal e atualmente o São José Futsal.

Nurnberg Tercio
Pós Graduação em Jornalismo Esportivo Formado em Comunicação Social - Jornalismo Formado em Locução Esportiva - Radio Web Conectados Colaborador do Torcedores.com

Crédito: Leandrinho atleta do Santos FC F7, destaque do peixe na semifinal contra o Vasco da Gama. ( Foto: Tercio Nurnberg / Torcedores.com)

Na modalidade Fut7 (esporte ainda considerado amador ou extraoficial), o atleta ingressou no Santos FC Fut7 em 2016, Audax F7 em 2017 e atualmente defende a Ponte Preta F7.

E logo no primeiro ano pelo Santos Fut7 conquistou alguns títulos importante (Circuito Brasileiro de Fut7, Mundialito de Clubes F7 e alguns torneios) sendo destaque até na pagina oficial do clube santista.

Leandro também fala que não houve problemas de adaptação e que o Fut7 tem muita tendência do futsal jogado atualmente.

Sobre jogar o Fut7 e conciliar com o Futsal, coisa que alguns atletas evitam, já que por terem contrata com os clubes, não podem jogar por outra agremiação. Tudo depende de como o atleta negocia o seu contrato de trabalho com o clube, no caso dele, sempre fez bons contratos para poder conciliar os dois casos.

Questionado sobre ele ter saído do Santos, equipe que até os dias de hoje tem uma das melhores estruturas da modalidade com relação a elenco e apoio. Por que ele resolveu sair.

As melhores notícias de esportes, direto para você

 

Em cerimonia do Campeonato Paulista de Fut7 2017. (Foto: Raquel Costa / Arquivo)

– “Em 2016 atuei pela equipe do Santos, recebi o convite do mago treinador para esse desafio já que eu sempre atuei no futsal, e aceitei o desafio, foi um ano com muitas vitórias, títulos (brasileiro, paulista, mundial e alguns torneios), no fim de 2016 tinha a opção de permanecer no grupo para 2017 já que fui um dos principais jogadores da equipe mais optei em me transferir pra outra equipe.”.

Essa outra equipe era o Audax F7, uma equipe recente na modalidade, mas que havia um poder de investimento inicial muito alto. Girando em torno de 15 mil reais por mês de gastos. Tinha no elenco o que o Fut7 tinha de melhor. Contratou um técnico renomado e vencedor conhecido, Alessandro Cadenazzi, com o tempo, acabou dispensando o treinador, por falta de pagamento. Muitos atletas também saíram da equipe e o que era pra ter sido, a sensação do ano, se tornou o fiasco do fut7 em 2017.

Leandro não deu muitos detalhes, por questão de ética e respeito aos companheiros e comentou apenas o necessário.

– “A equipe que tinha sido montada para vencer tudo em 2017, mas nem sempre as coisas saem como queremos ou são planejadas, e acabou sendo um ano muito complicado, não tivemos os resultados que queríamos, e acabamos não vencendo nenhuma competição”.

Fora do Audax e sem retornar para o Santos, Leandro estava livre no mercado para atuar por qualquer equipe. Acertou sua permanência no São José Futsal e aceitou o convite de Fabio Oliveira, o Fumaça com o jogadores gostam de chamar.

O atleta fala sobre o convite e o que espera dessa equipe da Ponte Preta para 2018.

-“ Em 2018 também por convite do treinador, só que agora para ir pra Ponte Preta feito pelo Fumaça, aceitei o novo desafio que é fazer um grande ano com grandes conquistas, nossa equipe vem treinando forte e já podemos ver que a evolução está acontecendo jogo a jogo, hoje somos líderes do Paulistão Fut7, com 3 vitórias em 3 jogos e tenho certeza que será um ano abençoado e com muitas conquistas”.

Leandro foi questionado sobre esse momento do Fut7, com nova gestão e a falta de mídias presente na cobertura dos jogos e grandes eventos que estão acontecendo.

– “A modalidade vem crescendo a cada ano, mais ainda sentimos um pouco a falta da mídia, todos sabemos que sem ela não conseguimos crescer, e também tínhamos que ter uma arena para ter uma identificação como tínhamos com a arena nacional, sei que isso foge um pouco do meu entendimento, mas espero que a cada evento ou a cada campeonato possa ter cada vez mais cobertura, pois assim só temos a ganhar na modalidade. Tenho certeza que essa modalidade ainda será a mais vista por todos, “finalizou.