Técnico do River se desculpa e vê Grêmio sem “argumento algum” para reverter resultado

A grande polêmica da semana segue sendo o jogo entre Grêmio e River Plate, na última terça-feira. Na oportunidade, o time argentino venceu por 2×1, em Porto Alegre, e garantiu vaga na decisão da Copa Libertadores da América. Apesar disso, o Tricolor recorre aos tribunais para reverter o resultado. Atitudes ilegais do técnico dos Milionários são o principal ponto em questão da reclamação gaúcha.

Bruno Nunes Loreto
Formado em Jornalismo na Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC. Amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Grêmio e Fluminense.

Crédito: Diego Haliasz / River Plate

Suspenso da partida pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), Marcelo Gallardo se comunicou com seu auxiliar via rádio e ainda compareceu ao vestiário no intervalo. O treinador, que logo depois da classificação do River Plate admitiu os fatos, voltou a falar sobre o assunto nesta sexta-feira.

Em entrevista coletiva, Gallardo afirmou que agiu por impulso e que não teve a intenção de desafiar a Conmebol. O comandante se explicou e também aproveitou para pedir desculpas por ter transgredido as regras.

“Claramente, 48 horas ou três dias depois da partida, se tem tempo para com mais tranquilidade analisar o que foi o jogo. O que foi em geral os acontecimentos no Brasil depois de conseguir classificação histórica pela maneira que foi. Não estou totalmente alegre, sobretudo para mim. De qualquer forma, queria esclarecer que o que eu disse depois do jogo, sobre ter ido no vestiário, transgredido uma norma regulamentária, acredito que teve mais a ver com o emocional do que desafiar alguém. Eu não queria desafiar a Conmebol. Eu sempre estive convencido que era desagradável para os treinadores ter um ato de indisciplina. Mas me parecia injusto, e numa situação de tanta importância as emoções também jogam. E jogaram contra haver atuado impulsivamente”, disse o treinador.

“Quando se age por impulso, foi um ato de indisciplina da minha parte, não cumpri as normas, tenho que pedir desculpas à Conmebol, mas não foi uma postura de desafio, só como eu disse agora. Não é fácil o trabalho que se faz durante todo ano, o trabalho do time, dos jogadores, todos estão aqui porque vamos jogar uma partida especial e somos privilegiados de poder viver isso”, adicionou.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

O Grêmio entrou com pedido da reversão do placar na Comissão Disciplinar da Conmebol, o qual está sendo julgado nesta sexta-feira. O clube gaúcho assegura que o River Plate foi conivente com as ações proibidas do treinador. Gallardo, que argumentará no julgamento através de videoconferência, garantiu estar tranquilo e não acredita na mudança do resultado.

“Eu tenho tranquilidade. Me parece que não tem argumento algum para validar esta situação, que claramente conseguimos no campo. Mas isso é uma opinião pessoal, nada mais que isso”, concluiu o treinador.

A decisão do tribunal deve sair ao logo do dia de hoje. Até o momento, a final entre Boca Juniors e River Plate está mantida, com a primeira partida marcada para 10 de novembro, um sábado.

LEIA MAIS:

CINCO FATOS QUE DEMONSTRAM A CONDUTA IRREGULAR DO RIVER PLATE NA ARENA

DELEGADO E ATÉ KANNEMANN VIRAM “TRUNFOS” DO TRICOLOR, QUE MANTÉM CONFIANÇA EM IDA À FINAL

BOLZAN CONFIA QUE TRICOLOR PODERÁ JOGAR A FINAL DA LIBERTADORES: “CHEGA DE ESPERTEZA E MALANDRAGEM”

LESIONADO, MARCELO GROHE NÃO ATUA MAIS EM 2018