Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Mais uma para Simeone: veja 5 motivos que explicam a classificação do Atlético de Madri à final da Liga Europa

O Atlético de Madrid está em mais uma final. Após derrotar o Arsenal por 1 a 0 no Wanda Metropolitano, a equipe de Diego Simeone disputará a decisão da Liga Europa.

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016, radialista na Paiquerê 91,7.

Crédito: Reprodução/Atlético de Madri

Veja 5 motivos que explicam a classificação do Atlético de Madri à final

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Favoritismo absoluto
A queda precoce na Liga dos Campeões – num grupo em que se classificaram o Chelsea e a semifinalista Roma – fez com que o Atléti chegasse à Liga Europa com extremo favoritismo, situação que só aumentou com o decorrer da competição. Os Colchoneros eliminaram Copenhague, Lokomotiv Moscou e Sporting antes do principal duelo da competição, contra o Arsenal.

Acostumados a decisões
A base do elenco é mantida há anos, além do treinador Diego Simeone estar no cargo desde o início da década. Os campeões nacionais da temporada 2013/14 foram à final da Liga dos Campeões no mesmo ano e em 2015/16 e criaram um “DNA copeiro” que tornou o antigo “primo pobre” do Real Madrid numa das equipes mais temidas na Europa.

A base
Como já comentado, é uma espinha dorsal que está junta há muito tempo. Godín, Filipe Luís – atualmente machucado -, Gabi, Koke, Griezmann e agora Diego Costa de volta participaram da maioria das grandes campanhas do Atléti e se acostumaram a grandes duelos europeus. Mesmo com o título espanhol e as finais da Champions, a equipe jamais passou por uma grande debandada.

Dupla
Uma dupla de ataque que coloca medo nos adversários e impõe um jogo físico e franco. Dois atacantes que gostam do contato e são rápidos, cada um com sua característica, seja a imposição e a bola aérea de Diego Costa ou a inteligência e técnica apurada de Griezmann. Ambos se completaram com a volta do hispano-brasileiro, mas podem se separar ao fim da temporada com a saída do francês – desejado pelo Barcelona.

Derrubando candidatos
O primeiro candidato ao título que o Atlético enfrentou foi o Sporting. Mesmo que a equipe portuguesa não tenha feito grandes campanhas nas últimas temporadas, é tradicionalmente um rival conhecido no cenário europeu. Os espanhóis fizeram 2 a 0 no Wanda Metropolitano e encaminharam a classificação – que se concretizou com uma derrota sofrida por 1 a 0 no José Alvalade.

Mais um duelo pesado, desta vez contra o Arsenal. Dois jogos decididos nos mínimos detalhes – e, na verdade, não muito agradáveis de se acompanhar, já que nem o time de Simeone, muito menos o de Wenger criaram chances claras ou propuseram uma grande dinâmica às partidas. Com o empate por 1 a 1 no Emirates Stadium, a decisão foi em Madri, e Diego Costa marcou o 1 a 0 e levou a equipe à final.

A final da Liga Europa será dia 16 de maio, uma quarta-feira, no Parc Olympique Lyonnais, na França, contra o Olympique de Marselha.

LEIA MAIS:
PARA A HISTÓRIA: VEJA 5 MOTIVOS QUE EXPLICAM A CLASSIFICAÇÃO DO LIVERPOOL À FINAL DA LIGA DOS CAMPEÕES