Técnico do Coritiba detona políticos em crise dos caminhoneiros e diz que futebol fica “em segundo plano”

O técnico Eduardo Baptista aproveitou a coletiva de imprensa pós jogo para rechaçar situação política nacional relacionada a paralisação dos caminhoneiros.

Cássia Ferreira
Jornalista, fotógrafa, skatista e contadora de histórias de aventura.

Crédito: Divulgação Coxa

Nem a vitória do Coritiba sobre o Vila Nova com a inclusão no G4 da Série B do Brasileirão aliviou as tensões do técnico Eduardo Baptista. Afinal, o país do futebol tem maiores preocupações no momento.

Questionado sobre o comprometimento da próxima rodada de jogos devido aos problemas logísticos causados pela greve dos caminhoneiros, Eduardo Batista mostrou-se mais preocupado com a situação nacional: “O País vive uma incompetência ou uma falta de honestidade dos nossos políticos. Eu fiquei emocionado ontem, eu vi o pessoal do leite jogando leite na rua e tanta gente passando fome. Onde eu moro aqui tem tanta gente na rua pedindo dinheiro para um prato de comida e a gente tendo que jogar leite fora”.

Eduardo Baptista considera mais importante que a população se atente as condições políticas do país. “Se não tiver jogo não tem problema. Eu acho que a gente não pode nem pensar em jogo numa situação desta, uma situação triste, caótica e que tende a piorar. Mas, o Campeonato Brasileiro neste momento fica em segundo plano”, declarou o treinador.

Crítica aos políticos

A paralisação dos caminhoneiros já dura 7 dias. E o Governo Federal não fez propostas condizentes com as reivindicações dos caminhoneiros até o momento. Os grevistas ainda resistem mesmo sob aviso de intervenção militar e aplicação de multas.

Indignando com a ineficiência na resolução do problema o técnico do Coxa fez críticas ao ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, que coordena parte das negociações. “Hoje eu assisti o Marum falando, ele dando risada. Dando risada como se não acontecesse nada. Essa falta de honestidade, essa cara de pau… se não tiver jogo, tudo bem. O futebol fica em segundo”.

Ele ainda fez um apelo geral “Vamos votar certo, tirar essa cambada de corruptos que matam tanta gente. Essas pessoas não são ladrões. Essas pessoas são assassinas”, assinalou o técnico com indignação pelo cenário político citando vários partidos envolvidos em esquemas de corrupção.

O segundo plano do Coxa

Atento ao panorama nacional O Coritiba divulgou em nota que  o clube por meio de seu Departamento de Logística vem tomando todas as medidas e busca todos os caminhos para se precaver. Se necessário, a delegação alviverde pode viajar domingo ao interior do estado.

A paralisação

Em entrevista coletiva neste domingo, após reunião no Palácio do Planalto sobre a situação nas estradas ainda ocupadas, Carlos Marun pediu para que os caminhoneiros voltem ao trabalho informou que a Polícia Federal (PF) pediu a prisão de empresários suspeitos de incitar o movimento de paralisação, chamado de “locaute”, e avisou que haverá a aplicação de multa de R$ 100 mil para os que se recusarem a cumprir o acordo.

Diversos candidatos à presidência da república se manifestaram nas redes sociais sobre as ações de negociações do Presidente Michel Temer e também do Presidente da Petrobrás, Pedro Parente. A maioria com críticas severas a política de mercado da petrolífera que afeta diretamente o preço do combustível.