A Final do Campeonato Mundial de Vôlei

A Sérvia derrotou a Itália por três sets a dois, em um jogão digno de final de Campeonato Mundial Feminino de Vôlei. Primeira conquista da seleção sérvia desde que deixou de ser Sérvia e Montenegro, a partida consagrou a oposta Boskovic como principal nome do vôlei sérvio. As italianas Egonu e De Gennaro também escreveram seus nomes na história. Confira detalhes do jogo e o Dream Team do Campeonato.

Tauany Rodrigues
Apaixonada por vôlei, futebol americano e futebol, mas amante de todos os esportes.

Crédito: FIVB

Um jogo de tirar o fôlego. Só assim podemos resumir a final do Campeonato Mundial de Vôlei Feminino 2018. Disputado do início ao fim, as equipes Sérvias e Italianas se doaram ao máximo e entregaram em cinco sets, um voleibol de altíssima qualidade. Melhor pras sérvias, que consagram toda uma geração com esse título.

Durante o primeiro set, a impressão que se dava era que a jovem ponteira sérvia Busa estava muito nervosa e poderia entregar o jogo para a Itália, que se mostrou mais consistente no seu sistema ofensivo. Sacando o tempo todo na jovem ponteira que cobria Brankica Mihajlovic do passe, o time da central Danesi logo se impôs, e mesmo com a melhora do time sérvio, fechou a parcial: 25×21.

Já no segundo set, parecia que as coisas estavam invertidas. A equipe sérvia caçou Sylla no passe, e a italiana teve muitas dificuldades. Sem muitas opções, Malinov não conseguiu fazer uma boa distribuição e foi presa fácil para o sistema defensivo da Sérvia. Lavada e parcial fechada em 15×25 para as sérvias que empatavam o jogo.

O terceiro set foi o mais equilibrado da partida. A equipe comandada por Zoran Terzic se mantinha a frente, chegou a ter oito pontos de vantagem, mas a equipe italiana não desistiu. Contando com Egonu inspirada e com a contribuição da levantadora adversária que esqueceu a principal jogadora sérvia, a Itália não só empatou a parcial, como virou e fechou o set em 25×23. Faltava um set para o título.

Mas o quarto set foi um domínio sérvio. Do início ao fim, Boskovic se recuperou de um set abaixo do esperado, assumiu o controle do time e do jogo. Contou com importante ajuda de Mihajlovic e de Maja Ognjenovic que fez uma distribuição perfeita para que, mesmo com a reação das italianas, a sua equipe fechasse a parcial em 19×25.

O tie break prometia entregar um jogo equilibrado, marcado pelo duelo entre Boskovic e Egonu. Mas, se do lado sérvio, a oposta de 21 anos resolvia os problemas do seu time, do outro lado, a levantadora italiana optava por um jogo com as pontas. Lucia Bosetti e Sylla mantiveram as viradas de bola, para controlar a vantagem sérvia em dois pontos. Sylla teve a bola de cheque para empatar o jogo e não definiu, gerando o match point para as adversárias. E em um erro de levantamento de Malinov, no rally final do jogo, Sylla comete o erro e fecha a parcial em 12×15 e o jogo em três sets à dois. A Sérvia se torna a nova Campeã Mundial de Vôlei Feminino.

As maiores pontuadoras da partida foram as grandes estrelas da competição. Paola Egonu deixou o jogo com 33 pontos e Tijana Boskovic com 26.

SELEÇÃO DO CAMPEONATO

O Campeonato Mundial de Vôlei, assim como a maior parte das competições da FIVB, elege ao final da competição, o time dos sonhos, a seleção do campeonato. Assim ficaram as premiações

OPOSTA: Paola Egonu (ITA)

LEVANTADORA: Ofélia Malinov (ITA)

CENTRAL 1: Yan Ni (CHN)

CENTRAL 2: Milena Rasic (SER)

PONTA 1: Zhu Ting (CHN)

PONTA 2: Miriam Sylla (ITA)

LÍBERO: Monica De Gennaro (ITA)

MVP: Tijana Boskovic (SER)

O terceiro lugar da competição ficou com a China, que derrotou a Holanda por três sets à zero, em jogo que antecedeu a final.