Laís Souza fala sobre dificuldades: “Eu não sei se vou voltar para o esporte“

Em entrevista exclusiva para a Folha de São Paulo a ex-atleta Laís Souza que sofreu lesão na terceira vértebra da coluna cervical em janeiro de 2014, quando treinava em Utah, nos EUA. Ela buscava vaga no esqui aéreo para os Jogos Olímpicos de Inverno, que aconteceriam naquele ano em Sochi, na Rússia. Laís falou sobre assuntos como família, dificuldades para se manter e tentativa no esporte Paralímpico.

PH Andrade
Colaborador do Torcedores

Há cinco anos Laís quebrou a vértebra sofreu um deslocamento que comprimiu as outras. A lesão medular foi total e comprometeu as funções motoras. Ela perdeu os movimentos, a sensibilidade e o controle de todos os órgãos abaixo do pescoço. Hoje longe do esporte, Laís pensa em formar a sua família e contra como o acidente lhe deu outra vida.

“Estou me encontrando, pensando em formar minha família. Estou mais mulher. Estou sabendo o que é mais a vida porque me criei em uma casca de ovo, fechadinha ali nos treinos. Da ginástica fui para o esqui e continuei no mundo do esporte. Agora comecei “, Disse Lais em entrevista exclusiva para a Folha.

Laís também falou sobre a possibilidade de voltar ao esporte e tentativa em alguma modalidade Paralímpica.

“No começo pensei: vou entrar de cabeça, vou me adaptar a algum esporte que me faça voltar àquele mundo. Mas hoje, depois de muito tempo de cadeira [de rodas], do acidente, cai a ficha de muitas coisas. Da minha situação, da minha vida e da minha renda também. Eu não sei se vou voltar para o esporte”, disse Laís.

Hoje a ex-ginasta tem algumas dificuldades para se manter e projetar um futuro. As situações mais banais custam dinheiro para ela. O material necessário para urinar, por exemplo, tem de ser comprado por valor de até R$ 12 e é descartável. Láis tem renda de uma aposentadoria especial aprovada pelo governo federal em janeiro de 2015, no teto máximo permitido, R$ 5,6 mil. Patrocinada pela Universidade Estácio de Sá, ela também faz palestras corporativas.

“Hoje faço palestras. Sou jovem, estou com cabelo bonitinho, não tenho rugas. Tenho disposição. Aí eu penso que lá na frente vou estar mais velha, não estarei tão disposta, terei mais problemas de saúde. Como vou me manter? Tudo o que tento fazer hoje é poupar dinheiro com a melhor qualidade de vida possível para que lá na frente eu ainda tenha [recursos]”, completou Lais.

LEIA MAIS

Opinião: Lais Souza poderia repensar a mensagem de inclusão

Lais Souza desabafa sobre dificuldades após acidente: “não quero me adaptar à cadeira de rodas”