Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Presidente do Bahia descarta saída de Régis apesar de interesse de clubes

O Bahia não abre mão do meio-campista Régis. A oferta do Al Wasl, dos Emirados Árabes, não será aceita pelo clube. É o que garante o presidente Guilherme Bellintani.

Victor de Freitas
Baiano, 25 anos, jornalista formado pela Universidade Jorge Amado (UniJorge). Apaixonado por esportes em geral, de preferência basquete, tênis e futebol. Contato: victorw10@outlook.com

Crédito: Foto: Divulgação/ECBahia

Segundo o presidente tricolor, a proposta recebida pelo meio-campista Régis não agradou. Tanto pelos valores apresentados, mas também devido à importância do jogador dentro do elenco do Bahia.

“Possibilidade de qualquer jogador deixar o Bahia sempre há. Primeiro, porque há multa contratual, qualquer clube que venha e pague a multa, o jogador tem que deixar o Bahia, e o Bahia não tem nada para fazer. Mas, além disso, há possibilidade de a gente fazer qualquer negociação por qualquer atleta, mas não é nossa prioridade. Eu já disse isso no caso de Zé Rafael, que, justamente na véspera de ele fazer o sétimo jogo, (houve) muita sondagem, muita especulação, muita notícia, eu falei: “Zé Rafael vai ficar no Bahia, porque nenhuma proposta que chegou ao Bahia naquele momento valeria a pena a gente abrir mão dele no meio do campeonato”. Tudo é uma questão de avaliação”, disse o presidente do Esquadrão.

“No caso de Régis, especificamente, não chegou nenhuma proposta que nos agradasse. Então Régis continua, é titular do time, seja muitas vezes não entrando no começo do jogo. Mas é um jogador que a gente considera como titular, um jogador importante, que tem sido importante no modelo de jogo do time. Hoje não tem nenhum movimento que nos faça abrir mão de Régis neste ano”, afirmou.

Régis recuperou a condição de titular nos últimos jogos e é tido como peça fundamental para o elenco tricolor desde a temporada de 2016. Seu contrato com o Esquadrão é válido até o fim de 2020. O time baiano tem 45% dos direitos econômicos do atleta.