3 lições que o Flamengo deve aprender para restante do Brasileirão

O Flamengo empatou com o Vasco por 1 a 1, no último sábado (15), no Mané Garrincha, em Brasília, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Vitor Cavalcanti
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Staff Images / Flamengo

O empate do Flamengo no clássico rendeu inúmeras críticas, tanto da torcida, como da diretoria. Ao desembarcar no Rio de Janeiro no domingo (16), os jogadores foram alvos de gritos e xingamentos por parte de um grupo de torcedores rubro-negros. Além disso, está marcada uma reunião para essa segunda-feira (17) para definir o futuro do clube.

3 lições que o Flamengo precisa aprender

Incapacidade do time de produzir 

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

O Rubro-Negro tem um sério problema na capacidade de conseguir transformar em gols as chances criadas. Por mais que tenha investido bons milhões de reais nas contratações de Henrique Dourado, Fernando Uribe e Vitinho, os atacantes ainda não conseguiram dar o retorno esperado. A expressão “arame liso” (aquele que não machuca) é constantemente utilizada para definir o ataque do Flamengo. Os centroavantes já não marcam há nove jogos.

Falta cobrança

Maurício Barbieri talvez não tenha tamanho ainda para fazer uma cobrança mais rígida ao elenco. A direção que comanda o clube há anos também já demostrou que não tem essa característica. Alguns jogadores que compõem o grupo rubro-negro são bastante experientes. Então deve-se esperar mais deles. O capitão Réver fez uma cobrança mais forte após o empate com o Vasco. É preciso de mais.

Nervos do time

Diego, sempre muito centrado, foi expulso no clássico carioca por ter, supostamente, xingado o árbitro – pelo menos foi o que o juiz colocou na súmula. No desembarque no Rio de Janeiro, o meio-campista discutiu com alguns torcedores que estavam fazendo um protesto no aeroporto. O Fla precisa tentar manter a cabeça no lugar no restante do ano. Caso se perca no emocional, as coisas tendem a degringolar.