Lutas

No Instagram, Vitor Belfort explica ter lutado lesionado no UFC 224

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução

Vitor Belfort foi ao Instagram para explicar a notícia de que teria lutado contra Lyoto Machida no UFC 224, no último final de semana, com uma lesão no joelho. O ‘Fenômeno’ garantiu que partiu dele a decisão de ir ao octógono para o duelo no Rio de Janeiro.

“A informação sobre a minha lesão de alguma forma vazou para a imprensa. Nem eu ou alguém da minha equipe fez menção ao assunto antes, durante ou depois da luta. Vitória ou derrota, lutar lesionado ou não fazem parte da vida de um atleta. Não fui o primeiro a lutar lesionado e não serei o último. Mesmo com todas as limitações impostas por minha lesão, cabe a mim decidir se irei ou não subir ao octógono”, escreveu Belfort.

A decisão de lutar conta Lyoto mesmo com a lesão foi motivada para não ‘desrespeitar’ o adversário e muito menos a torcida carioca. E que o problema não foi suficiente para impedir que mostrasse um desempenho razoável no cage na derrota para Machida.

“Não queria deixar de fazer a minha despedida no meu país, na minha cidade natal e diante de um oponente de respeito. Dei o melhor que pude e meu oponente foi melhor. E é isso que conta! Nenhuma adversidade que passei pode tirar o mérito dele. Claro que não foi a despedida que esperava, não pelo resultado, porque não temos controle sobre isso. Mas por não ter podido performar como sei que posso”, completou.

A lesão de Belfort aconteceu durante a preparação para a luta contra Machida, feita no Canadá. O ‘Fenômeno’ chegou a se consultar com alguns médicos, que o pediram para não lutar, mas decidiu prosseguir com os treinos e participar do UFC 224.

Confira a mensagem completa de Vitor Belfort sobre a lesão

 

Serei o mais direto possível nesse post. Com intuito de ser respeitoso ao público e principalmente ao meu adversário. A informação sobre a minha lesão de alguma forma vazou para a imprensa. Nem eu ou alguém da minha equipe fez menção ao acontecido antes, durante ou depois da luta. Vitória ou derrota, lutar lesionado ou não; fazem parte da vida de um atleta. Não fui o primeiro a lutar lesionado e não serei o último. Mesmo com todas as limitações impostas pela minha lesão, cabe a mim decidir se subirei no octógono ou não.

Decidi que; sim! Não queria deixar de fazer minha despedida no meu país ,na minha cidade natal e diante de um oponente de respeito. Dei o melhor que pude na luta e meu oponente foi melhor naquela noite. E é isso q conta! Nenhuma adversidade que eu possa ter passado tira o mérito dele.

Claro que não foi a despedida que esperava. Não pelo resultado, pq nunca temos controle disso. Mas por não ter podido performar como eu sei que posso. Literalmente cresci no octógono, me formei um lutador, forjado para deixar tudo ali dentro daquele octógono e esses ensinamentos levo para a vida.

Dê o máximo de si em cada minuto, em cada segundo em tudo que fizer… Agradeço ao carinho de todos! A todos aqueles que se preocupam genuinamente comigo, eu digo: Hoje estou um Leão ferido. E para aqueles que somente invejam e falam mal… Eu digo: Possa estar ferido, mas continuo sendo um LEÃO! Deixo aqui o meu; Até breve!

Uma publicação compartilhada por Vitor “The Phenom” Belfort (@vitorbelfort) em

LEIA MAIS

Bethe Correia enfrentará Irene Aldana no UFC 227

(Crédito da foto: Reprodução