Dois anos do ouro da seleção brasileira: por onde andam os medalhistas na Rio 2016?

Há exatos dois anos, a seleção brasileira se tornava campeã olímpica em pleno Maracanã, contra sua algoz na copa de 2014, a Alemanha. Nos pênaltis, o Brasil finalmente conseguiu conquistar o único título que não possuía no futebol: o do ouro nas olimpíadas.

Kael Ladislau
Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto: Roberto Castro/ Brasil2016

O escrete canarinho, como todo torneio olímpico, era formado por jogadores sub-23 e mais três atletas com idade superior a essa categoria. O técnico Rogério Micale levou para o Rio 2016 jovens promessas da base que prometiam dar frutos com a camisa da seleção. Afinal, esses frutos foram colhidos depois do título?

Relembre quem fazia parte do Ouro Olímpico e por onde andam hoje cada um dos 18 campeões daquela olimpíada:

Goleiros:

Weverton – O então goleiro do Atlético Paranaense foi o escolhido para substituir Fernando Prass, que sofreu uma contusão nos treinos para os jogos, na meta canarinho e foi um dos três atletas acima da idade para aquele torneio. Titular naquela campanha, Weverson foi convocado para dois jogos na seleção principal, ainda em 2016 e também para o “jogo da amizade” contra a Colômbia em 2017, em jogo amistoso realizado no Estádio Nilton Santos. No final desse mesmo ano, o arqueiro foi contratado pelo Palmeiras, onde hoje é titular depois de ser uma das opções do time alviverde.

Uilson – Formado na base do Atlético-MG, Uilson ganhou notoriedade com a convocação para as olimpíadas, mas seguiu sendo opção no Galo. Hoje, contundido, segue no clube mineiro.

Laterais:

Zeca – Então lateral do Santos, Zeca foi titular na decisão do ouro olímpico em 2016. Permaneceu no clube santista até entrar na justiça pedindo rescisão do contrato por supostos atrasos no recolhimento do fundo de garantia. Hoje, é opção no Internacional e jamais foi convocado para a Seleção Principal

Douglas Santos – O lateral esquerdo titular no ouro olímpico, atuava no Atlético-MG quando convocado por Micale. Foi negociado após as olimpíadas ao Hamburgo, onde permanece até hoje e sem atuar na seleção desde aqueles jogos.

Willian – Então lateral do Internacional, hoje Willian atua no Wolfsburg da Alemanha

Zagueiros:

Rodrigo Caio – O zagueiro do São Paulo, além de titular na seleção olímpica, já marcava presença na seleção principal em 2016. Era cotado a ir à Copa do Mundo na Rússia em 2018, mas acabou preterido pelo técnico Tite. Rodrigo Caio hoje volta de lesão e está a disposição do técnico Aguirre no São Paulo.

Marquinhos – Outro zagueiro que sempre aparecia nas convocações da seleção principal, Marquinhos era nome certo para aquela olimpíada. No PSG desde 2013, o zagueiro ex-corinthians foi para a Rússia 2018 e ainda é nome certo para a seleção de Tite.

Luan Garcia – O zagueiro capixaba integrava o elenco do Vasco quando fora chamado para disputar as olimpíadas do Rio em 2016. Desde 2017 atua no Palmeiras e só retornou à seleção principal no “jogo da amizade”, em 2017.

Meias:

Renato Augusto – Outro nome acima da idade olímpica, Renato Augusto já estava na China quando foi convocado por Micale para o torneio olímpico. Nome de confiança de Tite, participou da Copa de 2018 – anotando o único gol contra a Bélgica nas quartas de final – e novamente foi lembrando pelo técnico para os amistosos contra El Salvador e Estados Unidos em setembro próximo.

Rafinha – Com a carreira basicamente feita na Europa, o meia já pertencia ao Barcelona durante as olimpíadas. Teve uma passagem pela Inter de Milão por empréstimo no começo de 18. Com passagens na seleção de base no Brasil, Rafinha teve sua primeira convocação na principal em 2015. Chegou a ser convocado para a Copa América Centenário, mas foi cortado por lesão e não foi mais convocado depois disso.

Walace – Formado nas bases do Grêmio, o meia permaneceu no tricolor gaúcho até o inicio de 2017, quando foi para o Hamburgo da Alemanha. Hoje no Hannover, Walace não é convocado para a seleção brasileira desde o “jogo da amizade”. Foi para a olimpíada porque o Shaktar Donestsk não liberou Fred, o convocado por Micale na ocasião.

Rodrigo Dourado – Atua no Internacional de Porto Alegre desde 2015, quando foi lançado ao profissional. Além de integrar a seleção olímpica, Rodrigo Dourado é sempre sondado para a seleção principal, ainda que não tenha tido chance com Tite.

Thiago Maia – Então jogador do Santos, o meia foi vendido ao Lille, da França em 2017 onde permanece até hoje. Apesar de ter integrado outras seleções de base, Thiago Maia jamais foi convocado para a seleção brasileira principal.

Felipe Anderson – Outro jogador que já atuava na Europa na época das Olimpíadas de 2016, Felipe Anderson foi a contratação mais cara da história do West Han, nessa última janela europeia. Apesar da valorização, a única oportunidade de Felipe Anderson com a camisa canarinho, além das olimpíadas, foi um amistoso contra o México em 2015.

Atacantes

Luan – A joia do Grêmio foi um dos nomes certos para aquela olimpíada no Rio de Janeiro. Foi titular no jogo final contra a Alemanha e constantemente era lembrado por Tite até a convocação para a Copa do Mundo de 2018, que ficou de fora e foi um dos nomes mais lamentados pela ausência.

Gabriel – O “Gabigol” foi revelação do Santos em 15 e, já na Inter de Milão, era nome certo do técnico Micale em 2016 com a seleção olímpica. Porém, a passagem de Gabriel Barbosa na Europa foi apagada e no começo dessa temporada retornou ao Santos. Participou da fracassada campanha da Seleção Brasileira na Copa América Centenário em 16 e nunca mais foi lembrado para integrar a seleção principal.

Neymar – O camisa 10 e capitão daquela seleção é a estrela canarinho desde a copa de 14. Neymar teve uma copa aquém do esperado na Rússia, mas continua sendo a estrela do brasileira no esporte e um dos principais nomes do PSG. Foi o autor do gol de falta contra a Alemanha na final e o responsável por cobrar o último pênalti que deu ao Brasil a medalha olímpica em 2016

Gabriel Jesus – Jesus despontava no Palmeiras em 2016 e foi outro nome certo do time comandado por Micale. Ao final daquela temporada, Gabriel foi contratado pelo Manchester City, onde permanece até hoje. Na Seleção brasileira, o centroavante foi titular na Copa da Rússia, quando fez um torneio aquém do esperado. Foi ignorado na última convocação do técnico Tite para os amistosos contra El Salvador e Estados Unidos em setembro desse ano.

Técnico: Rogério Micale – o técnico campeão olímpico estava na base da seleção desde 2014. Permaneceu no cargo até o final das Olimpíadas e foi chamado para comandar o Atlético-MG em 2017. Sem sucesso no time mineiro, o técnico ainda teve uma oportunidade no Paraná em 2018, porém sem sucesso.

LEIA TAMBÉM:
Jornal argentino pede para que Independiente tome cuidado com o Santos na Libertadores

Kanté se encontra com torcedor do Arsenal e pede desculpas por vitória no clássico