Para não chamar tanta atenção, repórter do SporTV revela que usava roupas do irmão

Repórter do SporTV, Joanna de Assis começou no jornalismo fazendo entrevistas na beira do gramado. Em entrevista ao Dibradoras, ela revelou que o começo foi complicado e diz que usava roupas do seu irmão para não chamar muito a atenção.

Ana Bracarense
Eu transformo a vida das pessoas para que saibam reconhecer o que é importante no trabalho e porque devem crescer junto com a empresa. A felicidade do funcionário faz parte do processo, mas uma peça essencial no meu método é saber reconhecer o que realmente importa. O quanto você/seu funcionário se importa com a empresa?Entre no site da Click Consultoria: www.clickconsultoriapcd.com e encaminhe um e-mail com assunto: EU QUERO

Crédito: Arquivo Pessoal de Joanna

Joanna contou que poderia ser treino do São Paulo, Palmeiras ou Corinthians, e entre todos os jornalistas que estava na beira do gramado, ela utilizava roupas mais largas.

Joanna também revelou ao Dibradoras que isso tudo aconteceu porque ela preferia vestir as roupas de seu irmão mais velho para passar despercebida, para não ter que escutar: “Ah, a menininha bonitinha, só está ali porque é bonita”.

Quando ela começou nessa área, as pessoas podiam fumar dentro da redação, e sendo somente ela de mulher, então escutava de tudo um pouco, principalmente muitas palavras machistas.

E, para ela se proteger disso, ela usava roupas de seu irmão e ia toda despojada, justamente para não escutar que está ali sob proteção de alguém ou porque era “bonita”.

Joanna começou escrevendo e atuando na revista Placar (onde ganhou o prêmio Abril) e em sites. Depois foi para o Globoesporte.com, logo após recebeu um convite para atuar na televisão. Ela também trabalhou durante oito anos no programa “Bem Amigos”. Porém, quando ela começou no vídeo, ela pôde sentir ainda o preconceito, que era mais acentuado com as mulheres.

Em 2015 Joanna ganhou o troféu de melhor repórter esportiva, e com isso, ela contou ao Dibradoras que tem que acabar esse preconceito em relação à mulher e comentou também que não deve separar prêmio de repórter mulher e homem. E sim deve ser tudo junto e ganhar quem for o mais reconhecido.

LEIA MAIS

Jogo de abertura teve narração feminina pela primeira vez na história